As dez pinturas roubadas ou perdidas mais procuradas no mundo
11 de maio de 2016
Livro sobre as estações e a influência no organismo
17 de maio de 2016
Exibir tudo

A escravidão tem mil faces, sim. Não é apenas algo que se possa visualizar como imagem física de uma pessoa acorrentada, ou submetida a um trabalho árduo sem direitos, em cativeiro.

Existe formas mais sutis de escravidão, invisíveis, que tiram a liberdade das pessoas, sem que elas se sintam de fato acorrentadas. A mente é capaz de escravizar o homem pelos tormentos, medos e manias.  Portanto, ela está oculta por outro rótulo. Muitas vezes, é provocada pela própria pessoa, ou por manipulação do meio social.

Logo, a escravidão tem mil faces.

Grande parte da sociedade é conduzida a consumir produtos  que incorporam aos hábitos diários, como os vícios, bebidas, cigarros, drogas, medicamentos. No caso dos chamados vícios, as pessoas que induzem o outro ao vício são indiretamente o opressor, o feitor. Digam que não é verdade!

Estados psicológicos como os medos e fobias nos escravizam a tal ponto que nos tornamos dependentes de medicamentos para nos entregarmos inteiramente à indústria farmacêutica.

A palavra escravo é definida pelo dicionário Aurélio como “que ou aquele que está inteiramente sujeito a outrem, ou a alguma coisa – um que ou aquele que está sujeito a um senhor, como propriedade dele”.

Atentem para o detalhe: “sujeito a outrem ou a alguma coisa“. Aí que mora o grande perigo e prova que  podemos, indiretamente, nós próprios colocarmos correntes que nos tiram a liberdade em função de um sistema político, de usos e costumes, de fatores religioso, de conceitos morais ou culturais.

A liberdade, neste caso, somente pode ser conquistada com um espírito crítico aguçado e força de vontade, condições capazes de nos dar a segurança para afastar de nossas vidas os grilhões da dependência e de todas as situações que dissimulam uma finalidade  de escravização.

A busca pela liberdade exige um minucioso trabalho de observação, isso porque a  nossa liberdade termina onde começa a liberdade do outro. A forma como interpretamos o processo de liberdade é fundamental para “estabelecer” o que deve ser  o verdadeiro código de ética e de direitos humanos.

Curiosamente, o livro  1822, de Laurentino Gomes,  compara a postura em relação à escravidão do patriarca brasileiro José Bonifácio de Andrada e Silva com a do americano Thomas Jefferson. O conceito de liberdade de Thomas Jefferson quando escreveu a declaração de independência americana – pela qual “todos os homens nascem iguais”e com direitos que incluíam a liberdade, era totalmente oposta a de Bonifácio. “Tomas Jefferson bateu-se até o fim da vida contra qualquer proposta de abolição da escravatura. Jefferson era dono de 150 escravos e tinha entre suas principais atividades o tráfico negreiro. No seu entender, portanto, todos os homens nasciam livres e com direitos, desde que fossem brancos. Bonifácio, ao contrário, nunca teve escravos e era um abolicionista convicto”.

Portanto, a escravidão é um sistema tão antigo, arcaico, que deveria estar obsoleto e ultrapassado. Infelizmente, no entanto, de alguma forma, dissimulada ou não, a escravidão está presente a todo momento na sociedade moderna…..

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.