Reflexões sobre Narciso e Eco apreciando a tela de Waterhouse

Curtindo no facebook
17 de junho de 2016
‘Human’ é filme único pela eloquência dos depoimentos
22 de junho de 2016
Exibir tudo

Eco e Narciso são atuais e vale essa análise em tempos de selfies

As infinitas vantagens da internet é encontrar artigos encantadores como esse escrito por  Gian Maria Zavattaro e Rossana Rollando. O tema parte de uma tela de John William Waterhouse, Eco e Narciso.

Selfies

Como narcisismo é muito atual, numa sociedade em que os selfies e curtidas que cultuamos nas redes sociais sem pudores é um reflexo do nosso egocentrismo, transcrevo o artigo para enriquecer nosso conhecimento, por outro lado, oferecer a oportunidade de apreciar um ponto de vista sobre a vida e o comportamento atual. Gian Maria Zavattaro é professor aposentado de uma escola estatal italiana.

Publicado  originalmente em Persona e Comunità

“A tela que escolhemos para esse post se adapta ao conteúdo expresso. Nela, conta a história de Narciso e Eco. O primeiro é uma rapaz belo e destinado a não poder amar, que não seja a si mesmo, a segunda é a ninfa reduzida ao som que retorna. Narciso, depois de recusar Eco, perdidamente apaixonada por ele, morreu em uma fútil tentativa de abraçar o seu próprio reflexo em uma poça d’água.

John William Waterhouse

O autor da pintura é John William Waterhouse (1849-1917), pintor britânico rotulado como Pré-Rafaelita, que muitas vezes incorporava temas mitológicos com um toque delicado e pessoal e em cada caso, colocava à sua obra pictórica, textos literários, considerando a duas línguas – palavra escrita e palavra pintada – complementar.

800px-John_William_Waterhouse_-_Echo_and_Narcissus_-_Google_Art_Project - Copia (7)A imagem projetada 

Uma certa tradição atribui a Buda a história de dois cães que em momentos diversos entram na mesma sala. Um saiu abanando o rabo e outro saiu rosnando.Uma mulher viu e curiosa entrou no quarto para descobrir o que fazia um feliz e o outro com tanta raiva. Com grande surpresa descobriu que o quarto estava cheio de espelhos. O cão feliz tinha encontrado uma centena de cães felizes olhando para ele, enquanto o cão com raiva tinha visto apenas cães raivosos que rosnavam para ele.

Qual é o significado dessa fábula? Depende do nosso modo de olharmos… Para Buda isso que vemos no mundo ao nosso redor é reflexo daquilo que nós somos: ‘Tudo aquilo que somos é reflexo daquilo que pensamos. A mente é tudo. Nos transformamos naquilo que pensamos’. A metáfora do espelho pode indicar muitos significados adicionais, alguns positivos, outros negativos.

Narciso

Pode evocar o fim trágico de Narciso: não sair do espelho quer dizer não sair de si mesmo, projetar sobre o outro nós mesmo, sem entrar em comunicação com o outro, reduzir o outro a si mesmo e afogar-se em si mesmo.

800px-John_William_Waterhouse_-_Echo_and_Narcissus_-_Google_Art_Project - Copia (4)Eco

Pode indicar o muro e a porta fechada de Sartre: o outro não é só o espelho e o reflexo dos meus pensamentos, mas é um estranho e não o meu reflexo, é diferente de mim, um estranho, o que está longe, o inimigo que é o inferno. A porta fechada. Eu perdi a chave e não tenho nada, que náuseas. Pode indicar um modo dramático de uma possível comunicação e comunhão: posso estabelecer uma ponte entre eu e o outro, posso conciliar as duas meias verdades que a fábula coloca em destaque, o outro que sou eu e o outro que não sou eu.

Narciso e Eco

Antes de fechar-se no quarto, o cachorro que rosnava já estava no mundo dos relacionamentos, somente  na sua solidão, e na sala cheia de espelhos não contemplou o seu delírio e abandono e acabou colidindo com a multiplicação infinita de solidões. O cão “feliz” estava em primeiro lugar no mundo dos relacionamentos, em paz consigo mesmo e com os outros, aberto à comunicação e comunhão. No ambiente fechado da sala de espelhos apenas confirma a sua abertura ao mundo e da reconciliação consigo mesmo e com os outros. No labirinto do mundo, a metáfora dos espelhos, indica dois caminhos paradigmáticos: quando se entra na sala de si mesmo se espelha somente aquilo que somos fora. A divisão e a comunhão com os outros são consequências da paz e da laceração de nós mesmos”.

 

 

 

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.