‘O Corpo na Linha de Borda’ tece sensibilidades

Vi e não esqueci: estátuas vivas em Barcelona
14 de janeiro de 2022
“O leite dos sonhos”. Bienal de Veneza 2022
28 de janeiro de 2022
Exibir tudo

Os fios unem em tramas os tecidos, os corpos e expressam identidades. "O Corpo na Linha de Borda" é uma explosão de sensibilidades.

Uma mostra de arte imperdível que poderá ser visitada até 22 de fevereiro, no MuMa (Museu Municipal de Arte de Curitiba). Quando entrar prepare-se para sentir a alma de cada um dos 12 artistas paranaenses que compartilharam o espaço para mostrar que a arte no isolamento da pandemia trouxe para eles vida. Há três anos o projeto começou a germinar e exatamente no período do isolamento social foi executado. “Essa coisa da costura, do bordado vira um mantra”, confessa o artista Rafael Codognoto, que desde criança gostou de objetos e de costura “Achei sempre uma forma interessante de unir pedaços com costura.

Cada artista merece, na verdade, um artigo só deles, tal é a riqueza interior e a proposta criativa de cada um. Na medida que vamos conhecendo-os pela poética que buscam, eles crescem e agigantam-se aos nossos olhos e nos tornamos parte de suas emoções pelas obras expostas.

A ‘nossa’ Efigência Rolim deixa expressa a sua loucura lúcida na obra “A professora”, 2020. Coloquei a propósito ‘nossa’ porque Efigênia é patrimônio do Paraná, um mix de todas as gentes num só espírito. A ‘Rainha do Papel e da Bala’ hoje octagenária sem pudores conta que quando começou sua arte todos a chamavam de louca. “Mas é um pouquinho de loucura que está dentro de mim, eu vou mostrar para as criaturas que a vida é sempre assim”.

E o mais interessante na mostra, é  a apresentação dos artista e da obra em um vídeo de poucos minutos. Esse recurso é feito por intermédio de um QR (código virtuall) que identifica o vídeo no Youtube e você assiste no celular, ali caminhando entre os trabalhos, como se o artista estivesse falando só com você.

O coletivo é composto por Ana Beatriz Artigas, Bernadete Amorim, Claudia Lara, Efigênia Rolim, Giovana Casagrande, Gustavo Caboco, Leila Alberti, Luan Valloto, Luciá Consalter, Marília Diaz, Rafael Codognoto e Verônica Filipak.

“Iniciamos a preparação para este momento, que guarda algo de experiencial e de imprevisível, por meio de encontros sistemáticos, porém orgânicos por um longo período. Também adotamos uma metodologia comum entre artistas, o caderno de artista, alfarrábios de notas individuais, porém desta vez, de alguma forma orquestrados num sistema de comunicação e trocas que combinamos entre nós. Estamos e estaremos em exercício de observação, pesquisa, ação e trocas. Vivemos um momento tão intenso de reformulação: repensar, reavaliar, reimaginar, refletir sobre o que tem funcionado e o que combinamos entre nós,  afirma a curadora Leila Alberti.

 
Rafael Codognoto - 2021. Serpentes Mentais
A professora 2020 - Efigênia Rolim

A instalação Desejo e Saudades, em parceria Leila Alberti e Giovana Casagrande – 2020 e 2021, traz estampado nos bordados sobre uma cama, um leito, numa colcha,  a trajetória de vida das duas artistas. Abaixo as cerâmicas envoltas em tramas e fios que representam a base do trabalho das duas artistas.

“O que te passa em mente esta instalação sobre o leito”, pergunta para mim,  Leila. “A vulva pulsando em vida”, respondi. No entanto, no conceito das artistas,  as imagens no entorno são  parte da trajetória de vida de cada uma delas  e o espaço vazio no meio  com as bordas em renda significam a transposição, a morte. Segundo Leila,  inspirado  na vida de sua mãe que faleceu no período de pandemia, não de Covid, mas cumprindo sua missão terrena, numa  caminhada de 90 e poucos anos  neste planeta azul.

A instalação de Marilia Diaz não é menos instigante. Apresenta diante dos olhos do observador todo universo feminino, na delicadeza dos tecidos com tule, com o vermelho das paixões, do branco da pureza da inocência. A mulher mãe, a mulher que alimenta, a mulher que sonha. “Corpo  Apropriado” é uma instalação com um guarda-roupa de 1920, colagem, crochê, feltragem  sobre roupas de mulheres. Então eu pensei na história das mulheres, das mulheres que eu conheço e escolhi algumas amigas. Elas me deram roupas, roupas brancas e foi como tudo começou”. conta Marilia. “O cordão umbilical é o fio condutor que fala de todas as mulheres (…). Esses processos envolvem as histórias dessas mulheres e também a minha própria história “…..

O que mais empolga o observador,  ao circular pela mostra, naquele imenso salão do MuMa, é perceber que ele apresenta uma hierarquia na trajetória de vida de uma pessoa. As  angústias, alegrias, beleza, feiura que refletem no corpo físico a partir das emoções. “A cura Ancestral”, de Claudia Lara, é parada obrigatória para refletir sobre essa caminhada.

 

 

 

 

Desejos e Saudade - 21/22. Leila Alberti e Giovana Casagrande
Corpo Apropriado 2019 a 2021. Marilia Diaz
Cura Ancestral - 2021

“Cura Ancestral e Código das agulhas, 2021, de Claudia Lara. Estas obras trazem um sentido de reverência ao corpo ancião, através da homenagem feita às avós e bisavós. Dar valor aos saberes e fazeres destas mulheres, que por vezes não sabiam ler ou escrever, mas que na matemática do bordado, do tricô ou do crochê faziam a comunicação da paciência,da criação e do afeto.”,   explica Claudia, que criou a instalação com o  apoio das fiandeiras da Associação  São Roque. Fonte: Facebook

Noturno – 2021. Luciá Consalter. Instalação em tecido e desenhos sobre papel.

Ela me visitou: fios da memória Wapichana. Gustavo Caboco e Lucilene Wapichana. Um projeto de mãe e filho. Uma ideia de diáspora indígena no território brasileiro. Bordado, uma maneira de relacionar as bordas, a ideia de fronteira e a própria ideia de ela me visitou. A ideia de retorno: Paraná - Roraima. Quem é ela? A memória das avós vindo de Roraima ao Paraná. Um trabalho realizado por intermédio das relações familiares através das bordas.
Amostra Social LGBTQIAP+ - 2021. Luan Valloto
Detalhes da cura ancestral
"Durante, 2020/2021 de Bernadete Amorim em exposição no MuMA. Em suas anotações, no percurso do processo de criação, ela levantou questões: o que criamos? Que espaço criamos para criar? Qual conteúdo filosófico e crítico que estaria no fluxo desses pensamentos para a construção das emoções? Pequenos e vigorosos cosmos, em um grande universo, parecem flutuar no espaço expositivo. Artista e pesquisadora extremada nos comove com a potência de sua relação com a arte. Salta aos olhos como uma explosão pulsante de vida." Facebook

Ainda Horizontes ou Corpo do Mundo – 2021. Verônica Filipak

O que me escapa - 2021. Ana Beatriz Artigas.O corpo casa, o dentro e fora, o silencioso e barulhento. As marcas, mapeadas pelas costuras na pele do tecido transparente e aveludado,protegem e demarcam o interno da casa, ou seria do corpo? Ao adentrar na cabana/casa o olhar é conduzido à explorar as entranhas no emaranhado de fios, pulsantes em cores e percepções.

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *