O corpo e a alma das mulheres de Victor Brecheret

Um caso peludo
29 de junho de 2015
The body and soul of Victor Brecheret’s women
2 de julho de 2015
Exibir tudo

 

As mulheres de Victor Brecheret são magníficas!

A mostra “Brecheret Mulheres de Corpo e Alma – Desenhos e Escultura” é magnífica. Victor Brecheret (1894-1955) quando delineou suas mulheres, no gesso, no bronze e no desenho, as relacionou “à anima, ao feminino que habita em todo o homem”.

Se o olhar for de uma mulher, portanto, sob a ótica feminina, a identificação com as performances criadas pelo mestre será imediata.  Quando o feminino se depara com os grupos temáticos tão bem construídos.  A mulher no mito, no sagrado, no amor, na alegria, no próprio corpo.

É como se Brecheret estivesse ali, apresentando suas mulheres

A curadoria é de Daisy Peccini. Ela  conduz a mostra  como se Victor Brecheret estivesse ali, se apresentando com as mulheres que permearam e foram parte dele nas diversas fases de sua vida. A começar pela escultura que abre a exposição, um corpo de mulher, em bronze.  Uma Vênus sem identidade (sem cabeça) e com pés masculinos, em contraste à feminilidade das curvas.IMG_3666

O Instituto Ricardo Brennand, em Recife, presenteia aos brasileiros essa exposição até o dia 19 de julho.

São 29 esculturas e 107 desenhos (estudos) do artista ítalo-brasileiro sobre o feminino numa seleção de três décadas de inspiração, de 1920 a 1955.

IMG_3676

Banho de Sol, início da década de 30. Foto Mari Weigert

O objetivo do Panhoramarte não é divulgar o evento. Isto já foi feito. É oferecer a oportunidade ao leitor  de rever o mestre Brecheret, na sua magnitude, na beleza de suas criações, tanto pelas fotos das obras quanto pelo texto e olhar crítico.

Victor Brecheret é parte importante na história da arte brasileira.

Para quem não o conhece, é o artista que assina o monumento às Bandeiras, na Praça Armando Salles, em frente ao Palácio Nove de Julho, em São Paulo.

.IMG_3735

Os desenhos e as esculturas, na mostra,representam fases e diferentes tendências da trajetória do artista.

“Manifestações de corpo e alma, esculturas e os desenhos guardam latências e emanações do arquétipo feminino, provenientes da psique do artista, o visionário, que expressa com mais liberdade o inconsciente”, afirma a curadora da mostra, Daisy Peccinini.

IMG_3689

O Beijo, Brecheret, 1930. bronze polido. Foto por Mari Weigert

O Beijo de Brecheret, em bronze – início dos anos 30. É uma escultura marcante de um casal apaixonado de formas estilizadas, naturalistas. As formas são volumosas, porém impregnadas de sensualidade e com um romantismo ainda definido na inclinação da figura masculina à feminina.

IMG_3692

O Brecheret jovem, na Escola de Paris, que viveu nos anos 20, em Montparnasse, traz a escultura clássica em obras como a Bailarina e a Tocadora de Guitarra, ambas do início da década de 30.

Embora o jovem artista tenha preservado as linhas clássicas  nas duas obras, é também possível perceber o jogo que faz com o movimento  dando às esculturas um sentido mais ousado.

IMG_3695

Bailarina. 1929. Foto Mari Weigert

“O artista não só procura a figura, as superfícies, os volumes, a composição, mas, sobretudo, as resultantes de sua criatividade dedicada e intensa, que ao ser moldada a matéria dela emanasse a alma feminina e os valores simbólicos, históricos e estéticos da mulher universal”, diz o material de introdução à mostra.

IMG_3684

Três Graças, início da década de 30 .

Duas esculturas que representam as Três Graças ou Carités, símbolo da harmonia. A primeira, acima, feita na época em que frequentava a Escola de Paris. Nela, ele representa como alegoria, as três raças humanas entrelaçadas e em igualdade. Nos anos 50 retoma ao tema, porém usa formas orgânicas e primitivas.

IMG_3685

Três Graças, início dos anos 50

Nus Femininos, Mulheres Alegorias, Mulheres Amor, Ritmo e Música

A mostra está dividida em grupos temáticos, entre eles está o Nus Femininos, Mulheres Alegorias, Mulheres Amor, Ritmo e Música, Figuras Santas, Mulheres Indígenas, Mulheres Reclinadas, entre outras.

IMG_3703

O Beijo início da década de 30.Foto Mari Weigert

Uma outra escultura que compõe o Beijo e criada quase na mesma fase da outra, na qual o sentimento romântico está mais acentuado pela inclinação da figura masculina à feminina.

Nessa acima, o beijo unifica o masculino e o feminino, os imanta e os transforma em um.

IMG_3721

O tema feminino e religioso aparece em todas as fases da vida do artista, segundo informações do catálogo.

O bronze Soror Dolorosa, 1920, é uma delas, do início de sua carreira, e foi inspirado no livro de poemas homônimo de Guilherme de Almeida.”A composição dramática e tensa, bastante moderna, dispõe frente a frente a cabeça da mulher mística, contemplando o rosto de Cristo sacrificado”.

Belíssimo trabalho!

Em Virgem da Anunciação – 1955, o artista retoma a criação de madonas dos anos 20, e representa o Arcanjo Gabriel e a virgem adolescente.

IMG_3729

Virgem Indígena, 1950.

Na década de 50, Brecheret retoma a arte religiosa que desenvolveu nos anos 20 e representa a Virgem Maria em todos os seus perfis. Na foto, acima, a escultura da Virgem Indígena. Mais sintética e com volumes rusticamente definidos.

IMG_3751

Índia Escondida por um Grande Peixe. c.1948. Granito. (pedra rolada pelo mar)

IMG_3751

Entre as marcantes obras de Brecheret, essa, a Índia rolada por um grande peixe é fora de série. É apoteótica, primitiva e ao mesmo tempo dramática.

IMG_3706

“A respeito da minha arte, estou em um momento de máxima simplicidade, dentro das linhas e jogo de volume, encontrei minha inspiração, graças a Deus, pura Arte, que é completamente original”. ( Carta de Victor Brecheret a Mário de Andrade, Paris, 14-05-1924).

 

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.