Monet sempre marca presença nas primaveras européias

Antônio Nóbrega e sua arrebatadora música e dança
2 de maio de 2018
Lo spettacolo dei colori dalle fiere in Brasile
7 de maio de 2018
Exibir tudo

As Rosas. 1925 - 1926. Claude Monet

O brilho da primavera européia estará sempre presente nas telas impressionistas de Claude Monet. E para quem deseja apreciar a arte de um artista que abriu a janela de seu atelier e deixou a luz e a cor entrar, a mostra Monet em Roma está especial. O pintor que imortalizou as Ninféias era fascinado pela natureza, sobretudo flores. “Amo a água, mas amo também as flores”, deixou registrado para a posteridade.

IMG_5931

Londres. O Parlamento. Reflexos sobre o Tamisa. Claude Monet – 1905

IMG_5945

Hoje, os recursos multimídia aproximam o amante da arte às telas famosas recriando para o observador os detalhes e a sensação de sentir-se parte da obra.

Se não é possível conhecer a casa e o jardim de Monet, em Giverny, na Normandia, ou apreciar os gigantescos painéis das Ninféias, no Museu L’Orangerie, em Paris, ao menos o visitante poderá ter a sensação de estar visitando esses locais com a força da imagem e a emoção da música ambiente.

Esse é a proposta da mostra Monet, no Complesso  del Vittoriano, Roma, que convida quem a visita, a percorrer um longo corredor simulando água no chão e o exuberante jardim do pintor em Giverny, nas paredes laterais. Ela permanece até 3 de junho.

IMG_5952

IMG_5909

No interior estão expostas 60 obras vindas do Museu Marmottan Monet de Paris, as mesmas obras que o artista conservava em seus últimos dias em Giverny e que foram doadas pelo seu filho Michel ao Museu.

Impressionismo

IMG_5947

Ponte Japonesa. Monet. 1918-1919

A visão do mundo impressionista compreendia o velho, o novo, natureza e indústria, beleza e banalidade e marcou o início da era moderna na arte. A invenção da fotografia certamente impulsionou as tendências deste movimento pictórico do século XIX e transformou o mundo.

IMG_5955IMG_5935

palheta, óculos e cachimbo do pintor.

O impressionismo empurrou o pintor para fora de seu ateliê e lhe mostrou o mundo real que precisava ser pincelado. Ao contrário daquele proposto pelos  delírios da aristocracia francesa e a competitiva e poderosa igreja católica européia (Itália, Espanha e Portugal).

IMG_5927

Efeitos do sol num entardecer. 1875

“ Escancararam as janelas e deixaram  entrar o sol e passar o ar”, escreveu Edmond Duranty em 1876, sobre as telas impressionistas.

Charles Baudelaire

Da mesma forma outro crítico e também poeta, Charles Baudelaire, deixou registrada a sua indignação sobre a fotografia e arte em cartas enviadas aos seus amigos.

“Como a fotografia nos dá todas as garantias desejáveis de exatidão (eles crêem nisso, os insensatos!), a arte, é a fotografia. A partir desse momento, a sociedade imunda pôs-se à rua, como um só Narciso, para contemplar sua imagem trivial sobre o metal”, disse ele.

Grande loucura industrial

IMG_5973

Mais adiante escreve que:

“ A cada dia a arte diminui o respeito por sim mesma, se prosterna diante da realidade exterior, e o pintor torna-se mais e mais inclinado a pintar, não o que sonha, mas o que vê. Entretanto, é uma felicidade sonhar, e seria uma glória exprimir o que se sonha; mas, que digo eu! 

Conhece ainda o pintor tal felicidade? O observador de boa fé afirmará que a invasão da fotografia e a grande loucura industrial são estranhas a este resultado deplorável? É permitido supor que um povo, cujos olhos se acostumam a considerar os resultados de uma ciência material, como os produtos do belo não acabe por ter diminuída, singularmente, ao fim de um certo tempo, sua faculdade de julgar e de sentir o que há de mais etéreo e imaterial?”, afirmou Baudelaire, durante o “Salão de 1859”. “O Público Moderno e a Fotografia./

Na antiguidade os pintores faziam o papel dos fotógrafos de agora e pela sua arte deixaram um testemunho da história da humanidade. O impressionismo é exatamente a transição entre a aceitação da nova tecnologia e a arte se adaptando às mudanças.

 Pensem qual seria a reação de Baudelaire hoje com os celulares e a explosão dos selfies!

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.