‘Saúde tem cura’. Filme feito para todo brasileiro lutar pelo SUS

Guerra cultural é poderosa arma que não se combate com argumentos e sim com afeto.
2 de junho de 2022
Algoritmos fazem você viver dentro de uma bolha online
16 de junho de 2022
Exibir tudo

'Saúde tem cura' é o mais recente filme do cineasta Silvio Tendler, que emociona ao mostrar a luta histórica para criar o Sistema Único de Saúde (SUS). Não para por aí, vai mais além...É um filme que estimula o brasileiro a defender seu bem mais precioso e gratuito. #euamoSUS.

Roteiro excelente, ilustração, depoimentos e argumentação ao documentar a história, destacar a importância ao comparar o povo brasileiro sem assistência médica gratuita no passado, com hoje, cujo avanço em programas de vacinação, transplantes, e controle de doenças crônicas mudou nos números e mortalidade.  Isso sem citar as campanhas de vacinação que salvaram milhares de crianças e a atuação do SUS na pandemia.

Um filme que convence o brasileiro a lutar por sua manutenção e exigir do poder público mais investimentos. Tenho certeza disso, mesmo reconhecendo as lacunas e falhas do sistema.

O SUS é maior projeto de saúde pública do mundo. O brasileiro que ama seu próximo e defende a igualdade social dirá NÃO com todas as letras a sua privatização. 

 

Silvio Tendler ao lado de sua companheira Fabiana Fersasi (à esquerda) e de sua assisttente Sabrina (à direita).
Silvio Tendler na estréia na Rio de Janeiro. Atrás a equipe que participou da elaboração do filme: Lilia Diniz, Ana Rosa Tendler, Taynara Mello, Tao Burity, Bruno Karvan. crédito das fotos. Lilia Diniz

“Saúde tem Cura” foi realizado em parceria com a Cebes e apoio da Fiocruz.  O documentário está disponível no canal de Youtube da produtora cinematográfica Caliban. Um filme que  aborda a potência e as fragilidades do Sistema Único de Saúde (SUS), o único sistema de saúde do mundo que atende a mais de 190 milhões de pessoas gratuitamente.  Conta com depoimentos de profissionais que participaram da sua criação; de médicos como Drauzio Varella, Paulo Niemeyer e Margareth Dalcolmo; de profissionais que atuam no dia a dia do sistema; de representantes da sociedade civil e de usuários”. 

Como Silvio Tendler, a saúde pública faz parte da minha memória afetiva. Como Silvio Tendler, cuja mãe  era médica, a saúde pública gratuita fez parte das suas memórias de infância. Em minha vida, a saúde pública fez parte das minhas memórias de juventude, como companheira de um jovem médico utopista e sonhador durante 15 anos. Na sua trajetória profissional oferecia aos idosos do pequeno Posto de Saúde do bairro Pilarzinho, em Curitiba, uma atendimento único e até domiciliar para os mais necessitados.Eraldo Kirchner Braga (1945-1992), esteve presente nos primeiros anos de implantação e apostava no SUS como solução para diminuir a desigualdade social e amparar um Brasil de gente humilde e sem recursos para pagar tratamentos de saúde. ” Os serviços serão descentralizados e todos terão direito a consulta e hospital de forma gratuita, sem exceção, ricos ou pobres”, dizia ele.

Saúde tem cura! 

Confira você mesmo assistindo o documentário

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.