Protesto: Pavilhão da Russia de portas fechadas na Bienal de Veneza

Milhões de artigos sobre 100 anos da Semana da Arte Moderna em 0,59″
17 de fevereiro de 2022
“Escrever é minha zona de prazer e é também minha cena de dor”
9 de março de 2022
Exibir tudo

Pavilhão da Russia - Giardino. Bienal de Veneza

Artistas russos cancelam a participação na 59º Bienal de Veneza e decidem manter fechado o Pavilhão da Rússia.

O curador  Raimundas Malasauskas anunciou que estaria renunciando ao projeto da bienal para o Pavilhão, seguido pelo apoio dos artistas Alexandra Sukhareva e Kirill Savchenkov, que estavam juntos nesse trabalho de criação.

“Não posso avançar no trabalho neste projeto à luz da invasão militar da Rússia e do bombardeio na Ucrânia. Isso era política e emocionalmente insuportável. Como você sabe, nasci e me formei na Lituânia quando fazia parte da União Soviética. Eu vivi a dissolução da União Soviética em 1989 e testemunhei e apreciei o desenvolvimento do meu país desde então. A ideia de voltar a viver sob um império russo ou qualquer outro é simplesmente intolerável”, afirmou Raimundas em sua carta demissionária.

Mudança de Cena- Pavilhão Russo da Bienal de 2017.

As reações são percebidas pelas redes sociais e  Kirill Savchenkov, nascido em 1987 em Moscou, não deixou por menos e corajosamente colocou seu ponto de vista. “Não há nada a dizer, não há lugar para a arte quando civis morrem sob bombas, quando a população ucraniana se esconde em abrigos, quando dissidentes russos são silenciados. Como russo, não apresentarei meu trabalho no Pavilhão da Rússia na Bienal de Veneza”.

O Leite dos Sonhos é o título da Bienal de Veneza 2022. Este nome é emprestado de um livro de Leonora Carrington no qual, segundo a curadora da 59ª Exposição Internacional de Arte Cecilia Alemani, “a artista surrealista descreve um mundo mágico onde a vida é constantemente repensada pelo prisma da imaginação, e onde todos podem mudar, ser transformados, tornar-se algo e outra pessoa.”

“Esta exposição está alicerçada em muitas conversas com artistas que aconteceram nos últimos meses. As questões que vão surgindo parecem capturar esse momento da história, em que a própria sobrevivência da espécie está ameaçada, mas também resumir dúvidas que permeiam as ciências, as artes e os mitos de nosso tempo. Como está mudando a definição do humano? O que constitui a vida e o que diferencia animais, plantas, humanos e não humanos? Quais são nossas responsabilidades para com o planeta, outras pessoas e os outros organismos com os quais vivemos? E como seria a vida e a Terra sem nós?” Fonte:  Bienal 

O que seria o projeto de Raimundas Malašauskas  no Pavilhão Russo:

“Coreografada como uma cena de gestos, a apresentação de Kirill Savchenkov e Alexandra Sukhareva na 59ª Bienal de Veneza é uma tentativa de abordar a complexidade dos tempos corporais, materiais e tecnológicos. Evoca uma transição de um estado para outro, um fluxo retorcido entre futuro e passado, uma divisão suspensa entre morto e vivo (e IA), dia e noite. Deslizando entre linguagens e representações, parando na memória social mais recente, congelando na antecipação de coisas imprevistas, preparando-se para o amanhã – seja catastrófico ou brilhante, ou ambos.”

“Mudança de Cena” foi o tema do Pavilhão da Rússia em 2017 e cabe exatamente aqui neste artigo para ser lembrado.  Segundo o conceito,  o tema envolvia o mundo contemporâneo, de Palmira, na Síria a Nova York, nos EUA. 

A obra é uma metáfora de uma nova ordem mundial, das quais as agressões, o terror,  a vida irracional das massas, estratégias sem precedentes de controle e  vigilância permeiam a vida do homem.

Em um espaço pouco iluminado, a exposição apresentava obras de quatro artistas russos.
No nível de entrada, o pavilhão mostravam-se várias esculturas de Grisha Bruskin (n. 1945); uma águia de duas cabeças, bonecos estranhos, homenzinhos marchando, soldados, andróides misteriosos meio humanos e meio mecânicos, figuras em miniatura e símbolos comunistas são acoplados a projeções de vídeo semelhantes a lanternas mágicas e som para criar uma instalação estranha focada no conceitos de poder, medo e controle das massas.

Descendo para o nível inferior, o pavilhão continha uma instalação escultórica do Grupo Recycle (Andrei Blokhin, nascido em 1987, e Georgy Kuznetsov, nascido em 1985). Intitulada Blocked Content, a obra é composta por volumes pontiagudos de onde emergem dramaticamente rostos, mãos e partes do corpo (ou são aprisionados) e por um aplicativo móvel de realidade virtual Inspirada na Divina Comédia de Dante, a instalação questionava o conceito de web ética, a moralidade da inteligência artificial e a ilusão de uma imortalidade digital.

 

Raimundas Malasauskas
Pavilhão da Russia - Bienal 2017

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *