‘Tempos interessantes’da Bienal de Veneza 2019

Férias no pedal
27 de setembro de 2019
“Interesting Times” dalla Biennale 2019 a Venezia
8 de outubro de 2019
Exibir tudo

Microworld , 2018 - Liu Wei. China

Esta é a quinta bienal de Veneza que visito, sucessivamente, e mesmo numa rápida passagem foi possível perceber o que representa “May You Live In Interesting Times”. O título evoca a ideia de tempos desafiadores e talvez ameaçadores, mas as obras são um convite para ver e analisar o ser humano na sua complexidade. Não me interessa repetir o que já foi divulgado sobre a mais antiga Bienal de arte, sim, destacar obras que me tocaram pelo seu conceito.

Como sempre a bienal veneziana é um evento apoteótico e revelador dos tempos em que vivemos  e as obras da bienal já são gigantes  pelo próprio espaço que as instala: a cidade de Veneza é uma obra de arte única no mundo.Se tiver dinheiro e saúde estarei sempre  visitando a ‘Serenissima em tempos de bienais.

Por todos às vezes, jamais deixarei de rodopiar na imensa Piazza San Marco à noite, sentar-me num daqueles cafés e tomar um prosseco respirando toda aquela história a cada gole e percorrendo o presente, o passado e o futuro pelas emoções ao som de Vivaldi.

Giardini

O meu primeiro percurso sempre é o Giardini, onde encontram-se construídos os pavilhões e sigo pela sede central e depois aos pavilhões. Desta vez, tudo foi muito rápido. Quando comecei a percorrer os pavilhões pensei comigo mesma, que ali estavam presentes a cultura e aspectos políticos do país que construíra o pavilhão.

Por exemplo, todos os biênios a minha expectativa é muito grande em relação ao Brasil conhecendo os talentos incríveis que existem por todo o país. Porém, o que tenho visto não representou ainda o significado do meu país em diversidade e arte.

Este ano, sem desmerecer o conceito do Swinguerra, principalmente neste momento político, que ao meu entendimento é um grito de guerra das minorias e jovens da periferia do Brasil, não me parece uma instalação de vídeo-arte, mas um documentário. Será um documentário uma instalação de arte?

O pavilhão da Russia sempre é surpreende pela própria história do país. Este ano, o pavilhão trouxe um tema bíblico.  Lc. 15:11-32. A parte do evangelho que trata da parábola do ‘filho pródigo’, de Luca, que ensina o perdão, a piedade e a compaixão.

Os Estados Unidos tratam de instalações que emanam a ‘liberdade’. O pavilhão da Finlândia quase perde-se em meio às heras e folheagens que crescem em sua volta, e os temas de suas obras sempre estão relacionadas com a natureza. Enfim, o melhor será descrever em separado e analisar alguns dos pavilhões mais interessantes.

Arsenale

Se me senti um tanto aborrecida ao percorrer alguns pavilhões pensando o quanto de vaidade, política e questões econômicas estavam envolvidas na escolha dos artistas e curadores que representavam cada país, o impacto provocado pelo que vi exposto no Arsenale, deixou-me em ‘estado de graça’. Obras incríveis, magníficas e contundentes.

A estas quero dedicar um tempo e colocar em evidência algumas que realmente valem a pena pensar mais. “A nossa missão é simples também não fácil: oferecer ao longo dos seis meses de duração da mostra, aos artistas um lugar de diálogo mais livre possível e oferecer aos visitantes un intenso encontro com a arte”, afirmou o presidente da Bienal de Veneza, Paolo Baratta.

E nós do PanHoramarte `faremos parte deste diálogo!

 

 

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.