Encontre a alma das palavras no Museu da Língua Portuguesa

Fique com Deus
15 de março de 2015
To be a good housewife? I
16 de março de 2015
Exibir tudo

Aguardamos o seu renascimento a partir das cinzas, como Fênix, ressurgindo com toda a sua grandiosidade!

O Museu da Língua Portuguesa foi destruído pelo fogo em dezembro 2015. O Brasil viu seu tesouro maior ser consumido pelas chamas. A matéria abaixo resume toda a paixão da jornalista, pelo que considerava um dos mais belos museus do mundo. Foi publicada antes do incêndio.

foto1

Encontro marcado

Todo o brasileiro que se preza deve marcar um encontro com as palavras no Museu da Língua Portuguesa, na Estação da Luz, em São Paulo.

O visitante chega ao local e descobre que irá  fazer parte de uma viagem, com um roteiro criativo e repleto de informações sobre a origem, a alma das palavras que formaram o idioma que hoje é falado no Brasil.

O Museu da Língua Portuguesa é um legado inestimável para todo cidadão brasileiro e um verdadeiro deleite para os que amam etimologia.

foto6

O encontro com este mundo é inovador.

A tecnologia é utilizada para provocar, instigar, estimular o público a pesquisar, a saber mais sobre a língua portuguesa, de um jeito diferente, em que o computador, a multimídia dão lugar à caneta e ao papel e tornam-se recursos fantásticos, rápidos, e de grande motivação para ajudar o adulto ou a criança a buscar dados sobre nosso idioma. Como por exemplo, quais são as palavras do idioma Banto (africano) que contribuíram para compor os falares em nosso país, assim com o Tupi (indígena), e inúmeros outros, o espanhol, italiano, francês, alemão, vindos pela imigração.

De começo, na entrada, a “Árvore das Palavras”, uma escultura que chama atenção pelo tamanho – de 16 metros de altura – criada por Rafic Farah, na  qual o visitante encontra palavras que contribuíram para formação do idioma português e do português falado no Brasil, assim como a representação em objetos e animais.

No interior dos elevadores que dão acesso às exposições, para completar a sensação de estar entrando num túnel do tempo, é possível ouvir as palavras “língua” e “palavra”, como uma espécie de mantra,  em vários idiomas, composto por Osvaldo Antunes.

foto2

Galeria

A Grande Galeria é parada obrigatória para ouvir e ver, numa tela de 106 metros, filmes sobre pessoas falando nas diversas formas de se comunicar em português: do povo simples caipira, do cantor, do nordestino, que vivem neste Brasil afora. Logo ao lado estão localizadas as “palavras cruzadas”, vários totens com computadores repletos de palavras portuguesas e as suas verdadeiras almas, como é o caso de abajur, cuja origem é francesa – abat-jour – que significa abaixar a luz.

A linha do Tempo mostra a história da língua portuguesa, num painel que começa em 400 AC e termina no ano 2000, do século XXI.

foto5

Estes setores são apenas uma pequena parte do que é possível explorar nos 4,3 mil metros quadrados de muita informação e criatividade. As exposições permanentes – Grande Galeria, Linha do Tempo, Palavras Cruzadas, Beco das Palavras e Mapa dos Falares – estão no segundo andar. O primeiro é dedicado às mostras temporárias.

foto8

O auditório para projeção do filme sobre a história da língua portuguesa localiza-se no terceiro andar. O roteiro encerra na Praça da Língua: espécie de “planetário da Língua”, composto por imagens projetadas e áudio. Uma antologia da literatura criada em Língua Portuguesa, com curadoria de José Miguel Wisnik e Arthur Nestrovski.

Vá em frente que será um passeio inesquecível. Apenas deixe uma tarde inteira para esquecer de tudo e mergulhar nas vidas passadas das palavras que fazem parte do vocabulário que hoje você fala no Brasil. O ingresso é baixo, custa R$ 6,00 e mais informações poderão ser obtidas no site do Museufoto10

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.