Brasil poderá perder a identidade artístico-cultural nos próximos anos. SOS Cultura!

Paixão pela arte juntou tudo misturado e hoje é acervo muito interessante
12 de novembro de 2020
Outra face de Aurélio. Contradições entre genialidade e o ser humano
26 de novembro de 2020
Exibir tudo

É sério!
Cultura pede socorro e precisa do povo brasileiro para salvá-la do desmonte silencioso por parte do governo.

‘SOS Cultura‘  é o nome da campanha deflagrada pela Associação de Funcionários do Ministério da Cultura e pelos Estados Gerais da Cultura para solicitar a urgente recriação MinC com funções de Estado, e retomada das políticas culturais. Conclamamos a todos os brasileiros que amam as artes e valorizam nossa cultura, que assinem apoiem  esta causa.

Corremos o risco de daqui alguns anos não existir mais produções artísticas genuinamente brasileiras por falta de projetos, estímulos e investimentos no setor. Os jovens estarão à mercê do ‘mainstream’ (cultura dominante), que se difunde pelos meios de comunicação de massa a partir de interesses de consumo e da indústria do entretenimento. Estamos projetando um futuro de marionetes, sem senso crítico e conhecimento intelectual.

Logomarca da Campanha

  “Um país que deixa de valorizar sua cultura perde a sua identidade. Ele se torna um país sem testemunho na história da humanidade. Voltemos nosso olhar para trás no tempo: a palavra “colere”, origem do termo “cultura”, já possui um sentido poético, de cultivar, colher, abarcar experiências do indivíduo, de um grupo social, de uma etnia, nas suas diversas manifestações, sejam elas espirituais, artísticas, ambientais ou sociais.

Nesse universo de saberes, um dos principais vieses da cultura é a arte, e é pela arte, a cada momento, que nos tornamos mais sensíveis para captar a beleza do mundo e de seus significados.

Por isso, é preciso entender que a cultura é protagonista, e não coadjuvante!

Ela é o espaço do diálogo, da construção e das ideias. Une pessoas; fortalece a identidade de uma nação; agrega valor econômico e sentido social. Uma sociedade forte é reconhecida pelos princípios de um ESTADO amplo e sustentável, e suas ações políticas têm a marca indelével de seus valores e tradições culturais.

O setor cultural é considerado estratégico para a economia em diversos países do mundo, pois gera empregos e impacto tributário. Os dados mais atuais mostram que as atividades culturais e criativas empregam no Brasil, somente em empregos formais, mais de um milhão de pessoas. Esse número, comparado ao de 2018, mostra um decréscimo assustador, mesmo que indiretamente. O Brasil, há pouco mais de dois anos, ocupava cerca de cinco milhões de pessoas no setor cultural, entre empregos formais e informais, o que representa 6% dos empregos gerados em território brasileiro. Os dados são da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílios Contínua (PNAD contínua) e foram publicados no El País, em dezembro de 2019.

As atividades culturais e criativas no país estão ameaçadas de desaparecer nos próximos anos, por falta de investimentos e de projetos para o setor. É urgente o resgate do Ministério da Cultura, com funções de ESTADO, seguindo as mesmas prerrogativas de órgãos como a Polícia Federal, a Receita Federal e o Ministério Público. A recriação do MinC irá garantir que toda a engrenagem do setor cultural volte a funcionar normalmente, com as suas instituições vinculadas e fortalecidas em suas políticas. Foram construídos, ao longo dos anos, a fim de reforçar os conteúdos do nosso patrimônio cultural e artístico: Iphan; Funarte; Ibram; FBN; FCRB; ANCINE; vinte e sete museus; vinte e sete superintendências; vinte e quatro espaços culturais; acervo literário; e centros de pesquisa.

Agora – e como nunca antes imaginado –, a música, a literatura, o cinema, as atividades artísticas e criativas estão sendo fundamentais para tornar mais lúdicos e prazerosos estes momentos tão difíceis de isolamento social em nossas casas, em função da pandemia.

Por essas e por outras questões, a cultura precisa estar pautada nas prioridades do governo; entre as ações mais importantes, deve-se retomar a discussão de um novo Plano Nacional de Cultura e realizar a efetiva implantação de um Sistema Nacional de Cultura. Não podemos retroceder e desconstruir tudo que está feito. Estamos no limiar de um novo ano que se apresenta desafiador, em razão do pós-pandemia; faz-se necessário manter, em 2021, o apoio emergencial aos profissionais que atuam no setor cultural, assim como garantir a manutenção das instituições e dos espaços culturais que tiveram as suas atividades interrompidas por força da pandemia. Precisamos de cultura, sim, e vamos lutar por ela!

A cultura é a memória afetiva dentro de cada um de nós; por meio da arte, a cultura atinge aquele universo onírico que nos remete a momentos importantes em nossas vidas. Todos nós, se vasculharmos o passado, vamos encontrar uma narrativa poética que envolve cultura e arte em nossas emoções cotidianas. PRECISAMOS DE CULTURA PARA CONSTRUIR UM MUNDO MELHOR! “

O texto acima é o Manifesto lançado pelos dois movimentos. A finalidade é sensibilizar a sociedade brasileira sobre a importância da cultura e das artes na vida das pessoas.  Imaginem viver sem escolhas culturais, como ter um bom livro para ler ou se emocionar com um bom filme, apreciar o belo das obras de artes, vibrar e deleitar-se com a música, enfim, usufruir todas as manifestações das artes que aprimoram o nosso espírito e exaltam a nossa humanidade. 

O atual governo parece não dar importância a estas atividades essenciais para o desenvolvimento da personalidade e exercício de cidadania. Gradativamente, a começar com a extinção do Ministério da Cultura  vem provocando um desmonte de todo alicerce-base do setor cultural no país, na área governamental. 

O Sistema Nacional de Cultura foi engavetado, a Cinemateca Brasileira que abriga um precioso acervo cinematográfico está para ser privatizada, as políticas culturais não são implementadas há tempos. Com isso, o desenvolvimento artístico- cultural está à deriva e piorou com a pandemia. Mais ainda com a extinção das representações regionais de cultura, enfraquecimento dos conselhos nacionais, nomeação de pessoas que não têm afinidade às atividades culturais, perseguições de funcionários, exoneração de técnicos especializados. ANCINE praticamente paralisada por falta de recursos. E assim…..é longa a lista que promove o aniquilamento de uma estrutura que foi construída pelo povo brasileiro desde o início da história do Brasil, como é caso da Biblioteca Nacional. 

Socorro…. Socorram a cultura brasileira!

Biblioteca Nacional- RJ / foto via internet. creative commons site oficial

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *