Coleção maldita do mercador de artes que servia Hitler vai para Berna

Descoberto desenho raro de Leonardo da Vinci avaliado por 15 milhões de euros
14 de dezembro de 2016
Ferreira Gullar. foto via internet.
Art exists because life is not enough
18 de dezembro de 2016
Exibir tudo

Apesar dos protestos da família herdeira dos Gurlitt, obras valiosas assinadas por Picasso, Monet, Cezanne, Renoir, Coubert, Matisse, farão parte do Museu de Belas Artes de Berna, na Suíça. A coleção, mesmo maldita pela história que carrega, é bem vinda e já tem exposições marcadas para o próximo ano.

O Tribunal de Munique, Alemanha, reconheceu que Cornelius Gurlitt, filho do mercador de artes, Hildbrand Gurlitt, que servia Adolf Hitler nos tempos do nazismo, estava lúcido e em pleno uso de suas faculdades mentais quando escreveu o seu testamento deixando como herança a sua vasta e controversa coleção ao Museu de Belas Artes de Berna.

O testamento, redigido em 2014, um pouco antes de sua morte, em novembro do mesmo ano foi impugnado pela prima de Gurlitt, parente mais próxima, Uta Werner argumentando que o ancião sofria de demência. Mas a Corte negou a acusação, não concedendo o recurso.

kunstmuseum-bern-gurlitt

Berna

O Museu de Berna, que aceitou a doação em novembro de 2014, respondeu com alívio: “Estamos felizes e aliviados pela decisão da Corte”, disse o porta-voz Marcel Brülhert. As obras, cerca de de 1.500, contam pinturas, litografias e xilografias de Picasso, Monet, Cezanne, Kirchner, Dix, Matisse, Renoir e Coubert.

O tesouro, achado em 2012 e 2014, nos dois apartamentos de Gurlitt em Munique e Salsburgo, precisa de ao menos outros dois anos de trabalho para desvendar o mistério de todas as procedências, visto que somente 100 peças foram parte dos saques nazistas. E as outras? Mesmo assim já preparam as mostras: a primeira no Bundeskunstalle di Bonn e a outra no Kunstmuseum di Berna.

Fonte: Exibart

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.