Greenpeace ha cambiato il mondo?
23 de abril de 2016
Feira de Arte de Istambul é adiada por medo
27 de abril de 2016
Exibir tudo

Um filme mostra o que ainda não explicado do que aconteceu em Chernobyl

Depois de passados 30 anos do mais grave acidente nuclear da história da humanidade por erro humano –  Chernobyl, na Rússia – um filme coloca uma nova luz sobre a origem e a motivação do desastre que ainda não foi bem explicado.

Veja o trailer do “O complô de Chernoby

Se não conhece detalhes sobre o terrível acidente nuclear assista esse vídeo.

https://www.youtube.com/watch?v=83PQ7ncP9Us

Na Itália o documentário chama-se “Il complotto di Chernobyl” ( o complô), um título que diz tudo, sem dúvida. No Brasil, segue a tradução do inglês “Pica-Pau Russo” (The Russian Woodpecker), pouco esclarecedor e para cinéfilos pode passar despercebido.

Jornalistas de todos os continentes assistiram em 2016 o documentário no Festival Internacional de Jornalismo de Perugia.

A palavra complô traduz o real conteúdo do filme que conta a história de Fedor Alexandrovich, artista ucraíno, que narra sua vida como sobrevivente de Chernobyl. Ele cresceu com o trauma causado pelo medo de ser separado da própria família (viveu num orfanato porque o governo retirou as crianças dos pais para evitar mais contaminação), e por ter consciência de ser radioativo, carregado de estrôncio em seus ossos.

Filme premiado

O filme recebeu o  Grande Prêmio do Júri, em Sundance, EUA, e o prêmio Hera, para novos talentos e como melhor obra, em Bologna, Itália. A direção é de Chad Gracia, escritor e cineasta, um eclético contador de histórias (story teller), que se aventurou pela primeira vez  ao gênero documentário.

Il-complotto-di-Chernobyl-660x350-e1459976006719

O que mais intriga em toda a narração de Fedor é a descoberta de uma gigantesca antena  – Duga – que custou cifras exorbitantes e foi construída com o objetivo de interferir  em comunicações ocidentais para infiltrar a propaganda soviética.

A estrutura nunca conseguiu funcionar como deveria a não ser pelo famoso som captado, na época, por todas as rádios do mundo, semelhante ao picar do Pica-Pau na madeira. Por essa razão foi chamado de Pica-Pau vermelho, questão que poderia ser a base do terrível acidente. Supõe-se que o vazamento não foi acidental e sim por ordem de alguém com interesses de esconder algo maior….

E se não fosse só um acidente?

Segundo informações do próprio cineasta, a primeira ideia era contar uma história com base em uma pesquisa tradicional, a curto prazo. Mas ao se aprofundar no assunto a transformou em um trabalho emocionante que toca na ferida e nas histórias obscuras que até hoje ainda são intocáveis e secretas  na antiga União Soviética.

Segundo o site italiano Sentieri Selvaggi , o diretor e o artista começaram a suspeitar um do outro e para espionar uns aos outros utilizaram uma câmera GoPro escondida, com medo de que estava sendo feito um filme paralelo, sobretudo convergindo emoções de uma tensão verdadeiramente invulgar.  A situação foi agravada pelos revolucionários e eventos geopolíticos que passaram pela Rússia e Ucrânia na época das filmagens.

Trauma privado de uma situação coletiva

Portanto, é uma verdadeira obra de testemunho, de um trauma privado, de uma situação coletiva, com novas perguntas, ousadas e perigosas, que não se contentam com respostas erradas.

Acima de tudo o filme mostra os riscos do uso da energia nuclear. Mais uma razão para o mundo lutar contra qualquer projeto de incentivo a instalação de novas usinas. O homem não pode controlar o que está além do seu conhecimento e em consequência comprometer a vida no planeta. É muita arrogância e  supremacia!

*fotos retiradas do site Sentieri Selvaggi

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.