‘Arte fornece respostas para perguntas que não foram feitas’

Rainha em Perigo
15 de junho de 2016
Curtindo no facebook
17 de junho de 2016
Exibir tudo

‘Embora tenhamos arte em torno de nós, não se sente, é como o ar que respiramos’

 O jornal The Art Newspaper comemorou em alto estilo seus 25 anos de trabalho divulgando arte. A celebração colocou em pauta um assunto para ser investigado:’What is Art For’?( Qual é o papel da arte?).  Um dos maiores museus do mundo, o Hermitage, na Rússia, participou do debate e deu sua contribuição sobre o tema.

‘Embora tenhamos arte em torno de nós, não se sente, é como o ar que respiramos’, afirmou o diretor do museu, Mikhail Piotrovsky.

O mais famoso entrevistador da Rússia, Vladimir Posner, foi quem orientou o debate e começou citando Dostoievski, que disse que a arte é tão necessária quanto a comida e a bebida. ‘Isso é verdade? Se nós oferecemos alimentos ruins às pessoas, quais são as chances dessas pessoas se tornarem saudáveis? Se elas não têm arte,  como vão se tornar espiritualmente saudáveis? A arte mudou nos últimos tempos? Deveria a arte ser entendida pelas pessoas, como os marxistas queriam?

Sua primeira testemunha foi Irina Prokhorova, crítica literária e editora. Ela disse que a pesquisa está provando que a fronteira entre seres humanos e animais é cada vez menos clara, mas a diferença é arte. Civilização não é o PIB de um país, mas a medida em que a cultura permeia a vida; em dias soviéticos, as pessoas criativas acreditavam  nisso  para se manterem vivas durante tempos terríveis. Segundo ela, era importante que a arte se espalhasse entre as pessoas: “Tínhamos vivido muito tempo com a estética do feio.” Para ilustrar como a cultura pode ser acessível a todos, ela citou um festival de poesia contemporânea realizado numa vila  de pescadores canadense. Após cinco anos, os pescadores puderam entender a diferença entre a boa e a poesia ruim. Posner acrescentou: “Será que os pescadores desistiram de ser  bons pescadores?” Prokhorova: “Eles se tornaram melhores pescadores.”

A seguinte foi Garrett Johnston, um consultor de negócios da Irlanda, na Rússia, que acredita que a arte é como um treinamento da aptidão para a consciência humana porque é fora do puramente utilitário, e traz  às pessoas a auto-realização. Ao trabalhar com empresários, ele ensina que a chave para o sucesso é encontrar uma coisa única: pensar mais como artista. Ele concluiu: “Os russos são como artistas na medida em que inventam respostas para as perguntas que não foram feitas ainda. A China é todo o desempenho; na Rússia, é o contrário “.

O diretor de cinema Alexei Uchitel escolheu para se concentrar em censura, como a auto-censura está se tornando tão perigosa quanto a censura em si. O medo nos priva da produção artística talentosa. O mundo está se tornando mais assustador.  Ele tentou fazer um filme na Palestina, mas os atores tinham muito medo de ir.

A última testemunha foi Tatiana Chernigovskaya, professora de ciência da linguística. Ela também citou a questão da fronteira entre seres humanos e animais, e perguntou por que os cães não vão a museus ou concertos. A arte é específica para os seres humanos, ela disse.  A arte, como ciência, é a nossa ferramenta para compreender o mundo; se queremos ser como os cães, nós podemos, sem arte.”A arte não imita a realidade; produz realidade. Antes de Turgueniev(famoso dramaturgo russo do século XIX), não havia senhoras Turgueniev “, disse ela.

A arte tem uma capacidade sensorial; encontra verdades científicas antes da ciência, como  o Impressionismo e a ciência da percepção. Se o cérebro não está ocupado com tarefas difíceis, se degenera. Sabemos que a nossa rede neural muda quando nós escutamos uma peça complexa de música.

“A arte não trata do belo, mas mostra uma nova visão radical”, concluiu. Posner: “Você concorda com Picasso quando ele disse que a arte é uma mentira que nos faz encontrar a verdade?  Chernigovskaya: “Em um hospício há pessoas que acreditam que suas alucinações são reais, mas a arte não é o que você vê; é o que você faz  para os outros verem”.

Ordenadamente parafraseando uma observação anterior, Piotrovsky encerrou o processo com “Arte fornece as respostas às perguntas que ninguém fez” e anunciou: “Absolvição para todos”.

Fonte: The Art Newspaper

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.