Nos grafites de Shamsia Hassini a voz da mulher afegã encontra eco, porém no silêncio. Só nas imagens e na cor.

A  personagem que Shamsia criou está em paredes  e  muros de Cabul e de algumas grandes capitais no mundo. Começou retratá-la com burca, mas deixou de lado a burca e a repaginou como uma mulher moderna, corajosa e orgulhosa de sua condição feminina e de sua identidade cultural.

Além dos murais, a artista usa a fotografia como técnica aliada a pintura.  Ao criar a figura feminina, a compôs como uma mulher solitária, forte e corajosa, porém delicada, de semblante tristonho, sempre com os olhos fechados e sem boca traçada. 

Na verdade, numa análise crítica, Shamsia retrata o perfil da mulher afegã. Quieta, escondida, vigiada, sem voz e com muitos medos. As imagens são potentes nas mensagens, impressionam e comovem quem as visualiza. Impossível não escrever sobre ela.

“A arte muda a mente das pessoas e as pessoas mudam o mundo”, escreve ela na entrada do seu site oficial. Para saber mais clique aqui.

Pouco fala sobre si e seu currículo no site. Sua comunicação é pelas imagens de suas obras. Compreensível, sobretudo agora com a volta do Talibã ao poder. Mas pela arte ela percorre o mundo e conta o drama e expõe a alma dessas mulheres que geram filhos cercadas pela violência.

Em tempos de abertura política, a artista conseguiu percorrer diversos países e mostrar seus murais. “Os trabalhos de graffiti de Shamsia Hassani foram exibidos em todo o mundo. Seus murais são peças de arte em paredes do Afeganistão, Estados Unidos, Itália, Alemanha, Índia, Vietnã, Suíça, Dinamarca, Noruega e outros países”, fonte site oficial.

A mulher-mãe que gera um filho para guerra. Um obra comovente e forte na mensagem. 

. Tem algo mais eloquente que simbolize a liberdade do que uma ‘pipa’ pegando carona no vento e alcançando as alturas?

A pandemia, na criação de Shamsia, têm uma versão mais perturbadora para a mulher. Percebem o detalhe das grades na janela?

Shamsia Hassani é a primeira mulher grafiteira do Afeganistão. A jovem de 33 anos retrata por meio de suas obras de arte mulheres afegãs em uma sociedade difícil.

Filha de refugiados afegãos, Hassani começou a fazer grafite e arte de rua em 2010, após graduar-se na Universidade de Cabul em pintura e artes plásticas. 

A descrição de seu perfil no Instagram é bastante resumido e discreto, com 443 publicações, todas imagens de obras suas. No entanto, Shamsia têm  237 mil seguidores. 

 

O vídeo é de 2016 numa outra situação política diferente da atual. O pensamento da artista é de uma mulher que sonha e acredita que a arte tem o poder transformador.  Ela sonha por um mundo melhor.  

1 de setembro de 2021

Shamsia Hassini conta sobre a angústia da mulher afegã no silêncio das imagens

Nos grafites de Shamsia Hassini a voz da mulher afegã encontra eco, porém no silêncio. Só nas imagens e na cor. A  personagem que Shamsia criou […]
2 de setembro de 2020

Contundente e visceral arte de Angelo Campos

A arte de Angelo Campos é contundente, fere, agride a quem não quer enxergar uma realidade que é parte de um Brasil sem oportunidades. Seus murais […]
14 de novembro de 2019

Batom do Holocausto

‘Batom do Holocausto’ é um impressionante grafite de Banksy inspirado num pequeno trecho do diário do Tenente-Coronel Mervin Willet Gonin Dso, que estava entre os primeiros […]
17 de fevereiro de 2017

A diferença entre João Dória e Gucci

Enquanto Gucci enfeita as ruas de Nova York com street art, João Dória prefere a cor cinza para São Paulo. A griffe de moda, Gucci, de […]