Palas Atenas empunhe suas armas em 2021 pela sabedoria e arte!

Sem verdades absolutas. Feliz Natal!
24 de dezembro de 2020
“Diva” vai além do fato de ser uma vulva. É uma ferida
14 de janeiro de 2021
Exibir tudo

PanHoramarte utiliza-se da licença poética para evocar pela deusa Palas de Atenas na defesa da arte e da cultura em 2021. Acima de tudo porque a arte salva e nos torna seres sensíveis capazes de mudar o mundo.

Escolhemos a versão da deusa mitológica grega criada por Gustav Klimt, em 1898,  por simbolizar exatamente a defesa de novas ideias no movimento da  Secessão, em Viena.  Na época,  artistas e intelectuais protestavam contra normas tradicionais artística, e étnicas. 

Palas de Atenas, na antiga Grécia, representava a sabedoria, arte, justiça e estratégia em batalhas. Portanto,  a  Klimt  não interessava sua feminilidade e sexualidade, mas sua essência divina. Talvez porque essa mulher tinha uma aspecto insólito. Era uma deusa diferente de outras deusas, usava armadura e armas de homem. Apesar de ser mulher, ela tinha um caráter guerreiro masculino.

Um ser andrógeno, com  olhos expressivos brilhantes e iluminados atrativos, aliado também  à imagem de uma Medusa no peito.  Um ser fulgurante para combater a mediocridade, a falta de solidariedade e respeito pelo outro e pela liberdade de expressão.  É urgente para uma humanidade que não mudou desde que o mundo é mundo. A história do poder, da violência, dos preconceitos, do acúmulo de riquezas por poucos e escravidão para maioria se repete. Muda apenas o tempo, isto é com algumas nuances diferentes de  como viver no século  XXI e dispor de tecnologia. A obra de Klimt é visionária, como os artistas sempre foram aquém ao tempo, é apropriada para o momento, especialmente para o Brasil, cuja arte e cultura estão sendo aniquiladas silenciosamente, drásticamente.

Quando tratamos de história estamos nos referindo a fatos que envolvem sistemas políticos e sociais capengas, tanto de direita como de esquerda. A modernidade nos trouxe facilidades e tecnologia, mas a ganância, o egoísmo, as injustiças continuam com outras vestes, com recursos mais potentes, porém sem o mínimo de condição de saúde, educação e qualidade de vida para a maioria dos habitantes deste Planeta Azul. 

É por isso que precisamos lutar pela expansão da mente por intermédio da arte e da cultura.  Artistas unam-se  para fortalecer nossos  sonhos e utopias com suas criações. Precisamos sim de uma deusa grega com a força do feminino e do masculino, que empunhe as armas da sabedoria e da arte para transformar o mundo. Precisamos sim, de uma fulgurante deusa como a criada por Gustav Klimt, para enfrentar os insensíveis e abrir caminhos para um novo tempo. 

Vamos evocar a essência divina de Palas Atenas que vive dentro de todos nós em defesa da sabedoria e da arte em 2021!,

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *