O legado de Francisco Brennand

O bem que faz a música de Nando Cordel
17 de agosto de 2018
Numa estação perdida na França…
4 de setembro de 2018
Exibir tudo

É monumental o legado artístico do pernambucano Francisco Brennand para o Brasil. Visitar a Oficina Brennand,instalada nas terras do Engenho Santos Cosme e Damião, no Bairro da Várzea, em Recife, nos dá a dimensão dessa maravilha!

Não interropam este silêncio! Não interrompam este sonho!

É a meditação de início da visita.

Uma herança que envolve um contexto maior,  mais original para nós brasileiros. Envolve arte, criação, tradição, história do Brasil e ecologia.

Terra simbólica

O artista usou o barro para moldar suas obras e compor um território sagrado. As esculturas de cerâmicas que povoam tanto a área externa quanto a interna transportam o visitante a um universo onírico que representa a terra semeada por personagens simbólicos, que se entremeiam entre as figuras fálicas, óvulos fecundos, mitos e animais.

O obsceno e o sagrado estão num mesmo nível de importância na área externa. Por um lado, os seres fálicos em sentinela, pernas e nádegas de mulheres, óvulos em explosões.

De outro, Adão e Eva em total recato, escondendo suas partes íntimas. No meio dessa extraordinária criatividade de conceitos ergue-se o Taj Mahal talvez, um baldaquino, quem sabe, com sua cúpula azul e o pêndulo de cerâmica. O barro moldado!

Mariz Bertoli está correta quando diz que precisamos ampliar nosso olhar para entrar num lugar como este!

A professora, curadora e crítica de arte escreveu sobre Brennand, publicou livro e artigos sobre as obras do artista pernambucano. Vale a pena ler. Em especial o artigo a Redenção do Feminino, no jornal da Associação Brasileira de Críticos de Arte.

Feminino

Para entrar num local como esse é preciso “romper  a opacidade do olhar e deixar-nos inundar pelo olho de luz”, recomenda Mariza Bertoli. “É preciso percorrer as vias vias simbólicas que o artista, como demiurgo, nos propõe”,  diz ela,  em seu artigo A Redenção do Feminino, publicado no jornal do ABCA. Mariza descreve exatamente a sensação que nos envolve ao ingressar naquele ambiente único, silencioso, embora com obras que falam sobre a terra e o homem.

“Este jardim das delícias e dos horrores é rodeado de pássaros-serpente ordenados como sentinelas, que observam o espectador em todo o seu percurso até o coração pulsante da praça.  Sobre um espelho d´água, ergue-se o templo com a cúpula azul, o grande olho-de-luz.  Em torno do templo, os seres recém-criados do seu mundo, com seus duplos refletidos na água, surpreendem o espectador pelo inusitado das sugestões fantásticas de entrelaçamento erótico. Os pássaros-serpente que nos vigiam, ao longo da cidadela, revelam a natureza do simbólico, a matéria primordial de que somos feitos, da nossa frágil humanidade, trêmula na tensão entre o desejo e as contingências. Se o pássaro em nós quer voar, a serpente tem que se arrastar. É o modo simbólico, a febre do estético”. 

Francisco Brennand reconstruiu a olaria que alimentou sua família, cujo barro moldou sua história.Para o futuro, Brennand (91 anos) nos deixa a Oficina rodeada de Mata Atlântica às margens do rio Capibaribe. Um tesouro histórico e artístico inestimável!

Às margens de rio que foi determinante para economia de Pernambuco, pois foi na sua várzea que se formaram os primeiros engenhos de cana-de-açúcar, em virtude de seu solo de massapê, próprio para o cultivo.

A região da Várzea está impregnada de memória de um Brasil colonial, cujos engenhos tiveram parte importante no desenvolvimento econômico da época. O Engenho Santos Cosme e Damião    ( o link mostra um pouco do que foi a região da várzea pernambucana) está dentro desta história e deu lugar séculos depois às cerâmicas, fábrica de azulejos, fábrica de porcelana, fábrica de vidros, siderúrgica e outras unidades do Grupo Brennand.

Francisco de Paula Coimbra de Almeida Brennand reconstruiu em 1971 a cerâmica fundada por seu pai em 1917  que se encontrava em ruínas.

Voo livre

A sensação, ao entrar na Oficina, é que você poderá empreender um voo livre no mundo dos sonhos. Independente do que o artista quis conceituar em seu trabalho, o complexo da Oficina Brennand oferece momentos inesquecíveis para quem ama a arte.

Com certeza não vamos interromper este sonho, vamos, sim, viajar nele!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *