É inegável que a crítica feita pelo artista paranaense João Osorio Brzezinski em 1999, na obra 'Os Três Poderes enquanto o Brasil Implode' não perdeu a atualidade. Infelizmente!

Apenas mudam os personagens na política brasileira. “Eles dormindo e povo se matando”, diz o artista, que também conta que a obra foi recusada pelo Salão Paranaense da época. 

 O Executivo, Legislativo e Judiciário estão deitados em três colchões, cobertos com tecidos de estampas idênticas, porém de cores diferentes. O colchão do meio dorme o então Presidente da República, Fernando Henrique Cardoso,  fazendo o mesmo sinal de Cristo indicando o caminho, de um lado Antonio Carlos Magalhães, presidente do Senado, num sono descontraído e relaxado e de outro Carlos Velloso, do Supremo Tribunal Federal, com medo dos dois.

Para quem mora em Curitiba ou deseja conhecer a cidade, que já não é tão ecológica, deve dar uma passadinha no Museu Guido Viaro, ali perto da Reitoria para conferir as obras de  Brzezinski na mostra ‘Os inéditos e já esquecidos’ . Pelo título é possível perceber a forte  característica da personalidade do artista, de temperar com uma pitada de humor inteligente, mas um tanto ácido, as suas criações. A mostra ficará aberta ao público até 21 de janeiro.  

A exposição faz um giro na trajetória de vida de João Osorio que celebra os seus 80 anos com muita energia criativa e ainda com vontade de polemizar.  A sua juventude viveu em plena ditadura militar e como aluno do pintor Theodoro de Bona mostrou ao seu renomado professor que sua poética artística não se fixaria na arte acadêmica,. “Ele queria um outro caminho, próprio a seu tempo e ao seu espaço, no seu mundo contemporâneo, provocativo e com uma imensa necessidade de pesquisa”, relata o crítico de arte Fernando Bini. 

Sol Minguante – Acrílico sobre tela/2021. Brzezinski coloca em pauta a questão ambiental e faz críticas irônicas à sua moda.

Em Paisagem – Ecoline sobre Papel/1961 ainda aluno da Escola de Belas Artes do Paraná, início de sua trajetória artística, começa a mostrar a sua inclinação em desenvolver trabalhos mais conceituais. Certamente, grandes nomes da pintura foram seus inspiradores como Cézanne e outros que fizeram história na arte ao reinventar e abrir novos paradigmas para pintura no século  XX.

‘Os inéditos e já esquecidos’ podem ser únicos, porém esquecidos jamais,  mesmo que realizadas há décadas. Brzezinski prova o que PanHoramArte sempre defende: artistas são visionários e testemunhos de uma época.

A beleza e a perspectiva da obra O Vício – Acrílica sobre tela/2002 é um exemplo significativo do seu talento como pintor e de sua linguagem conceitual que obriga o observador a fazer profundas reflexões.

“Além de comemorarmos os seus 80 anos de vida, João Osório quando se tornou professor da Escola de Música e  Belas Artes do Paraná, substituiu o professor Guido Viaro, que lembramos neste mês de novembro e neste ano de 2021 os seus 50 anos de falecimento. Esta mostra lembra também os 150 anos da imigração polonesa em Curitiba que são as homenagens que faz o ‘polaco’João. ” Texto Fernando Bini

Sentinico – colagem /2021 figura entre as criações mais atuais de Brzezinski. “É a árvore raquítica sendo oprimida pelo bloco de concreto”, aponta ele para a instalação que reina no meio do espaço da mostra no mais absoluto martírio.

A foto e a instalação são a visão surreal do futuro. Surpreendente!

O concreto vencendo a natureza e o homem sem poder respirar livremente. 

Máscara, concreto e pouco verde.  Só nas tintas e na memória dos artistas!

25 de novembro de 2021

Humor inteligente na instalação de João Osorio não perde a atualidade

É inegável que a crítica feita pelo artista paranaense João Osorio Brzezinski em 1999, na obra ‘Os Três Poderes enquanto o Brasil Implode’ não perdeu a […]
18 de novembro de 2021

Obras de arte roubadas pelo poder colonial, museus e restituições

Uma ânfora de ouro devolvida a região de Anatolia, na Turquia, por um museu de Londres, textos milenares antigos foram entregues pelo EUA ao Iraque…. E […]
3 de novembro de 2021

Homenagem a Jaider Esbell e sua conexão com o ‘espírito do tempo’

Jaider Esbell optou em seguir caminhos em outras dimensões de luz. Enquanto viveu neste planeta potencializou sua mensagem sobre o ‘espírito do tempo’ por meio da […]
27 de outubro de 2021

Achegue-se! Visite ‘Casa’ de Marília Diaz

Aconchegue-se à Casa de Marília! Aproveite o convite e acompanhe a poética da artista sobre esse espaço tão vivenciado por nós durante a pandemia. Casa (clique […]
21 de outubro de 2021

Mineração: artistas e moradores da Serra da Moeda pedem socorro. Cauê!

Cauê é Tupi e saudação. Salve!Salvem a Serra da Moeda dos mineradores ecoam os artistas e moradores com suas armas em punho (música e poesia) no […]