Nudez censurada gera protesto. Até Botero violou as normas da web

Etiópia pede o retorno de tábuas sagradas mantidas no British Museum
6 de junho de 2019
Oliver Sacks já dizia que jardim e música fazem bem para a mente
14 de junho de 2019
Exibir tudo

Foto via site Exibart

O fotógrafo americano Spencer Tunick  reuniu 125 pessoas nuas perto da sede do Facebook, em Nova York. Protesto contra as restrições da rede social para fotos sobre nudez. Falando em censura vale aproveitar o espaço e contar que as obras de Botero deram o que falar para a editoria do PanHoramarte.

Pasmem!

Na página em que se trata da Inquietude Estética de Botero e o vazio no olhar foi proibido veicular anúncios da Google AdSense. A poética irônica e crítica do artista colombiano feriu a moral e os bons costumes de algum anunciante da AdWord (sistema utilizado pela Google para quem quer anunciar) que notificou o AdSense(sistema que paga pelos anúncios publicados em seu site), sobre violação de normas. O site recebeu um e-mail sobre violação de normas da política de veiculação de anúncios e os passos para regularizar a situação.

No painel do AdSense para o site, a matéria que violava as normas de veiculação de anúncios era a de Botero, segundo a Google, que continha imagens de conteúdo sexual ou moral . Achei que era a imagem de dois nus que constava na matéria. Fiz a correção e solicitei reavaliação. Para minha surpresa a resposta foi a seguinte:

 “página foi revisada mediante sua solicitação. Ela não estava em conformidade com as nossas políticas no momento da revisão. A veiculação de anúncios continuará restrita ou desativada nessa página”.

Como a restrição era somente para aquela página não fui adiante na pesquisa sobre as causas. Presumo que sejam as fotos de padres com feições ridicularizadas. Enfim, o fato de associar o caso ao protesto de Nova York apenas é para fortalecer a ideia de que não existe imoralidade na arte. Portanto, retornei com os nus e imaginei que o reclamante deveria ser um rígido beato religioso. Talvez…..

Spencer Tunick

O protesto de Tunick é pela censura praticadas pelo Instagram e Facebook contra fotos de seios femininos. Spencer Tunick é um fotógrafo americano que no passado agiu em favor da liberdade do corpo. Ele pagou por agir assim. Em 1994, o artista foi preso no Rockfeller Center, em Manhattan, enquanto estava retratando uma modelo completamente nua, posando ao lado de uma árvore de Natal.

“Mas o fotógrafo não desistiu, de fato, em 2000, ele ganhou uma ação contra o Estado de Nova York para encenar e legalmente e fotografar suas instalações em massa e imediatamente relançou em grandes números: 6 mil pessoas nuas na praça em Bogotá , em seguida, 7 mil em Barcelona e depois 18 mil na Cidade do México, o recorde alcançado.

Desta vez, o grupo de nus é mais restrito e mais feroz e pode contar com o apoio da Coalizão Nacional contra a Censura, bem como de um movimento que se tornou viral naquelas plataformas acusadas de censura, através da hashtag #wethenipple.

Vários artistas e ativistas de Nova York doaram generosamente imagens de seus mamilos à causa, incluindo Andres Serrano, o ator Adam Goldberg e o baterista do Red Hot Chili Peppers, Chad Smith. As imagens foram então ampliadas e atribuídas aos participantes na performance, com base no tom da pele e no tamanho da aréola, para cobrir / censurar polemicamente as partes em questão.

A censura dos nus, em particular os femininos, na verdade, é um tema espinhoso, principalmente porque as mídias sociais tornaram-se parte integrante da pesquisa e dos interesses artísticos, bem como das atividades cotidianas.

Ultimamente, o Facebook tem mostrado sinais de abertura e, além de ter implementado o algoritmo que gerencia os conteúdos controversos, também impulsionou seu programa de investimento no setor de arte, depois de ter tropeçado em casos bastante embaraçosos, como a censura em Vênus de Willendorf e o Julgamento de Paris, de Rubens, julgados demasiado indecisos pelo sistema de reconhecimento automático que, evidentemente, não deve ser muito irônico na arqueologia e na arte moderna, mas nem mesmo ao mesmo tempo, dado que também sofreu um erro com as fotografias de Marina. Abramovic.

“Estamos aqui para protestar contra as regras rígidas contra nudez e censura”, disse Tunick, sugerindo que o Facebook e o Instagram possam seguir o método usado pelo YouTube, que ativou “Um processo de verificação para artistas, uma plataforma que permite que eles compartilhem seu trabalho ». Na primavera passada, o Facebook publicou uma atualização que permitiu a publicação de imagens de pinturas e esculturas retratando assuntos nus, no entanto, o trabalho artístico dos fotógrafos continua vulnerável.

Nas diretrizes atualmente usadas pelo Facebook e pelo Instagram, os mamilos femininos só podem ser expostos em contextos muito específicos, como a amamentação ou para descrever as consequências das operações de mastectomia. A este estudo de caso também poderiam ser acrescentadas as motivações artísticas, embora seja óbvio que este contexto é mais nuançado e menos setorial, comparado ao médico”. Fonte: Exibart

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.