História de Julieta seria banal se não fosse Almodóvar

Artistas ingleses exercitam a criatividade em época de Olimpíada
23 de julho de 2016
Neurocientista explica a relação entre o cérebro e a arte
27 de julho de 2016
Exibir tudo

(From L) Spanish actress Adriana Ugarte, Spanish director Pedro Almodovar and Spanish actress Emma Suarez pose as they arrive on May 17, 2016 for the screening of the film "Julieta" at the 69th Cannes Film Festival in Cannes, southern France. / AFP PHOTO / Valery HACHE

 

Foto internet via Huffingtonpost

A história de Julieta seria banal se não fosse contada pela cineasta Pedro Almodóvar num filme. O drama de relacionamento entre uma mãe e filha é o último trabalho do famoso diretor espanhol que coleciona fãs no mundo inteiro.

Almodóvar começa o filme apresentando Julieta,uma mulher madura, que está prestes a mudar de país, mudar de vida. Daí para frente, a história se desenvolve com o toque mágico do diretor espanhol, um excelente contador de histórias, que se apropria novamente do universo feminino nessa sua última produção cinematográfica. É o relato da vida de uma jovem (Adriana Ugarte) que se torna mãe prematuramente. As cenas intercalam o passado e o presente e a atriz Emma Suarez interpreta a personagem 20 anos mais tarde.

Para definir com poética artística o trabalho de Almodóvar, é possível dizer que todas as cenas são bem pinceladas, na busca de uma obra prima. Até as telas penduradas na parede, inseridas como pano de fundo, para aqueles que são aficionados por cinema e por artes plásticas, têm o sentido visual de conjunto que promovem a interação entre o espectador e o filme. São técnicas sutis utilizadas para intensificar o relato.

Para muitos, o filme aborrece pelo drama sombrio. Talvez jovens que estão habituados com o cinema de ação e dos efeitos especiais. Mas não decepciona o expectador que opta em analisar o que uma história de vida representa para cada indivíduo nesse planeta.

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.