Uma pitada de saudosismo na série "Vi e não esqueci" . Nada melhor do que aproveitar o que guardamos na memória com doçura e alegria. Vale compartilhar. Nesta edição as 'estátuas vivas'.

Inúmeros temas personificados por artistas de rua transportam as pessoas,  por alguns instantes,  a um mundo lúdico  no movimento  massificante   – corre-corre -  nas ruas de  grandes cidades. 

“Estátuas Vivas” de La Rampa, em Barcelona, quando estive pela primeira vez (2009), foram um espetáculo de criatividade e cor para os meus olhos.    Inúmeros temas personificados por artistas rua transportam as pessoas,  por alguns instantes,  a um mundo lúdico  no movimento  massificante   – corre-corre -  nas ruas de  grandes cidades. 

Já foi uma tendência no mundo todo divulgar o “estatuísmo”,  prática na qual o fazer artístico consiste em interpretar um personagem imóvel, com figurino apropriado e perfeição em detalhes

O mote desta interpretação é chamar atenção do transeunte para que se volte e ofereça uma moeda e com isso a estátua se move e faz um reverência ou outro movimento de acordo com o seu personagem

Mais uma fonte de renda para os artistas de rua? Talvez. Porém, a origem das estátuas vivas está ligada do teatro como expressão artística.

A primeira menção de uma  performance semelhante a essas estátuas foi na Grécia Antiga. Para tornar-se mais visível o ator no teatro grego, que deu origem ao teatro ocidental, usava sapatos de plataformas altíssimas, túnicas amplas e máscaras, de tal forma que, quando permaneciam parados por muito tempo, também representavam estátuas.

Em Barcelona, o espetáculo é alegre e colorido. A criatividade corre solta pela La Rampa que agrega todo tipo de personagem,  de ficção, soldado, fadas, frutas, flores até ídolos como Ronaldinho, que é interpretado por um brasileiro, André, que está há cinco  anos vivendo na cidade.  A competição entre os artistas é grande, por isso tudo é válido quando a proposta tem como foco o entretenimento ou a conquista de alguns trocados a mais das pessoas que apreciam a apresentação.

* Isso em 2009 quando o nome Ronaldinho estava no auge. Memóriasss…..

14 de janeiro de 2022

Vi e não esqueci: estátuas vivas em Barcelona

Uma pitada de saudosismo na série “Vi e não esqueci” . Nada melhor do que aproveitar o que guardamos na memória com doçura e alegria. Vale […]
30 de setembro de 2021

Banhos revigorantes de cachoeira no cenário mágico do Parque Peneda – Gerês

Banhe-se numa cachoeira e saia dela outra pessoa. Algo como lavar o corpo e a alma. Inclua nesse pacote um cenário único, dos bosques encantados dos […]
24 de janeiro de 2019

Capela dos Ossos em Évora construída para refletir sobre a fragilidade humana

“Nós Ossos que aqui estamos pelos vossos esperamos”. Parece piada de mau gosto para uma sociedade como a nossa que trata o assunto morte como se […]
22 de fevereiro de 2018

Pequena Tivoli é gigante em memória histórica

Poucos que visitam Roma sabem que bem pertinho da capital romana está localizada Tivoli. Uma pequena comunidade em tamanho, com um pouco mais de 40 mil […]
23 de janeiro de 2018

A coleção de Peggy Guggenheim

A coleção de Peggy Guggenheim( 1898-1979) é um delírio para todo amante da arte moderna do século 20. Visitá-la no Pallazzo Vernier dei Leoni, em Veneza, […]