Encontro com as obras de Leminski em Lisboa. Surpresa gostosa!

Banhos revigorantes de cachoeira no cenário mágico do Parque Peneda – Gerês
30 de setembro de 2021
Arte de Weiwei coloca em debate a China e a liberdade de expressão
14 de outubro de 2021
Exibir tudo

É uma boa surpresa quando você está fora de seu país e encontra uma obra de um conterrâneo sendo exposta ou destacada. "Se não fosse isso e era menos não fosse tanto era quase".

Assim foi ao ler a frase ‘existencial’ acima e se deparar com a foto de Paulo Leminski ( 1944 – 1989) numa janela, no momento em que caminhava na companhia da filha em uma calçada lisboeta para visitar outra mostra, Rapture – Weiwei, na Cordoaria Nacional. 

É Leminski?, perguntou Marcela. Confirmamos a duas que era uma mostra dele, do poeta, escritor e artista admirado, gente da nossa terra, lá do Paraná.  Múltiplo Leminski estará até 3 de novembro, na Casa da América Latina, em Lisboa Portugal.

A sensação de acolhimento foi muito gostosa e para o leitor pode parecer meio esquisito, cafona, dizer que achamos por acaso.  Deve pensar: Uai… não lê a programação cultural da cidade que visita para saber?

Confesso que essa deixamos passar ou porque não recebe tanta publicidade  como uma mostra em espaço culturais mais badalados.  Mas vale dar o tom da emoção e espontaneidade para o leitor sentir como a afetividade cultural alimenta a nossa a alma quando está distante da nossa terra natal.

O escritor, poeta e músico paranaense, Paulo Leminski foi expoente da literatura brasileira do século XX e deixou obras que transitam por todos os campos culturais e artísticos,  sobretudo uma personalidade marcante como pensador de cultura e autor de “experimentações verbais e visuais”,  como destaca Alice Ruiz, poeta e escritora que viveu com Leminski 20 anos. 

Erudito, culto, poliglota, não passou incólume, no entanto, à geração rebelde e furiosa dos anos 60.
“Nós somos de uma geração que sonhou muito alto. Em algum momento, acreditamos que realmente pudéssemos mudar o mundo”, atesta Alice Ruiz, num depoimento emocionado (…)

O próprio poeta orgulhava-se das canções que tinha composto, muitas transformadas em verdadeiros clássicos na voz de Caetano Veloso, Itamar Assumpção, Moraes Moreira ou Ney Matogrosso. Orgulhava-se também de pertencer à geração que pretendeu “derrubar as estantes, as estátuas, as vidraças”. Por outro lado, cultivava um profundo rigor herdado da poesia concreta e da familiaridade com os monumentos literários da humanidade, de Ovídio a James Joyce. Poetas de primeira grandeza, como Haroldo de Campos, perceberam rapidamente a peculiar originalidade de sua poesia: o hábil artesanato aliado à loucura, à urgência e à rebeldia da geração de um Frank Zappa ou de um Rolling Stones.
Segundo Alice Ruiz, a paixão pela juventude e ao mesmo tempo as antenas conectadas com textos de ruptura acompanharam a trajetória de Paulo Leminski desde o início. Catatau, o primeiro livro publicado, ainda nos anos 70, só encontra paralelos nacionais no Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa ou nas Galáxias, de Haroldo de Campos, conforme o crítico Leo Gilson Ribeiro escreveu. Mas nesta própria prosa repleta de abismos e armadilhas verbais, o germe diferencial já estava alojado. No livro, René Descartes tenta compreender o Brasil. Em uma mão, uma luneta. Na outra, um cachimbo recheado com maconha.
— Quando conheci o Paulo, ele já tinha cabelos compridos. Mas já era um cara culto, erudito, só falava de Homero, Ovídio, Pound, Joyce, Rimbaud. Era um clássico aos 20 anos e um rolling stone aos 40. Na realidade ele foi se tornando cada vez mais jovem. Tinha uma irresponsabilidade total da juventude, aos 40 anos — relembra Alice. Fonte: texto de Ademir Assunção clique aqui para ler completo

Múltiplo Leminski é um projeto que resulta na  catalogação completa das obras do poeta. A mostra pretende apresentar as diversas facetas artísticas do talentoso paranaense.

A mostra no Brasil foi visitada por mais de 300 mil pessoas e apresentou, além de fotos e a trajetória do artista,  objetos pessoais que fazem parte do acervo da família . Conheça mais aqui sobre o projeto

Por ironia do destino, Leminski pouco saiu de Curitiba em vida, salvo algumas viagens ao Rio e a São Paulo,. Pelo contrário, sua obra, está já  circulando fora das fronteiras brasileiras.  Evoé!

Alice  Ruiz no texto de apresentação compara Leminski a um navegador que usou as palavras como bússola e percorreu com  destrezas todos os rios que a palavra o levou. 

Porém, conta que foi um navegador apenas pelo pensamento, mente, coração. Fisicamente nunca saiu do Brasil e poucas de Curitiba. Sempre preferiu suas cidade  natal e numa forma criativa de declarar amor à sua terra dizia: “pinheiro não se transplanta”.

A mãe de Aurea, Alice Ruiz, e a irmã, Estrela Ruiz Leminski, são corresponsáveis pela curadoria. A ambientação e cenografia são assinadas pelo designer Miguel Paladino.

O projeto Múltiplo Leminski inclui atividades paralelas: palestras, ações educativas, shows, intervenções poéticas urbanas e artes de rua. Tudo para envolver os locais e deixar sementes por onde passa.

“Leminski era generoso com os jovens, que se sentiam especiais quando conversavam com ele. É um lado que a mostra também valoriza, trazendo o poeta mais perto das pessoas”, avalia Alice Ruiz.

“Quem nunca viu que a flor, a faca e a fera tanto fez como tanto faz na fraca carne, um pouco menos, um pouco mais, que nunca viu a ternura que vai no fio da lâmina samurai, esse, nunca vai ser capaz”.

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *