Guerra cultural é poderosa arma que não se combate com argumentos e sim com afeto.

Faça parte das Forças Amadas. Vamos juntos nessa!
26 de maio de 2022
‘Saúde tem cura’. Filme feito para todo brasileiro lutar pelo SUS
9 de junho de 2022
Exibir tudo

The Key in the Hand ( A chave na mão)-Shiharu Shiota. 56º Bienal de Veneza

João Cézar de Castro Rocha apresenta essa conclusão diante dos fatos atuais. A guerra cultural para ele, é uma poderosa máquina de produção de narrativas que divide um povo e dissemina ódio, sobretudo em ano eleitoral e não se combate com argumentos.

E mais ainda, a guerra cultural em pleno século XXI se utiliza das características negativas do universo digital com maestria tal, que produz engajamento, cuja intensidade é tão grande “que ainda não sabemos como devemos reagir. Mas não existe problema sem solução. Num encontro entre os integrantes dos Estados Gerais da Cultura – Como furar a bolha e sair do sair do quadrado – este brilhante escritor e professor, doutor em Literatura, faz uma análise sobre o avanço da extrema-direita no mundo ocidental e recomenda que numa guerra cultural não se deve usar argumentos e sim, o afeto e o amor. 

Mas espera aí! Não entenda como um movimento hippie dos anos 70.

Quando João Cézar fala de guerra cultural, ele trata da palavra cultura de forma abrangente – modo de vida de uma sociedade – quando lida com a palavra amor e afeto, é no sentido intenso de ideologia e da crença por um mundo melhor. Ele se refere a narrativas que são criadas com base em notícias falsas e teorias conspiratórias.

“Narrativas polarizadoras, cuja finalidade é gerar inimigos em série, cuja criação permite que a base, que as massas digitais permaneçam em excitação permanente, em mobilização 24 horas por dia, sete dias por semana. A capacidade de mobilização política da extrema-direita no cotidiano, é um dado que nós ainda não consideramos com a seriedade necessária. 

O afeto que nos interessa é a junção do argumento, projeto de nação, com afeto. Amor profundo ao país que nunca tivemos, mas de uma nação que pode vir a ser. Nós precisamos, creio, para combater esta nefasta vitória transnacional da extrema-direita, precisamos sem nenhum constrangimento, voltar a pensar na política, numa junção dupla e necessária. Política que se reduz o afeto é fascismo, que se reduz o argumento é tecnicidade neoliberal… Nós precisamos resgatar uma política que seja, ao mesmo tempo argumento, projeto e afeto, amor ao outro, amor ao mundo, amor a um país que se pode vir a ter.

 

Fragmento da obra de Escher que neste contexto quer significar ressonâncias......

João Cézar de Castro Rocha é professor titular de Literatura Comparada da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). É Doutor em Letras pela UERJ (1997) e em Literatura Comparada pela Stanford University (2002), pesquisador 1D do CNPq e foi Presidente da Associação Brasileira de Literatura Comparada (ABRALIC, 2016-2017). Seu trabalho foi traduzido para o inglês, mandarim, espanhol francês, italiano e alemão. Autor de 13 livros, entre os quais Guerra Cultural e retórica do ódioCrônicas de um Brasil póspolítico (Editora Caminhos, 2020).

“Eu reli o terceiro capítulo da Pedagogia do Oprimido. Eu confesso que é uma dimensão da Pedagogia do Oprimido que não me dei conta nas minhas leituras iniciais. A dimensão é a seguinte, diz o Paulo Freire:

 “Sendo o fundamento do diálogo, o amor é também diálogo. Se não amo o mundo, se não amo a vida, se não amo os homens, não me é possível o diálogo.” 

A Pedagogia do Oprimido possui uma dimensão do afeto, uma dimensão afetiva que me tinha escapado nas primeiras leituras, reconheço constrangido. Creio que um ponto muito importante que temos para encerrar é que nós sejamos capazes de compreender que a narrativa da guerra cultural nada tem a ver com o argumento. Ela tem a ver com produção de afeto. Mas a produção do afeto que deseja a guerra cultural da extrema-direita é um ódio, é o ressentimento”. trechos da fala de João Cézar no encontro do EGC.

“O que que é o microempreendedor ideológico: todos eles possuem um canal sempre com uma linguagem cada vez mais radicalizada e colonizadora para atrair e fidelizar sua audiência, todos tem uma livraria no seu canal que tanto é uma forma de monetizar, mas também de lavar dinheiro. As livrarias dos canais dos YouTubers de extrema direita no Brasil são uma forma ativa de lavagem de dinheiro e de recebimento de recursos ilícitos. Todos oferecem cursos. É literalmente é uma forma de monetizar atividade política a fim de despolitizar a própria polis”

matérias semelhantes: 

Violência Verbal e ódio online tem raiz numa guerra cultural

 

Por uma internet sem mentiras

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.