“Interpreti Veneziani” completam o charme da Serenissima

Arte de fazer rir da palhaça cheia de graça
9 de dezembro de 2017
Por que escrevo
15 de dezembro de 2017
Exibir tudo

Inesquecível é assistir a interpretação das Estações, de Vivaldi, pelas mãos talentosas dos Interpreti Venezini,na Igreja de San Vidal, em Veneza. O encontro com eles foi provocado por aqueles passeios sem roteiro definido ao preambular pelas pontes e vielas da Serenissima, sob o sol refletindo no Grande Canal e em suas construções repletas de histórias e arte.

IMG_3077

“Compre aqui seu bilhete para o concerto de hoje à noite”, dizia o cartaz na porta da Igreja…

Aquela energia contagiante de Vivaldi, a sua vivacidade em dar ritmo às Estações do ano, me atraiu para leitura do programa. Me rendi aos encantos do interior da Igreja e desembolsei 30 euros e garanti meu lugar no concerto daquela noite. A intuição mais uma vez acertou em cheio e a experiência irá permanecer para sempre no álbum de lembranças de uma viajante que ama arte e a música.

Paixão simbiótica

À noite a igreja estava lotada. O público fez silêncio e aqueles músicos começaram a tocar….

Exatamente, usei o verbo correto: a tocar no coração de todos ali presentes.

Éramos parte daquele interpretação. Nem respirávamos para não interferir no diálogo entre aqueles virtuose e seus instrumentos de corda. A simbiose era perfeita. Eles tocavam para si próprios como se o mundo se resumisse apenas na melodia executada. 

Os Interpreti Venezini quando definem Veneza mostram o orgulho e a mesma paixão desenvolvida pela música:

“Veneza é a única cidade do mundo que, desenvolvida de acordo com um código genético escrito além do tempo, permanecerá para sempre inconfundível em comparação a outros lugares no mundo; hoje, de fato, se parece como era em outra época, feita de ouro e pedra d’Istria, e suas salas monumentais continuam a preservar o talento e genialidade de artistas que o destino quis que se reunisse aqui para sempre.

Durante a sua vida, a Serenissima Republica era um laboratório de arte incrível: enquanto mentes excelentes projetavam e construíam palácios e igrejas, mãos experientes trabalhavam nos afrescos no interior que hospedariam depois lindas telas, violinos e violas nasciam nas oficinas de violino, nas pernas, nos salões, nos cinemas e em qualquer outro lugar, se propunham sinfonias, óperas, cantatas.

A música, sobretudo nos últimos séculos, se constituía a trilha sonora da vida cotidiana que transcorria  orgulhosa na sua auto-celebração.

Então vieram as eras das trevas: se a arquitetura e a pintura resistiram ao tempo graças à sua estrutura material, a música, feita de vibrações, desapareceu no ar, deixando Veneza para um destino desconhecido. A temporada de concerto “Violinos em Veneza” pelos intérpretes venezianos (Interpreti Veneziani) quer dar aos belos lugares uma nova e antiga harmonia, ao mesmo tempo. Propõe reviver o som de alguns instrumentos de prestígio, verdadeiras obras de arte reais, num ambiente carregado de história e grande beleza. É assim que em San Vidal a música barroca e as notas de Vivaldi se juntam aos lugares sagrados em que nasceram.

Um encontro entre música e outras musas, para poder criar aquele momento de perfeição que surge da simbiose de dois elementos que parecem ser feitos um para o outro.

Quem quer que seja e onde quer que você venha, seja bem vindo à ‘cidade harmoniosa’ “!

Interpreti Venezini

Uma meditação musical

É uma pena que os vídeos, as fotos,refletem uma parte do verdadeiro espetáculo ao vivo. Não importa. Essa tentativa de descrever e mostrar o virtuosismo desses músicos, é para dar ao leitor,  mesmo não estando presente, a oportunidade de viajar nas linhas da imaginação. 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.