É difícil escolher qual é a obra mais genial de todo o Festival Internacional de Arte Naif, na sua terceira edição em Guarabira, na Paraíba.

Todas são maravilhosas e explodem em cores na retina de quem fixar o olhar. É a arte mais pura, que brota no coração de quem a cria e fala pelas imagens sobre as questões sérias da humanidade. Com certeza, os jurados tiveram dificuldade em escolher as finalistas que podem ser apreciadas  no site do FIAN.

A potiguar Ivanise Lima, com seu Passeio no Parque e mais mais quatro artistas ganharam a medalha de Menção Honrosa.  A curadora Jaqueline Finkelstein coloca em destaque  esta terceira edição que reuniu artistas de todo o mundo, sobretudo a homenagem ao artista naif, Orlando Fuzinelli, conhecido internacionalmente. O Museu Internacional de Arte Naif do Rio de Janeiro o denominou “Fuzinelli, um capira de raiz”.

Segundo a curadora, a seleção das obras focou na importância  de destacar artistas naifs e suas práticas livres,  ingênuas, autodidatas, autênticas e espontâneas. “Assumimos o compromisso de nortear aqueles que através da sensibilidade, atentando para liberdade de expressão, transmitiram em suas obras valores implícitos de sua vida e origem sem a preocupação de efeitos e convenções”, afirma Jaqueline em sua mensagem no site do Festival.

Na sequência ele conta que no passado os artistas naifs receberam diversas denominações como: pintores de domingo,  do coração sagrado,  primitivos, espontâneos, incitas e instintivos. As obras foram avaliadas considerando a ausência de formação  acadêmica,  sua trajetória de vida e seu currículo artístico, acima de tudo a obra em si, a qualidade e o potencial em transmitir emoções.

Escrever tratados e textos sobre arte ingênua ou naif é perder tempo precioso e não aproveitar em se deleitar com as cores e os temas desenvolvidos pelos artistas que foram finalistas no Festival. Todos revelam em suas criações a sensibilidade por aquilo que vivem ou acreditam,  a sua vida e o que pensam sobre determinado assunto. Um exemplo, é a obra do Gulfidan Hitt, provavelmente um árabe ou turco ( não foi possível achar mais informações sobre  ele na internet), com sua obra  “Peace of mind at home”- Paz na mente em casa”.

 

Ivanise Lima - Passeio no Parque
Orlando Fuzinelli - São Francisco

A paz na mente em casa mostra o potencial que a arte ingênua tem de revelar aspectos do cotidiano e uso e costumes de um povo. “Peace of mind at home” foi uma das obras selecionadas pelo FIAN

Aproveitamos a seleção conjunta postada por Geolagens Oliveira dos artistas que receberam Menção Honrosa. 

“A Sala das  Rendeiras”,  de Olympia Bulhões. Não é preciso dizer absolutamente nada pela belezura dessa obra e sim apreciar a os detalhes e a graça.

Regina Pucinelli – Praça onde a vida passa.

Não é admirável!

Rodrigues Lima – São João na roça.

 

Não precisa falar nada sobre a obra de Shila Rodrigues – Mãe do Filho Morto. 

O artista Paisdalomba, assim que assina, mostra em sua obra Consequências, o drama dos indígenas com a destruição da floresta.

Rosangela Politano, fez o mundo virar um mar de flores  na obra, Capinando na rua , num cafezal em flores.

.

10 de junho de 2021

Belezuras da arte ingênua nas obras finalistas de Guarabira

É difícil escolher qual é a obra mais genial de todo o Festival Internacional de Arte Naif, na sua terceira edição em Guarabira, na Paraíba. Todas […]
10 de fevereiro de 2017

Arte naïf em dose familiar apresenta o universo lúdico da cultura nordestina

A família “do Vale” respira arte em dose tripla. A manifestação artística que brota do coração de Ivanise(mãe), Nivaldo(pai) e Divaldo do Vale (filho), é a […]