Banhos revigorantes de cachoeira no cenário mágico do Parque Peneda – Gerês

‘Sanatorium’ é vanguarda ou clichê?
23 de setembro de 2021
Encontro com as obras de Leminski em Lisboa. Surpresa gostosa!
7 de outubro de 2021
Exibir tudo

Banhe-se numa cachoeira e saia dela outra pessoa. Algo como lavar o corpo e a alma. Inclua nesse pacote um cenário único, dos bosques encantados dos contos de fadas.

A experiência embaixo de uma queda d’água eletrizante será imperdível e exige uma boa dose de coragem. Já entrei embaixo de cascatas algumas vezes, mas experiência na Cascata da Portela do Homem, no Parque Peneda – Gerês, em Portugal, foi extraordinária. 

Primeiro porque não sou tão jovem e venci etapas aventureiras. Devo isso ao ar muito puro, muito oxigênio no cérebro, um choque térmico, água de gelar até os ossos que colocou minha circulação sanguínea a mil e a vontade de desafiar meus limites. É claro um sol de torrar os miolos e o um suadouro pela caminhada entre pedras  num rio de montanha, acidentado, e uma trilha de poucos metros de descida, mas de dar medo para quem não gosta de alturas, foi o complemento para estimular a vontade de entrar embaixo da cascata.

Depois disso, a surpresa ao chegar a pequena lagoa verde esmeralda formada pela queda d’água é melhor que qualquer anti-depressivo.  Impossível resistir ao mergulho. Você não sabe por que está nadando tão rápido. Se é porque deseja chegar aos pés da cascata, ou porque a água é tão gelada que não pode parar porque congela o corpo. Mas depois que consegue alcançar a pedra e se colocar de forma segura para receber  uma benção natural em dose ‘cavalar’ é outra história. 

Imagine-se com uma carga potente de energia sobre os teus ombros. Sangue circulando a mil e uma sensação purificadora! Ali, naqueles minutos de intensa hidromassagem o estado é de êxtase. Puro vazio mental. Dizem que só o fato de mentalizar esse banho já ajuda como anti-stress. Então, aproveitem a dica e sigam as sensações

O Parque tem recantos maravilhosos, com inúmeros rios de pedra cortando a mata. Uma autêntica floresta européia, como aquelas de histórias encantadas cheias de bruxas escondidas pelos bosques, gnomos e duendes.

Bosques, matos, vegetação ripícola e turfeiras para além de matos húmidos – destacando-se a presença de várias espécies raras e endémicas. Alberga alguns dos mais importantes carvalhais de Portugal. Interessantes habitat seminaturais. Diversidade de espécies faunísticas com estatutos diferenciados: endémicas (salamandra-lusitânica); ameaçadas (lobo-ibérico); de distribuição limitada (cartaxo-nortenho)… No mosaico agrícola destacam-se os prados de lima e lameiros.

É um mundo à parte em que a atividade humana se integra com a natureza, preservando valores e tradições muito antigos, que se observa nas aldeias comunitárias de Pitões das Júnias e Tourém. 

É o único parque nacional de Portugal. Ocupa uma área com cerca de 70 mil hectares, distribuídos por cinco concelhos: Melgaço, Arcos de Valdevez, Ponte da Barca, Terras de Bouro e Montalegre. Geograficamente, abrange o Planalto de Castro Laboreiro e o Planalto da Mourela. Entre os dois situam-se as serras da Peneda, Soajo, Amarela e Gerês. Esse parque tem uma característica interessante, é habitado por cerca de nove mil pessoas

 

Um itinerário pelo Parque, o Soajo, certamente o turista ao avistar os espigueiros de longe, com a cruz no alto do telhado, poderá imaginar uma capelinha. Nada disso,  a cruz tem o sentido de proteção. 

As estranhas construções feitas em pedra eram mantidas  para guardar cereais e tinham apenas frestas pequenas para ventilar e não permitir que animais entrassem nos locais para se alimentar.

Infelizmente,  as pegadas sujas do bicho homem na cachoeira da Portela do Homem, sempre estão em qualquer lugar. 

A natureza em explosão de beleza, com suas cachoeiras e vegetação. Um lugar que está acessível ao homem para usufruir de suas belezas e alimentar-se dos benefícios do ar puro e de um bom banho de rios de montanhas, no verão. Esse filme mostra uma das cachoeiras, a mais linda na minha opinião pessoal, mas que com tristeza observei máscaras de proteção contra o covid-19 jogadas entre as pedras do rio. É inadmissível algo assim! O homem não tem jeito…

 

A serra mais a sul é a do Gerês, cuja porta do Parque, em Campo do Gerês, é a que fica mais perto de Braga. Nesta serra ficam as albufeiras das Barragens da Caniçada e de Vilarinho das Furnas, locais de grande beleza, tendo esta última submergido a povoação que lhe deu o nome.

O Parque Nacional da Peneda-Gerês é considerado pela UNESCO como Reserva Mundial da Biosfera de forma a possibilitar “a conservação do solo, da água, da flora, da fauna e da paisagem.

É uma das maiores atrações naturais de Portugal, pela rara e impressionante beleza paisagística e pelo valor ecológico e etnográfico] e pela variedade de fauna (íbex-ibéricos, corços, garranos, lobos, aves de rapina) e flora (pinheiros, teixos, castanheiros, carvalhos e várias plantas medicinais). Estende-se desde a serra do Gerês, a Sul, passando pela serra da Peneda até a fronteira espanhola. Fonte: Wikepédia.

 

Entrar numa área dessas é como integrar-se a um santuário. Ali, a palavra de ordem é  de respeito e atenção!

A dica fica para brasileiros que têm interesse de conhecer Portugal. O Parque Peneda- Gerês não aparece em muitos roteiros turísticos internacionais. 

É certo que brasileiros têm em abundância parques naturais, mas conhecer, mesmo por leitura e fotos, uma área como de Peneda-  Gerês sempre é como acrescentar conteúdo a mais aos nossos conhecimentos.

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *