Giovanni Ziccardi
Verbal violence and online hate
11 de outubro de 2016
Inhotim é simbiose perfeita entre arte contemporânea e natureza
14 de outubro de 2016
Exibir tudo

Imagine um coqueiro gigante que tem a altura de um edifício de dois andares e lá no alto, grudado aos ramos verdes, pende um cacho carregado de coquinhos amarelinhos. Imagine também a chegada de alguns  pássaros de penas coloridas, divinamente belos, pousarem no cacho e começarem a bicar nas frutas, num ritmo frenético e barulhento.

Uma cena momentânea, única, capturada pelas lentes da minha Cannon, da sacada de um sobrado – a pousada de minha amiga Eleuza, na praia de Itapoá, em Santa Catarina. Por estar quase no mesmo nível da copa da árvore foi possível visualizar a cena melhor, pois a árvore estava localizada no terreno do vizinho.

Infância

Agora retorne à infância e busque nos cantinhos da memória a lembrança de como era gostoso catar coquinhos maduros no chão, isso se você foi criado solto e livre pelas ruas sossegadas de uma cidade arborizada, senão, tente vivenciar o relato, sobretudo por que a próxima etapa é comê-los um a um, virando os olhos e evocando  o famoso mantra, hummm….. hummmm…. isso enquanto se sente o sabor doce e o líquido pastoso retirado das fibras da fruta enchendo a boca.

img_2472

Este coqueiro imponente a que me refiro, que serviu para alimentar pássaros maravilhosamente belos, que produziu frutos doces como mel, e que traz a lembrança do sabor de infância não existe mais….

                 Isso mesmo, não existe mais porque cometeu um pecado grave: deixou os seus galhos secos caírem e sujarem a                                     piscina da casa construída perto dele.

                       É triste, mas é verdade.

Não é só o pássaro de sete cores (como todos o conhecem em Itapoá) que irá perder o seu alimento predileto, a sociedade, na verdade, a humanidade inteira está perdendo, destruindo o que há de mais belo na vida.

Lucrar sempre

Infelizmente,  Itapoá é apenas um exemplo  de como  nosso inconsciente coletivo se manifesta quando o assunto é  progresso e desenvolvimento. O objetivo é lucrar sempre…

A praia de Itapoá, localizada no Sul do Brasil, foi durante muito tempo um local de exuberante paisagem natural pelo difícil acesso  ao balneário.

Há poucos anos a estrada que faz a ligação entre Itapoá, Barra do Saí às BRs 376 e 277 ( era de chão batido) foi asfaltada e os serviços de infra-estrutura melhoraram e começou a a crescer a especulação imobiliária.  Até aí tudo bem, nada contra a entrada de novos moradores.

Mas tenha santa paciência…depois disso,  a construção de um porto particular – que não me dei ao trabalho de descobrir para qual empresa e qual os conchavos feitos e quem ganhou nesse privilégio de possuir um local próprio para descarregar carga –  provocou uma revolução no local, derrubou matas e fez o escarcéu, é claro, tudo com o discurso de que progresso é necessário.

Nada contra

Não sou contra a geração de empregos, melhoria da qualidade de vida. Pelo contrário, apoio e acho importante o processo de modernização. Mas é desanimador observar que o homem não aprendeu a lição.

Quando o assunto é ambiental, os interesses individuais estão acima de tudo.

Choramingos à parte…

É saudades do pássaro de sete cores…. Tinha a intenção de fotografá-lo de novo, na próxima frutificação do coqueiro.

Me consolo lembrando que minha amiga Janine construiu uma grande casa na Barra do Saí, bem no fundo do terreno localizado de frente para o mar, isso para preservar a restinga – vegetação litorânea que cresce na zona de arrebentação das ondas. Deixou espaço para a entrada dos carros e teve o cuidado  de delimitar a área natural com uma cerca baixa que deu à propriedade um aspecto agradável e pitoresco.

Outro exemplo é minha irmã que já enfrentou muita crítica ao manter um  poço de água amarelada e cheirando ovo podre abastecendo sua casa de veraneio em Itapoá. Além disso, ela conta com orgulho que o ‘veio’ de água foi descoberto por intermédio da forquilha de pêssego. O enxôfre que a água possue tem curado muitos problemas de pele em algumas pessoas que passaram férias em sua casa.

São pequenas atitudes que fariam uma grande diferença e se todos pensassem assim, com certeza, o belo pássaro de sete cores teria garantido o seu alimento predileto!

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.