Mulheres notáveis de Almodóvar em documentário sobre ditadura de Franco

Carnavale in Brasile è prima di tutto una festa culturale
4 de março de 2019
Clássicos de Hollywood sobre pintores famosos e seu estilo de vida
13 de março de 2019
Exibir tudo

‘O Silêncio dos Outros’ é um filme “preventivo contra fascismo e os perigos de esquecer o passado”.  Premiado e necessário nesse momento em que os regimes totalitários estão começando a querer voltar. O papel de duas mulheres, Maria Martin, Ascensión Medieta são notáveis nesse emocionante documentário.

A produção é de Pedro Almodóvar que mostra as vítimas da ditadura de Franco, na Espanha, em busca de justiça. A cineasta espanhola Almudena Carraceno em parceria com o americano Robert Bahar (ambos diretores) passaram quase sete anos acompanhando a batalha na justiça em diversas frentes.

Uma luta sem prescrição, dos sobreviventes que, muitas vezes, são obrigados a viver na mesma rua do torturador, assim como de parentes próximos dos que foram mortos e jogados em valas comum.Estima-se que existam 120 mil pessoas desaparecidas, três mil jogadas em fossas coletivas e 30 mil recém-nascidos roubados de mães solteiras por razões ideológicas e morais.

Casal Carracedo e Bahar, Premio Goya, Espanha

Uma ferida que jamais cicatrizou dentro do território espanhol mesmo com o esforço e a imposição da Lei da Anistia e do Pacto do Esquecimento pelo governo, logo após a morte do ditador Francisco Franco. Uma jogada de mestre dos políticos e da monarquia que fecharam os olhos às atrocidades cometidas e permitiram a impunidade de torturadores como é o caso do Billy, El Ninõ.

Uma juíza que levou à frente o caso

A juíza argentina Maria Servini  (hoje com 82 anos) abriu o processo na Argentina e o julgou em tribunal internacional. Um intento pretendido pelo juiz Baltazar Garzón, célebre por ter levado Pinochet às grades, mas impedido em seu país pela Lei da Anistia e o Pacto do Esquecimento.

O documentário é imperdível e deve ser assistido pelos brasileiros de todas as idades. Mostra o grau de hipocrisia e a crueldade que pode chegar alguém que se diz ser humano.

É a própria banalização do mal, termo criado por Hannah Arendt , que apontou o paroxismo da violência perpetrada pelos governos totalitários e mostrou a insuficiência das teorias e categorias científicas, econômicas e políticas tradicionais para captar e explicar a novidade do que estava acontecendo. O domínio total é mais opressor que a escravidão e a tirania, é mais destruidor que a miséria econômica e o expansionismo territorial. O controle total pretende atingir e capturar os humanos; adota, como critério de legitimidade governamental, a redução dos homens a seres naturais. O recurso à categoria do mal é uma forma de tentar compreender o inexplicável e visa aproximar-se reflexivamente da primeira tentativa de constituição de uma forma de governo, no Ocidente, baseada na purificação e no extermínio dos seres humanos. Trata-se, assim, de pensar o mal nas sociedades secularizadas sem apelar ao teor teológico-religioso. Fonte: Revista Cult

 

 

 

 

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.