Monte Alegre vibrou em cores e música com as quadrilhas juninas

Harmonia da vida marinha é puro relax. Oceanário de Lisboa
22 de junho de 2022
Minha mulher parece uma artista II
11 de julho de 2022
Exibir tudo

Festival de Quadrilhas Juninas em Monte Alegre. Foto Samara Terra

O Festival de Quadrilhas Juninas de Monte Alegre mostrou que o brasileiro não vive sem uma animada festa de São João. Especialmente no nordeste.

Longe do calor nordestino, em terras lusitanas me surpreendi quando a amiga Samara Terra descreveu a festa das quadrilhas em Monte Alegre. “Foi muito lindo ver a cidadezinha toda enfeitada”, contou ela. “A entrada da cidade é um espetáculo à parte, inclusive com um Museu do Forró”.

Na pequena cidade, que pertence a Região Metropolitana de Natal,  se apresentaram 52 quadrilhas juninas durante uma semana. Brilho Matuto foi o grupo vencedor do Festival. 

Monte Alegre-se! Esse foi o slogan do Festival que acolheu muito quadrilheiro ansioso em voltar a dançar para o povo. “Depois de dois anos sem São João, o sentimento que estou é de felicidade por saber que vamos retomar o ciclo junino.” disse Tales Ferreira, do Grupo junino Arroxonó. Fonte: Prefeitura

A razão desse artigo não é só falar sobre o festival de Monte Alegre, que já aconteceu, mas sobre as populares festas juninas que acontecem no Brasil de norte a sul. Cada qual à sua moda de acordo com a região, mas sempre em comum bandeiras, quadrilhas, paçoca, pipoca….

No Paraná, por exemplo, em junho o inverno é rigoroso, portanto as festas têm pinhão, a fogueira e o quentão para esquentar o corpo e o coração. Talvez até menos vibrantes comparando com as nordestinas que celebram com muita intensidade os santos do mês de junho.

Mais interessante ainda é comparar com as festas juninas portuguesas, que também tem bandeiras, música e muita comida típica. Na verdade, foram os portugueses que levaram a tradição para Brasil lá pelos idos de 1600., como festa joanina (João),  nos países europeus católicos.

Vejam só. mas não foram os  portugueses católicos que começaram a tradição de em junho homenagear seus santos. O que presume-se foi uma adaptação do catolicismo a partir de uma festa pagã. 

A história é mais antiga e curiosamente pelo que se  pesquisa na história já existia como festa  da colheita no Hemisfério Norte,  no dia mais longo, o solstício.  Então, começou a partir de uma festa pagã. 

 “O formato era mais ou menos como a gente conhece, com comida regional, danças e fogueira”, afirma a antropóloga e professora da PUC, Lúcia Helena Rangel. Fonte uol história.  Essas festas celebrando solstício para afastar os maus espíritos e pedir fertilidade e abundância à agricultura aconteceram até o século X. 

“A Igreja Católica, cujo Deus não era homenageado, considerava essas festas como meros rituais pagãos. Mas, como não conseguiu acabar com elas, resolveu adaptá-las ao universo cristão. “Já no século 13, três santos passaram a ser homenageados no mês de junho: Santo Antônio (dia 13), São João Batista (dia 24) e São Pedro (dia 29)”, explica a antropóloga Lúcia Rangel.

foto Samara Terra
foto by Samara Terra

Assim o tempo e a cultura de cada povo inserem novas situações e adaptações à sua moda. Hoje é festa do catolicismo o que antes era dedicada aos deuses da fertilidade, para garantir boa colheita.  No  Brasil com muita música e alegria e em Portugal um pouco mais discretas. A quem defenda que as festas de Monte Alegre são festas mais glamurosas, com vistas a atrair turismo., assim como em Campina Grande, na Paraíba. Também há quem diga que o forró que tocam não é o genuíno pe-de-serra e denominam o ritmo da modernidade de forró de plástico. 

Enfim, essas discussões são à parte e o que nos interessa destacar é a tradição que persiste no Brasil e a importância da cultura popular.

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.