‘Sanatorium’ é vanguarda ou clichê?

Vamos ouvir nossos poetas de rua quando gritam suas verdades!
16 de setembro de 2021
Banhos revigorantes de cachoeira no cenário mágico do Parque Peneda – Gerês
30 de setembro de 2021
Exibir tudo

Mathangi - mudra ligado ao chacra do ego e da ambição e atua no sistema digestivo.

Há controvérsias na obra 'Sanatorium'(2011), que combina arte com psicologia, de Pedro Reyes. De acordo com a curadoria a proposta é oferecer tratamentos que mudam percepção da pessoa para diminuir a aflição urbana. Parece clichê, não é mesmo?

Nem clichê e nem vanguarda, mas um incrível e extenso arquivo social, antropológico e cultural de uma época na sociedade ocidental. Sanatorium é uma instalação performática que existe há 10 anos e tive a oportunidade de visitá-la na sua temporada agora no MAAT, em Lisboa. A mostra percorreu as principais cidades do mundo e propõe aos visitantes três opções, dos 16 tratamentos ofertados, todas as séries acompanhados por voluntários treinados para serem terapeutas.

Provavelmente essa obra irá enriquecer muito mais o conteúdo artístico de Pedro Reyes, mexicano  e sempre genial  em seus conceitos que unem arte e a questão social, do que a nós mesmo. Um ativista que se utiliza da arte interativa para a provocar a transformação, que vejam, não é o caso do Sanatorium.

Digo que possa talvez ser conteúdo para outra obra….

Prestei mais atenção no que significará a instalação para  futuro depois que li sobre as outras obras do artista. 

 Palas por Pistola (2007),  uma proposta artística na fronteira do México com os EUA. Em Culiácan. Armas foram trocadas por eletrodomésticos. Pelo recorde de doações foram derretidas e remodeladas em 1.527 ferramentas de jardinagem, depois distribuídas em escolas públicas para atividades de jardinagem.

Pás de Jardinagem .Palas Pistolas

Vou explicar em poucas palavras o por quê  dessa conclusão  da forma mais simples possível, com base nas três terapias que escolhi como tratamento: Mudrás , Citileaks, Casino Filosófico.

Mudras

Na minha opinião,  que tem muito com as minhas afinidades, achei a mais interessante.

Consiste em conhecer um série símbolos gestuais envolvendo o corpo. Sabem aquela  posição dos dedos das mãos em posição  de Yoga para meditar? São os Mudras.

O terapeuta mostra um série e o  por quê de usá-los e depois convida-o  para criar um próprio.Achei divertido!

Mudra chamado Prithivi
Citileaks

O  tratamento denominado Citileaks é um tanto infantil.  Lembra as brincadeiras de adolescentes. O visitante escreve um segredo seu num  papel, enrola e coloca dentro de uma garrafa preso a um barbante.

Depois tem a permissão de ler o segredo de outra pessoa de uma garrafa a escolher. O segredo que não é mais segredo que escolhi, claro anônimo,  foi de uma mulher jovem relacionado a uma experiência sexual na adolescência, com uma amiga que se tornou um tabu secreto.

Se o artista comparar o material escrito por pais e região poderá tirar incríveis conclusões sobre comportamento e sociedade.  Os temas mais abordados, a sensibilidade, o puritanismo, entre outras questões.

Casino Filosófico

O Casino Filosófico trabalha como um oráculo e sempre é realizado em grupo. Cada pessoa do grupo escreve três perguntas e o terapeuta recolhe e coloca numa caixa. No meio do círculo existe uma série de figuras geométricas com frases de pensadores  a cada lado da figura. 

Cada visitante lê perguntas que retira aleatoriamente da caixa, escolhe e faz girar uma das figuras e a resposta é aquela onde parar.  As perguntas podem ser expostas nas paredes da sala como um painel.

Nessa interação, mais ainda é possível perceber o grande arquivo expondo as sensibilidades de um povo, as questões existenciais.

Pedro Reyes  usa escultura, arquitetura, vídeo, performance e participação. Seus trabalhos têm a finalidade de estimular a intervenção  individual ou coletiva em situações sociais, ambientais, políticas ou educacionais. 

De suas instalações já realizadas, além de Sanatorium, escolhi duas para citar porque  achei geniais no sentido de propor uma mudança de mentalidade:  Música para Litofones e Baby Marxˆ

Música para Litofones

Litofone é um instrumento feito em pedra, blocos monolíticos com cortes paralelos de vários comprimentos e profundidades, que resultam em prismas que, ao serem atingidos, produzem notas musicais diferentes. Sua presença é ao mesmo tempo ótica, tátil e acústica, diferente de qualquer outro instrumento musical. Os litofones são sempre uma anomalia no universo musical, sendo sempre diferentes na sua forma e espectro sonoro.

Não é a primeira vez que Pedro Reyes faz esculturas musicais feitas com materiais inusitados, como é o caso de Disarm (2012), onde transformou armas de fogo em instrumentos, ou Satori (2016) onde trabalhou com gongos balineses percutidos por baquetas mecanizadas. Seis anos atrás, a prática escultórica de Reyes começou a se manifestar em entalhes diretos na pedra, e nessas duas encostas; a escultura em pedra e a produção de instrumentos convergem nestes litofones. Fonte: Wikepédia.

Baby Mark

“Baby Marx” é uma comédia de fantoches, tendo como personagens principais Karl Marx e Adam Smith. Tudo começou como a contribuição de Reyes para a Trienal de Yokohama de 2008 e depois como um projeto para o CCA Kitakyushu. O curador Akiko Miyake e o mestre de marionetes Takumi Ota trabalharam com Reyes para criar uma série de fantoches e um trailer que foram exibidos em uma mostra itinerante no Japão. A produtora mexicana Detalle Filmes se interessou em produzir o primeiro episódio que se tornaria uma série de TV. Um piloto foi filmado em 2009, o que gerou interesse em um filme ao invés de uma série de TV. Recentemente, Baby Marx foi exibido no Walker Art Center, em Minneapolis, e uma série de pequenos clipes foram lançados para a internet. Veja aqui a animação

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *