Caravaggio

A deusa Minerva colocou em sua Égide (escudo mágico), a cabeça da Medusa para aterrorizar os inimigos.

Para compor essa analogia simbólica em tempos de Covid 19, nada mais expressivo do que representá-la pela obra  ‘Cabeça de Medusa’ pintada por Michelangelo Merisi de Caravaggio em 1578.  

O ‘escudo’ pintado por Caravaggio que se encontra na Galleria degli Uffizi, em Florença, é magnífica em todo o seu contexto, tanto pela história baseada na mitologia grega como pelo uso de fortes contrastes cromados entre a luz e a sombra.

O rosto da Medusa é apanhado no momento do grito, resultante do corte repentino da cabeça de cuja base jorra sangue. Os olhos arregalados e alucinados pelo horror, a tensão do cenho franzido, a boca aberta, com o espasmo de um grito e o fundo escuro do interior, são realçados pela luz quente e repentina. A luz também destaca o horror produzido pelo cabelo das cobras

Testa di Medusa - 1578 (Galleria degli Uffizi

Caravaggio (1571- 1610) pintor italiano notável da antiguidade, cuja vida foi curta e atribulada, pintou sua Medusa, em óleo sobre tela aplicada num escudo de madeira. A obra foi encomendada  pelo cardeal Francesco del Monte, que representava a casa dos Medici na cúria, para ser presenteada a Ferdinando I – sacro imperador romano (1556).

“O tema da Medusa, caro aos Medici, não parece ter sido acidental. No campo humanístico, a cabeça da Medusa ou Górgona tinha um valor simbólico como alegoria da prudência e da sabedoria. Esta simbologia era bem conhecida e presente em muitos tratados de pintura da época. De fato, no Diálogo das Cores de Ludovico Dolce (1565), lemos que a Medusa representa a prudência adquirida pela sabedoria. O presente da imagem da Medusa, portanto, teve um valor auspicioso (além, é claro, do tradicional apotropaico – de espantar as influências maléficas). Fonte: Wikipédia

Como se sabe, o tema deriva de Hesíodo (Teogonia, 274-284) e, sobretudo, de Ovídio (Metamorfose, IV, 769-803). Medusa ou Górgona era um monstro com a cabeça coberta por uma cabeleira de cobras sibilantes, cujo olhar tinha o poder de petrificar qualquer um que a olhasse. O herói Perseu, graças à ajuda de Minerva e Mercúrio, encontrou Medusa e a matou cortando sua cabeça. Para evitar o olhar aterrorizante, o herói não olhou para o monstro, mas para seu reflexo em um escudo de bronze brilhante. Mais tarde, ele doou a cabeça decepada (que ainda mantinha seu terrível poder) para Minerva, que a colocou em sua égide para aterrorizar os inimigos.

18 de março de 2021

Escudo da Medusa de Caravaggio para aterrorizar o inimigo

A deusa Minerva colocou em sua Égide (escudo mágico), a cabeça da Medusa para aterrorizar os inimigos. Para compor essa analogia simbólica em tempos de Covid […]
3 de junho de 2019

Narciso e suas representações na arte

Em tempos de Selfie – autorretrato hoje facilitado  pela tecnologia – falar sobre narcisismo nunca perde a atualidade, especialmente quando a conexão é com a arte. […]
24 de agosto de 2017

O espírito de Caravaggio sob a luz e a sombra

 Na mostra multimídia ‘The Spirit of Caravaggio’ o espectador poderá apreciar, a partir dos recursos tecnológicos, a excepcional interpretação da realidade expressa nas famosas telas do […]
11 de maio de 2016

As dez pinturas roubadas ou perdidas mais procuradas no mundo

Art Loss Register, o maior banco de dados privado de pinturas perdidas e roubadas, compilou uma lista das dez mais procuradas obras de arte do mundo. […]