Um dia inventei de fazer natação.... Ai, Pera aí, lembrei de uma outra coisa aqui...

Sabe… quando criança era sempre o último a ser escolhido no futebol.

Sim! Já fiquei um primeiro tempo inteeeeeeiro sem encostar na danada da bola. Pois é, ninguém passava o brinquedo mais antigo pra mim, aíí que sacanagem né? ⚽️
Quem esteve comigo nessa fase da vida vai lembrar do Manteiga derretida mais fofo do bairro do Rocio, ohww!🥰🥰🥰

Pare Ju!( assim que me chamo quando falo comigo mesmo). Isso é passado cara e nem era sobre isso que você ia falar, seu maravilhoso!

O tempo passou, cresci, e assim pude escolher um esporte pra seguir uma carreira sólida. irraaaahhhhh!

Agora vai…
Um dia inventei de fazer natação e levei a minha amiga Juciane Batista comigo.
Compramos tudo que precisávamos pra sermos atletas de respeito;
Tudo aquilo que vocês já imaginam…
Sunga, maiô etc…tudo tamanho P
Eita que naquele tempo nosso metabolismo era ágil.
Fomos pro nosso primeiro dia de aula com o professor Cezar,  devia de ser 2008.

 

Flávio e Ju

Fui no vestiário, coloquei a sunga preta de listras laterais, e quando eu estava voltando… peguei a Ju correndo e saltando na piscina com os joelhos juntos e agarrados entre os braços,
a i  m e u  d e u s!

Eu, como sempre em todas as piscinas da vida, preferi as escadas.

Minha companheira já estava toda toda, deê maiô azul-marinho, com touca e óculos de natação (só faltou aquele negocinho do nariz, pra ficar igualzinha uma nadadora do nado sincronizado). Emocionante!

O profe perguntou se alguém sabia nadar. E se precisávamos de ajuda para arrumar os óculos

A melhor amiga já levantou a mão,
___eu sei!
___nossa, sério? Eu falei.
Ela só me olhou com aquela cara de tri atleta!

Eu disse ao treinador que sabia nada de nadar. Apesar de nascer na beira do valo grande. (encontro dum braço do mar com rio ribeira de Iguape) acho que é isso.

Ele ajustou meus óculos.
A Ju arrumou sozinha… vai vendo!

No primeiro minuto da aula de natação o professor manda o aluno puxar o ar e soltar dentro da água.
Começamos mergulhar.

Usei os dedos, polegar e o fura bolo para tampar o nariz, Que fiasco! Não consegui fazer diferente, foi mais forte que eu!

E a Ju, mainga! Mergulhava bonitinho mas ficava com os óculo cheio d’água. Tadinha… e ela nem percebia, na afobação pra mergulhar.
Como bom Amigo que sou, toda hora ia lá esgotar seus óculos, já que dispensou a ajuda do mestre, meio bravinho já com a bagunça.

E continuamos nessa vibe….
Primeira semana.
Mergulhamos todo mundo desse jeito mesmo.

Segunda semana
Eu, Já nadando com a prancha
A Ju ainda mergulhando – aíii to rindo, desculpa!

Terceira semana
Eu já nadando a cachorrinho

A Ju mergulhava que uma maravilha, aiiii desculpa genteeee kkkkkk

Quarta semana
A Jucineia estava nadandinho, mas me fez pagar o Pato

Eu já nadando de costas e me achando o Gustavo Borges

Mas não disseram pra que serviam aquelas bandeiras em cima da piscina, achei que estava nadando em alto mar, ouvindo até uma voz.
___Flávio, Flávio, parecia uma sereia! FLAVIOOOOOO
Era a Ju chorando de rir porque eu acabei de bater a cabeça no outro lado da piscina.

Eita vida, né
Um dia eu era menino sem chutar a bola e no outro o jovem (pero no mucho) que ria da amiga, por não conseguir nadar!

Sempre pensei como é injusto com quem tem maior dificuldade no esporte; a Ju conseguiu nadar que é uma maravilha. Eu, não pude dizer o mesmo do futebol ⚽

** Nota da editoria:

Flávio Cunha é o novo colaborador do PanHoramarte. As Histórias de Flávio terão sempre uma pitada de bom humor. Característica de quem conhece ele, que faz de fatos singelos do cotidiano ‘causos’ leves e engraçados. Suas mãos são mágicas para deixar um cabelo bonito, escrever e mais…. fazer uma bela manta de crochê nos invernos curitibanos. No Instagram oflaviocunha

28 de julho de 2021

Histórias de Flávio: Olímpica piscina

Um dia inventei de fazer natação…. Ai, Pera aí, lembrei de uma outra coisa aqui… Sabe… quando criança era sempre o último a ser escolhido no […]
24 de julho de 2020

Com a palavra o escritor

Nada é mais emblemático que a imagem de uma máquina de escrever. A foto remete a alguém que a usa para escrever e inspirar-se com arte […]
6 de maio de 2020

Richard, o gringo

Ainda não sei porque fizemos aquilo com o Richard. Roberto confessa, ademais, sua tristeza, uma tristeza que os anos só fazem engordar e doer, e lá […]
22 de janeiro de 2020

Mulherzinhas

Este fim de ano foi bastante corrido para mim; entre uma viagem e outra, não queria perder tempo para ler meus livros. Principalmente nessa época do […]
22 de dezembro de 2018

Por que nós adultos devemos ler contos de Natal?

Faz umas duas semanas fui na livraria comprar um livro. Fui à livraria com a intenção de comprar um livro concreto e acabei saindo com outro. […]