Curitiba transcende à luz dos artistas da Bienal Internacional

Il libro tratta del diritto di avere figli fuori dalla sessualità
13 de novembro de 2015
Tecnologia avançada constrói poética espiritual que se transfigura na Catedral de Curitiba
15 de novembro de 2015
Exibir tudo
IMG_6518

Julio Le Parc – Instalação – MON

Curitiba transcende à luz das obras da Bienal Internacional e integra hoje o roteiro das grandes exposições de arte, que no passado se mantinha dentro do eixo Rio-São Paulo. A Luz do Mundo, que é o tema central proposto pela curadoria dessa bienal, trouxe para capital paranaense obras magníficas que dialogam com o espectador, seja leigo ou conhecedor de arte, tal é qualidade dos trabalhos e o conteúdo conceitual. A distribuição em cerca de 100 espaços culturais não prejudica às visitações, pelo contrário estimula o visitante a querer ver mais e buscar e aproveitar ao máximo o que a bienal lhe oferece.

IMG_6483

Olho do Museu Oscar Niemeyer em Curitiba

As obras expostas no Museu Oscar Niemeyer têm ao seu favor o espaço do próprio MON que já uma obra de arte. Sem dúvida o Olho do MON agora escuro, pouco iluminado, foi o lugar ideal para abrigar as obras da arquiteta japonesa Yumi Kouri e do artista argentino Julio Le Parc. Ambos interagem com observador, que não é mais o que observa, mas o que integra o espaço. Yumi manipula a luz e a sombra e transforma o espaço em outro espaço.

IMG_6543

Julio Le Parc

Julio Le Parc explora arte cinética e suas obras são focadas no estudo da luz, estruturadas pelo movimento. Transitar por suas instalações no Olho, é  perceber o efêmero, a transfiguração dos corpos em movimento na luz e sombra. Julio foi um dos fundadores do Groupe du Richerche d’Art Visuel ( 1960 – 68), coletivo de artistas ótico-cinéticos, que se propunha estimular a participação dos observadores, ampliando a sua capacidade de percepção e ação.

IMG_6502A partir do Olho, o público poderá ‘visitar as outras duas salas expositivas da Bienal no MON, que destacam as obras “Fantasmas” do sueco Lars Nilsson, esculturas de corpos sem luz. Nada que se acrescente de novo na arte escultória.

IMG_6575O espaço do grupo que integra Dan Flavin, Doug Wheeler, Jeongmoon Choi, Helga Griffths, é o que mais atrai público, que enfrenta filas para entrar na sala e brincar, fotografar e sentir as sensações do jogo que o chinês Jeongmoon Choi faz com os fios de algodão e a tecnologia, a representação do código DNA, de Helga Griffiths que replica sua estrutura genética, “a informação mais irredutível e objetiva que alguém pode ter sobre si mesmo”.

IMG_6582A população de Curitiba e aqueles que a visitam têm até primeira semana de dezembro para desfrutar da Luz do Mundo. É a oportunidade de embarcar na pesquisa poética dos artistas e tirar suas próprias conclusões sobre o significado da arte e o que ela revela sobre um momento na história da humanidade. O PanHoramarte irá mostrar nas próximas atualizações, um pouco mais sobre o que o curador Teixeira Coelho diz que a “Bienal  tem por tema a arte da luz, a arte com a luz, a arte feita de luz e que tem na luz sua matéria, seu material e conteúdo.”

 

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.