Cauê é Tupi e saudação. Salve!
Salvem a Serra da Moeda dos mineradores ecoam os artistas e moradores com suas armas em punho (música e poesia) no I Festival de Arte e Cultura.

Isso porque em português salve é também socorro.

Enquanto alguns querem dissecá-la e retirar tudo que vive e pulsa dentro dela, pela ganância, a arte fala mais alto e mostra que a riqueza é bem maior quando se conhece  a história, descobre-se  crendices, benzimentos e se enleva com os músicos, poetas e cantores do local.  O Festival foi idealizado para isso, mostrar o que existe de mais genuíno e inestimável na região.

A cantautora Sol Bueno, artista e moradora, integrante do Coletivo Cauê,  conta que o Festival começou a nascer a partir de um mapeamento cultural há mais de dois anos pelo Coletivo e só transformou-se em realidade com o apoio da Lei Aldir Blanc.

Ela quer que o grito de rebeldia de quem ama aquele lugar ecoe por todo o Brasil e em uníssono seja possível conter a destruição. ” Eu moro na única cidade não minerada do quadrilátero ferrífero e isso tem uma carga simbólica muito forte de resistência. É luta o tempo todo!…”, conta Sol.

 

Ironicamente a Serra da Moeda tem em sua história a prova que a corrupção no Brasil vem de tempos remotos e foi trazida pelo homem branco. Divino Pedro, que tem origens na comunidade centenária de São Caetano da Moeda Velha, apresenta no Festival a história da casa clandestina de fundição de moeda. A casa está lá, isto é, as ruínas. Segundo ele, a história veio à tona porque os dois fazendeiros que faziam moedas clandestinas e burlavam a lei brigaram e um denunciou o outro. Veja o depoimento no vídeo do nono dia.

“A Serra da Moeda situa-se ao sul da Região Metropolitana de Belo Horizonte e integrante do quadrilátero ferrífero, é uma das mais belas e importantes formações geológicas do Brasil, com altitudes que ultrapassam os 1.600 m. Se estende no sentido norte-sul por mais de 50 Km, incluindo territórios de oito municípios. O lugar é bastante visitado por turistas, atraídos pelas suas paisagens deslumbrantes, cachoeiras e comunidades centenárias, onde se desfruta de uma boa gastronomia junto a um povo acolhedor que ainda conserva modos de vida que remontam às origens de Minas Gerais.

O nome do festival faz menção e destaca o Aquífero Cauê, responsável por alimentar o coração da montanha, e com ela a cultura e a alma das pessoas. Essa região vem sofrendo impactos ambientais e constantes tentativas de avanço da atividade minerária, e o festival vem apresentar uma diversidade de riquezas que vão muito além de minério de ferro.”Fonte: Coletivo Cauê 

 

Essa riqueza cultural se expressa nos cantos, depoimentos e imagens que foram registrados ao longo de meses, e revelam muita expressão de vida que está intimamente conectada à terra onde existe. As entrevistas trazem desde manifestações tradicionais da cultura popular, como mestres de folia de reis e benzedeiras, como também expressões mais urbanas, como o universo hip hop. 

Dona Rita (foto) é cantadeira e benzedeira de Belo Vale, MG. Quilombo. Conta causos que faz a gente sentar horas e horas numa boa prosa numa roda de conversa. O depoimento está no vídeo dois do Festival.

A ação mineradora tem destruído toda a região e  está comprometendo toda a vida e o patrimônio material, sobretudo as comunidades quilombolas do entorno, que tiravam o sustento das águas do Rio Paraopeba. “Hoje o rio sangra”, denuncia Gloria Maia, historiadora e fotógrafa, além de presidente do Instituto XXI, correalizador do Festival.

 

O Festival é totalmente online e pode ser assistido no Canal do Coletivo Cauê. Quem assiste não consegue ficar em um só vídeo. Um projeto muito interessante que nos dá oportunidade de viver um pouquinho a vida daquela gente.

