‘O que é original?’

‘Pra não dizer que não falei de flores’
19 de junho de 2019
Artista mexicano cria antes de Trump o muro da esperança
3 de julho de 2019
Exibir tudo

É inegável que a pergunta é provocadora e estimula a pensar, muito além do que as próprias obras de Marcelo Conrado, na mostra ‘O que é original?’, em cartaz no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba. A dúvida sempre foi em definir o que é a arte pura. Por isso, antes de seguir o percurso da mostra vale a pena ler com atenção o texto da curadoria, de Maria José Justino. Uma verdadeira aula sobre questões de arte.

 

O texto da curadoria que trata de  “O que é original na arte” inspira-se inicialmente nas reflexões de Walter Benjamim sobre o artista como criador, sobre a responsabilidade técnica da arte e sobre o conceito aura. “Aura, para ele, só é possível na obra única, aquela que guarda autenticidade, que se funda no ritual. A aura é o DNA da arte”.

Mas Walter Benjamin não alcançou as novas tecnologias e são elas que atingem de cheio a aura.

“Ao despojarem o objeto de seu véu, as técnicas de reprodução alteram a função da arte, abrindo caminho tanto para a tentativa da arte pela arte quanto para o exercício da arte política. (…) Novas simbologias tomam feição, culminando na identificação da arte com o conceito, em que não há mais lugar para arte pela arte – a arte passa a se relacionar com a política, a antropologia, a sociologia, a matemática, a filosofia, a vida. Arte – ‘pura’, se é que existiu, deixa de ter sentido”.

Marcelo Conrado

‘O que é original na arte? ‘ pergunta Marcelo Conrado em uma mostra, cujas obras, na maioria, são apropriações de frases, fotos dentro de um novo conceito. “Apropria-se de imagens soltas na vida, liberadas da posse. Tudo está disponível, ao alcance nas redes sociais ou nos encontros fortuitos (…), escreve a curadora.

Conrado faz a pergunta porque a resposta para ele está em acreditar que mesmo apropriando-se  de outra obra, “o artista, ao ressignificá-la, pode ser original. A autoria, desse modo, torna-se fluída”.  No final da mostra o visitante é convidado a escrever uma frase qualquer e pendurá-la no varal de ideias. ‘Deixa-as visível que poderá ser utilizada nas próximas obras”.

 

 

 

 

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.