Arquitetura contemporânea na tradicional Ravello

O brasileiro Vick Muniz abre a temporada de artes em Veneza
9 de janeiro de 2017
Panteão de Roma poderá perder a entrada gratuita em 2018
13 de janeiro de 2017
Exibir tudo
O espaço abriga o Festival de Música de Ravello

O espaço abriga o Festival de Música de Ravello

Uma construção contemporânea cravada num declive natural da costa Amalfitana, em Ravello, na Itália, “provoca” o olhar de quem  avista à distância o Auditorium Oscar Niemeyer.   A obra é assinada pelo arquiteto brasileiro  e se sobressai pela ousadia das linhas delineadas  numa pesada  estrutura de cimento, no meio da vegetação e das edificações tradicionais, na encosta do morro que compõe a pequena e romântica Ravello,

Muito concreto para uma paisagem delicada natural e medieval

Muito concreto para uma paisagem delicada natural e medieval

Depois de  uma longa batalha nos tribunais italianos – oito sentenças judiciais – por conta da associação ecológica Itália Nostra, que acusava a obra de agredir visualmente e ambientalmente a Costa Amalfitana, o projeto foi concretizado num espaço de 10 anos, com a proposta de abrigar um festival de música, como tem acontecido nos períodos de alta estação.

A grande concha branca de concreto implantada na escarpa de Amalfi em frente ao mar - “rompe” com a paisagem urbana de Ravello

A grande concha branca de concreto implantada na escarpa de Amalfi

Em 29 de janeiro de 2010, o auditório, com  400 lugares, foi inaugurado em grande estilo.

 Arquitetura

Romântica e acolhedora, ideal para quem gosta de sossego e longas caminhadas.

Romântica e acolhedora, ideal para quem gosta de sossego e longas caminhadas.

Certamente,  a linguagem arquitetônica do Auditórium – uma grande concha branca de concreto implantada na escarpa de Amalfi em frente ao mar – “rompe” com a paisagem urbana de Ravello, cidade medieval com 2,5 mil habitantes, sobre o Golfo de Salerno.

Mesmo que a genialidade de Oscar Niemeyer  esteja explícita na ousadia das linhas arquitetônicas, a construção não ultrapassa a frieza do concreto à poética da obra para dialogar com o espectador na delicada encosta italiana – famosa Costa Amalfitana, Patrimônio Mundial da Humanidade(UNESCO).

Ao  Auditorium de Ravello  falta a leveza do Museu de Arte Contemporânea de Niterói, que se abre à Baía de Guanabara, e também a elegância do Museu do Olho,  em Curitiba,  pois ambas as obras,  interagem com a paisagem ao entorno, características, da mesma forma,  imposta por Niemeyer em outra trabalho seu na Itália, a sede da Editora Mondadori(1968), em Milão.

Se a polêmica  judicial e a particularidade da região prejudicou o brilho estético da construção, esta não foi a intenção do sociólogo italiano, Domenico De Masi, um dos responsáveis pela realização e execução do projeto.

Quando a prefeitura da cidade, em 2000, decidiu construir um novo espaço para abrigar o Festival de Música de Ravello –  um dos mais importantes e charmosos da Europa – De Masi, que preside o evento,  recorreu a sua amizade com Niemeyer para levar o projeto adiante.

Em menos de três meses Niemeyer desenhou o prédio, detalhado posteriormente durante 18 meses – sem visitas físicas do arquiteto brasileiro a Ravello (não viajava de avião) – e em 10 anos ela foi finalizada ao custo de 18 milhões de euros.

A edificação exigiu a escavação de 26 mil metros quadrados de rochas e a construção de postes de aços maciços para evitar deslizamentos.

Para visitar Ravello o trajeto pode ser feito de trem saindo de Roma e chegando a Salerno, no continente, e na cidade é possível pegar um barco de linha que percorre toda costa Amalfitana, parando em diversas cidades. Em uma delas, pega-se um ônibus para chegar a Ravello, cujo a localização é no alto da montanha.

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.