É um Brasil amoroso que espalha afetividade pela arte, pela música, pelos causos e singeleza. O Brasil genuíno que fala de flores e amores e não de armas. Um Brasil que não usa o nome de Deus em vão e sabe que ele está presente na água cristalina, no verde das matas e no afeto entre as pessoas.

Acesse o canal leitor, que não irá se arrepender. Terá oportunidade de conhecer muita gente simpática, como Amanda Gabriela e Vania dos Reis (mãe e filha) ambas fazem parte da Guarda de Moçambique, de Nossa Senhora do Rosário de Brumadinho. Elas cantam e encantam sobretudo quando falam sobre as raízes afro e de seu artesanato. Grandes costureiras exímias na confecção de um belo ‘fuxico’.

O recorte do Festival foi contemplar moradores da Serra da Moeda e principalmente mulheres. Portanto, o Festival é um exemplo de emponderamento feminino, do negro e indígenas. Nas expressões culturais predominam manifestações rurais, periféricas e quilombolas. 

Aldo Bibiano é  Capitão da Guarda de Moçambique, de Nossa  do Rosário de Brumadinho e  presidente do Conselho de Promoção da Igualdade Racial. Para conhecer um pouco mais dele é só assistir o primeiro vídeo do Festival.

“Não troque sua loucura por uma simples lucidez, aparente, envolvente, sutil, (..) Se algum dia a solidão bater em sua porta, abrace o tempo, abrace o vento(…). Não sou poeta e sim poéter diz Láercio Vilar, do Quilombo do Taquaruçu, baterista há quase 60 anos. Seu depoimento está presente no vídeo do dia 3.

“Assim, é no abraço e na conexão da natureza inteira deste lugar que nascem todas as expressões do Festival: ao todo, são 10 episódios, lançados na Internet, um a cada semana à partir do seu lançamento, nos meses de agosto, setembro e outubro, todos na página do Coletivo Cauê, no Youtube. Que Cauê, que em tupi significa gavião, como também uma forma de saudação – um salve – possa saudar, salvar, abraçar  e apresentar caminhos de “bem viver” em suas águas criativas!”. 

Salve Sol Bueno e seus amigos! 

Vale lembrar que o décimo episódio do Festival será apresentado neste sábado (23/10), a partir das 18 horas, e  ficará disponível para o público no canal. Não deixem de assistir e certificar-se que a garimpagem do Coletivo Cauê foi fantástica, mostrou o brilho de figuras humanas preciosas e repletas de ternura e sensibilidade. Não deixem mesmo de assistir que irão renovar a esperança no ser humano nesses tempos tão sombrios. 

Vamos nos juntar a eles e potencializar esse grito: Salvem a Serra da Moeda!

*Todas as fotos foram cedidas pelo Coletivo Cauê.

21 de outubro de 2021

Mineração: artistas e moradores da Serra da Moeda pedem socorro. Cauê!

Cauê é Tupi e saudação. Salve!Salvem a Serra da Moeda dos mineradores ecoam os artistas e moradores com suas armas em punho (música e poesia) no […]
14 de outubro de 2021

Arte de Weiwei coloca em debate a China e a liberdade de expressão

O artista chinês Ai Weiwei é uma das vozes mais potentes na luta pela liberdade de expressão. Não economiza esforços para mostrar o mal que causa […]
1 de julho de 2021

Bienal de São Paulo abre espaço para o indígena potencializar sua arte

Um significativo grupo de artistas indígenas estará a partir de setembro, na 34a.Bienal de São Paulo, mostrando sua arte, mitos, lendas e as vivências contemporâneas dos […]
17 de junho de 2021

“Cores carregam metáforas de culturas inteiras”

“Cores carregam metáforas de culturas inteiras”. A frase é da escritora americana Ellen Melloy. Pensem um pouco e reconheçam que é verdade! Caro leitor, olhe para […]
10 de junho de 2021

Belezuras da arte ingênua nas obras finalistas de Guarabira

É difícil escolher qual é a obra mais genial de todo o Festival Internacional de Arte Naif, na sua terceira edição em Guarabira, na Paraíba. Todas […]