Neurociência da beleza. Sua aproximação com a arte

Silvio Tendler convoca brasileiros a agirem contra o desmonte cultural no país
6 de agosto de 2020
‘Cidadão Ilustre’ faz humor crítico sobre bajulação e hipocrisia
20 de agosto de 2020
Exibir tudo

Foto por Mari Weigert. Fundo de um poço utilizado pelos cristãos que viviam no subterrâneos da Capadócia.

O tema é fascinante e desperta curiosidade. Uma luz no fundo do túnel sobre o debate do que é arte e o que é o belo.

O livro de Jean-Pierre Changeux, Neurociência da Beleza, explica  as reações químicas que a arte provoca no cérebro humano. “Acrescenta no debate sobre ciência e arte uma nova dimensão: aquela do conhecimento científico tanto pela contemplação da obra de arte, quanto de sua criação”, coloca a pesquisadora italiana, Alice Traforti, num artigo publicado no site CollezionedaTiffany.  O livro não tem tradução para o português.

Com a neurociência, de fato, abre-se um novo campo de pesquisa sobre a obra de arte, de modo que podemos agora falar de uma verdadeira “neurociência da arte”.

“Compreender como nosso cérebro intervém na relação entre o ser humano e a obra de arte tornou-se possível e promissor. E é o caminho que proponho a vocês neste novo livro meu”, Jean-Pierre Changeaux.

O assunto é fascinante e já foi abordado pelo PanHoramarte em artigos anteriores. O fisiologista Eric kandel falou sobre o assunto no artigo Neurocientista explica a relação entre o cérebro e a arte.

Escalada além dos terrenos cromáticos, Sheila Hicks, Bienal de Veneza de 2017.

“O que é o belo na arte? 

Uma pergunta que muitas pessoas fazem e a resposta, a professora do Departamento de História da Arte, da Universidade de Roma “La Sapienza, Maria Letizia Proietti, encontrou nos estudos psicanalíticos de Freud. A professora e também pesquisadora da crítica de arte faz do tema o assunto de suas lições na universidade. 

“O belo não é o que já vem pronto, codificado, com o qual não se sabe a que corresponde, a isto ou aquilo, uma fórmula conceitual”, explica a professora. 

“A função do belo Freud introduz pela psicanálise. É alguma coisa que repelimos e que atinge a ‘ignorância essencial’ um ‘non so che ’ – o não sabido. Algo diferente, involuntário, que faz atração imprescindível sobre esta resistência e o trabalho de atração sobre a repulsão é a obra”, afirma. 

É por isso, que segundo ela, para entender “o belo” é preciso manter presente a psicanálise – porque é por ela que se explica que o indíviduo em seu inconsciente é transformado e como acontece essa transformação para se aproximar do belo. 

“O que é transformado não é somente o indivíduo consciente, mas é aquele do oposto, do gozo, sobretudo do inconsciente, que a partir dos efeitos da pulsão ( impulso vinculado à linguagem, a letra ) pensa, sonha e diz, e se aproxima do belo”. Portanto – continua – a psicanálise tem uma função também terapêutica , mas “a você te interessa tanto como terapia quanto como um método de conhecimento. 

Para explicar a questão, cita como exemplo o pôr do sol que é igual quase todos dias e e quase não se faz caso dele. Mas quando e se alguém improvisadamente o vê e o aprecia e o coloca luz – “mette in luce”- este pôr do sol, sim, lhe desperta atenção e vem ao seu encontro como se tivesse marcado hora e força a pessoa acolher- lo como qualquer coisa que craveja na sua verdade em questão, do qual não sabe: e o elabora. E neste movimento, por certo vem o tremendo ( como o poeta alemão Rainer Maria Rilke diz, “porque o belo não é tremendo ao seu início) cada um é, e vem poeta. 

Em suas aulas sobre “Funzione del bello e la declinazione delle n-iente nella critica d`arte dopo Freud”, Maria Letizia aprofunda-se na inerência, recíproca e imprescindível entre o saber crítico-filosófico e o saber psicoanalítico em torno da questão da representação, de interpretações dos seus limites, centrados na tradição frediana e póstfreudiana e na própria atenção dada à figura e aos meios de colocar em cena . 

Maria letizia Proietti é autora, entre outros livros, do “ Storie di critica d`arte”, que se encontra para venda em língua italiana no site www.scriptaweb.it e também co-fundadora do Jornal Europeu de Psicanálise.  A Função do belo na crítica de arte, leia aqui.

 

Ativo desde o início dos anos 1960, Jean-Pierre Changeux (Domont, 1936) é um dos principais neurobiólogos contemporâneos e também um colecionador apaixonado de arte moderna e contemporânea.

Fascinado “pela beleza oculta e pela diversidade insuspeitada”, começou a colecionar insetos no ensino médio, cultivando simultaneamente seus interesses pela música, composição e pintura até pintá-los, insetos.

Durante o doutorado, acompanhou sua pesquisa com centenas de desenhos sobre a morfologia e a anatomia interna das matérias que analisou, espelhando uma conexão inata entre sua atividade intelectual e o amor pela beleza. A partir daí, o passo para coletar os mestres franceses foi curto.  A arte sempre foi um complemento necessário  a sua atividade científica.

O que é arte e o que não é?

Na Neurociência da Beleza podemos encontrar um ponto de vista objetivo sobre este panorama indefinido em que o conceito de beleza é prerrogativa do indivíduo, mas onde também existe algum princípio que regula o seu funcionamento.

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *