Histórias de Flávio feitas com as palavras pão, mãe, banana, bicicleta, jacaré

Homenagem a Jaider Esbell e sua conexão com o ‘espírito do tempo’
3 de novembro de 2021
Obras de arte roubadas pelo poder colonial, museus e restituições
18 de novembro de 2021
Exibir tudo

Estava voltando pra casa montado na minha bicicleta azul calcinha, bem de boa, pensando na vida e curtindo o vento batendo na cara.

Eis que, no meio do caminho, na ciclovia da Mariano Torres, sinto o cheiro do pão caseiro da minha mãe.

Putz! Já me bateu uma emoção!

Mesmo de máscara, percebi que tô com meu olfato em dia, um bom sinal nestes tempos tortuosos…

Pois bem!

Um simples cheiro de pão mudou minha rotina.

Enquanto eu pedalava, minha memória trazia o cheiro, o sabor e a alegria de acordar e ter um lindo e delicioso pão feito pela minha rainha. E ainda me fez refletir sobre a riqueza do amor que recebi uma vida inteira.É nessas horas que lembramos dos motivos pra agradecer, e bate uma felicidade né!? 
 
 
Mas esse é o pão Cassiano fez
O pão da minha mãe é tão bom que ela já até comercializou, sabiam
Siiiiiiiimmmmm!

E adivinhem quem eram os mais lindos vendedores ambulantes dos pães sagrados da mamãe do bairro do Rocio, na Cidade de Iguape? 

Quem? Quem?

Acertoooooou se seu pensamento remeteu a este que agora escreve. Sim, eu e meu irmãozinho… kkkkkkkkk
Meu primeiro trabalho, na verdade, não foi o de fazedor de pipas, como eu sempre conto, foi o de vendedor dos lindos pães fresquinhos da Dona Mariene.
Era eu um menino tão tímido! Vocês acreditam que tinha até pão de banana? Já viram isso? Uma das especialidades de Dona Mariene… 
Sen-sa-ci-o-nal!

Pois não é que me bateu uma saudade, liguei pra minha padeira e pedi a ela a receita do pão caseiro. Aí a mãe me passou a seguinte receita se matando de rir:— Jueeee, anote ai, Bella vai amar!

 

PÃO DE BANANA
Um bom tanto de trigo
Um tanto de água, pode ser leite se quiser
Uns 2 ou 3 ovos
Um pouco de óleo
Um pacotinho de fermento. Do biológico, hein!
Um tiquinho de sal e adicione também umas duas, três, quatro colheres de açúcar.
Sova bem e amassa a massa, deixa descansar um tempão.
Daí você corta as bananas em rodelas e mistura com a massa.
Faz os pães em formato de jacarés. Coloca uma rodela em cada olho.
Unta a forma
E põe pra assar.
O último dos ingredientes é o mais importante:
Amor, meu filho!

Ahhh! Deixa esfriar um pouco antes de comer viu! Passa manteiga e joga pras galinhas!

 
Como já falei por aqui, a culinária não é meu forte e, lógico, sobrou pro Cassiano, né?!
Nem preciso falar, mas lá em casa ele já foi eleito o melhor padeiro do mundo.

Aliás, vou colocar aqui no fim do texto, meio escondidinho, pra ninguém perceber, pois o dito cujo é tímido e vai me excomungar:

Parabéns!

Cassiano! Hoje seu aniversário e desejo pra você muita saúde, meu amor! Que sorte a minha tê-lo por perto nestes últimos 21 anos da vida. ❤❤❤

Assim como minha mãe, Cassiano não segue à risca as receitas… Por isso, não fez o pão de jacaré com bananas, mas, como tudo a que se dispõe a fazer, fez com amor.
***Publicação original no Facebook, 28 de outubro.

Comentários Facebook

comentarios

Flávio Cunha
Flávio Cunha
Flávio Cunha é cabeleireiro como profissão, mas adora se entreter com o mundo das artes. Nas horas vagas gosta de escrever contos e causos bem humorados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *