Violência verbal e ódio online têm raiz numa guerra cultural

História da Caricatura Brasileira. Parte II
8 de julho de 2016
La versione cinematografica del libro “I fratelli Karamazov” di Dostoevskij
13 de julho de 2016
Exibir tudo

Quais são os limites da discussão em rede?

Leis restritivas ou liberdade de expressão às manifestações de ódio, violência verbal e as diferentes formas de discriminação – racial, política, interpessoal e homofóbica? O que é mais importante na proteção do ecossistema digital ou a garantia de um fluxo ininterrupto do pensamento sem a intervenção politica e de governo?

Giovanni Ziccardi, na Itália, e João Cézar de Castro Rocha, no Brasil, estudaram desenvolveram teses sobre o assunto. Ziccardi coloca como alvo principal em sua pesquisa uma análise focada na jurisprudência e dentro das leis como conter este ‘Tsunami’ de mentiras e agressões virtuais que hoje é comum no ambiente da web. O escritor brasileiro trata a questão como uma guerra cultural, com base na realidade brasileira depois do golpe que derrubou a presidenta Dilma Roussef e colocou no poder um presidente que se elegeu pelo ‘gabinete do ódio’.  Na verdade, Castro Rocha busca a raiz , a causa do problema, que uma construção de uma corrente de pensamento que surgiu nos EUA.

O advogado escritor italiano Giovanni Ziccardi, em seu livro ‘L’odio online. Violenza verbale e ossessioni in rete’ (sem tradução para o português), mostra o perigo que se corre em um contesto democrático, em aplicar normas contra ‘hate speech’ (discurso de ódio), em uma situação de emergência, para disciplinar outros âmbitos – terrorismo, difamação- com o risco de abrir , ao mesmo tempo, uma lacuna a perigosos poderes discricionários e a um controle arbitrário do pensamento que circula na rede. Ziccardi é advogado, jornalista e professor orientador da Faculdade Jurisprudência, da Universidade de Milão. 

“PREVENIR, EDUCAR E SANCIONAR são as três palavras que muitos argumentam para começar a afrontar o quadro atual”, recomenda ele. Uma parceria entre governos, representantes da sociedade civil, talvez ordens e instituições internacionais seriam ventiladas como a única solução para tentar diminuir a proliferação dos discursos de ódio, sobretudo online.

Ele alerta também que existe um consenso social ao ódio. Lembra da Segunda Guerra que mostrou ao mundo uma nova forma de ódio e isso fez com que se refletisse sobre o tema. “Em um quadro quase igual, o temor agora é da normalização das agressões, em um nível de tolerância altíssima nas expressões extremas”.

mensagem no Pavilhão do Egito, Bienal de Veneza de 2015

“Guerra cultural e retórica do ódio e país pós-político(…)O que está em jogo não é mais visões de mundo contrárias,  propostas diversas de governo, concepções distintas de como organizar a sociedade. O que está em jogo na guerra cultural norte-americana, é a ideia que existe uma essência, uma verdade absoluta, que deve ser defendida por todos os meios possíveis e todo aquele que se opõe a essa verdade absoluta, não é apenas um adversário, é um inimigo, cuja eliminação é legítima.

Conclusão de seu pensamento: “Precisamos inventar linguagens, criar pontes entre nós e a sociedade e não disputar narrativas”. 

Assistam a explanação do escritor, para estabelecer pela ética do diálogo,  um novo momento político brasileiro e vencer a retórica do ódio.

João Cezar de Castro Rocha é escritor, historiador, enxadrista e professor de Literatura comparada da UFRJ. Considerado um dos intelectuais mais importantes do Brasil da atualidade, seus estudos concentram-se na contribuição mimética para o contexto cultural da América Latina, bem como a discussão da atualidade do movimento antropofágico e dos escritos de Machado de Assis no momento contemporâneo.

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.