Diálogos com a água

Um olhar para além do olhar
23 de abril de 2020
Richard, o gringo
6 de maio de 2020
Exibir tudo

Uma silhueta feminina surge para quem enxerga além do jato d'água. É a Dama da água e foi com ela que tudo começou...

 

A foto foi captada em 2010, numa das fontes da Vila Borghese, em Roma, em um despretensioso clique para registrar a beleza do local. Com os recursos da tecnologia aproximei a imagem, escureci o entorno e a percebi melhor. 

A Dama da água estava ali bem visível e olhando meio de lado como se fosse pega de surpresa com a foto.  Ela foi o começo de inúmeras outras fotos feitas no local e nas fontes próximas sempre com o objetivo de criar imagens bruxuleantes tramadas nos jatos d’água, com a técnica do Fhotoshop.

Vila Borghese tem uma paisagem mágica circundada de uma vegetação luxuriante. 

Não fotografei somente essa fonte, como outras ao entorno em diferentes horas do dia. Foi um incrível delírio poético e dele surgiu a mostra online em 2011, Diálogos com a água. 

Vale a pena ver de novo e colocar a mostra em evidência num momento tão especial para humanidade.  

A arte me concede a licença poética de reverenciar o caráter sagrado da natureza delineando formas nos jatos d’água.

Uma experiência sensorial e espiritual que sugerem um mundo invisível  entremeado  na água cristalina. O diálogo existiu entre minha mente, por meio das lentes da câmera e a água que jorrava na fonte. 

Roma foi meu santuário particular! Ao meu olhar fiz fotos de anjos, elfos, duendes, fadas…

Cliquei sem parar na água que jorrava e que se movimentava em direção ao céu para depois buscar nela a surpresa das formas.  Com recursos tecnológicos do Fhotoshop aproximei as imagens em contraste com o fundo e acentuei os contornos fantasmagóricos tramados na água

A interpretação dos personagens depende da percepção sensorial. É como voltar a ser criança e buscar nas nuvens cortando o céu azul, as formas mais incríveis. 

É dar asas à imaginação e perceber que a cada ângulo e segundo do clique mudavam o jato que se lançava para cima mudava a performance. 

A fonte da Vila Borghese foi construída pelo homem, embora tenha também a contribuição da natureza. 

Ela está assentada numa rocha calcária onde água escorre num vai e vem sem fim. A água molda, esculpe e murmura num eterno ritmo a pedra dura em meio as heras que rastejam entre as saliências rochosas. Mais parece as entranhas da terra. Que imagem extraordinária!

 Mas precisamos também ir além da poética artística. Parar e pensar sobre a importância desse precioso líquido para a vida na terra.

É urgente uma mudança de comportamento para evitar a destruição da vida. Masaru Emoto (1943-2014), enquanto viveu,  conclamou o mundo a se comprometer com a proteção e saneamento da água no planeta.

Masaru Emoto foi um pesquisador japonês que fotografou os cristais d`água.Vamos formar uma corrente de adeptos ao seu projeto de amor e agradecimento pela água na terra.

A água que escorre do coração terra, esculpe formas formas na fonte mágica. 

celebra a vida!

Esta magnífica fonte situada às margens da rua que passa na lateral da Vila Borghese ainda está lá imponente lançando seus jatos d’água em direção ao céu!.

Mas a fonte Del Pincio que tinha acesso pela lateral da Piazza del Popolo está desativada. Pouco existe da exuberância captada pelas lentes entre 2010 a 2013.

Águas que movem moinhos
São as mesmas águas
Que encharcam o chão
E sempre voltam humildes
Pro fundo da terra
Guilherme Arantes

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *