Sul do Brasil mantém a tradição de pintar cascas de ovos na Páscoa

Seja amigo do Dandô. Colabore com a maior rede músicos do Brasil
25 de março de 2021
O grito de Munch e a tão atual apropriação de Aroeira
8 de abril de 2021
Exibir tudo

foto por Bentinha Alquini

Galhos secos enfeitados com cascas de ovos coloridos, centenas e centenas deles, mais e mais cascas de ovos recheados com amendoim, bala de goma, são mimos para adultos e alegria para crianças na Páscoa, no Sul do Brasil.

Uma tradição que não se perdeu no tempo e continua viva, sobretudo na família Alquini. Há seis anos as irmãs Alquini, mais vizinhos, em Jaraguá do Sul, Santa Catarina, guardam cascas dos ovos durante o ano para pintar e decorar perto da Páscoa. Este ano, a remessa de cascas foi mais de mil entre vizinhos e amigos de Bentinha Alquini autora da decoração e das fotos.

As imagens são de encher os olhos, tal é o colorido que  me perdi num deleite infantil apreciando a postagem do amigo Yedo Alquini no Facebook. Uma foto mais mimosa que a outra, todas muito alegres me chamaram a atenção e por uma fração de segundos me fizeram voltar ao passado.

Um pouco antes da Páscoa era comum minha mãe e avó materna já não quebrarem os ovos ao meio para usar. Delicadamente faziam um furo embaixo,  na ponta da casca e retiravam com cuidado a clara e a gema para não estourar. Lavavam a casca e a colocavam para secar para depois disso guardarem com muito cuidado num local longe das mãos infantis.

foto por Bentinha Alquini

quando chegava perto, uma ou duas semanas antes,  a etapa era de colorir os ovos com  ‘papel crepon’. 

As cascas eram fervidas junto com o papel colorido par tingir de acordo com a cor escolhida.  Com outro pedaço do papel se fazia recortes em  fru-fru para servir de tampa e fechá-las depois de recheadas com amendoim achocolatado feito em casa, bala de goma e outras guloseimas pequenas. 

Minhas memórias coincidiram com as lembranças de Yedo, que escreveu sobre sua Páscoa em família, no contato que fiz pedindo permissão para usar as fotos pelo messenger. 

“Desde criança (hoje estou com 71 anos), sempre se fazia as cestinhas de Páscoa, decoradas com cascas de ovos, coloridos, recheados com amendoim achocolatado ou confeitos e balinhas coloridas. No início, tingimento com papel crepon, casca de cebola, flores, beterraba, etc. As cestinhas eram bem coloridas. Colocavam os nomes, escondiam e as crianças acordavam bem cedo e iam no jardim e quintal procurar. Mais recentemente, quando Pomerode começou a fazer a tanenbaum, seguiram os passos. Minha mãe, minhas tias, vizinhas, se reuniam para preparar quando a gente dormia. Nos ficávamos na expectativa. Eram bons momentos e boas lembranças”, contou Yedo.

Todas as fotos são de Bentinha, irmã de Yedo.  Para os brasileiros descendentes e não descendentes, alguns daqueles que vivem por perto dos bisnetos de imigrantes alemães já se acostumaram de chamar a Páscoa de Osterbaum, principalmente no interior de Santa Catarina.

Essas tradições são passadas de mãe para filhas e assim permanecem no tempo. Minhas filhas também viveram a Páscoa das casquinhas de ovos, minhas netas atualmente e todas elas divertem-se pintando e dando cor às delicadas e frágeis casquinhas. 

A criatividade não tem limites. 

Veja que há uma foto onde as cascas são envoltas com trancinhas coladas de papel seda colorido. São bem bonitas. Minhas irmãs foram incrementando em função de novos modelos. (foto abaixo com crochê também) Nessa árvore seca, há mais de mil casquinhas. Vão coletando o ano inteiro, entre vizinhas e conhecidas“,  comentou Yedo Alquini.

Uma tradição que tentei descobrir como começou aqui no Brasil. Desculpem os leitores mas não consegui dados, assim tão rapidamente. Um pouco frustrada também descobri que existem inúmeros tutorais no Youtube ensinando como fazer e pintar cascas de ovos para Páscoa. 

Nem tive curiosidade de escutar tais tutorais porque quero deixar a lembrança daquele época como algo sagrado no fundo do meu coração. Os tutorais não conseguirão nunca transmitir aquela curiosidade infantil em descobrir que cor ia dar depois da casca enfrentar um sopa de papel crepon, além de apreciar a mamãe e dar umas lambidas na colher, quando ela preparava o amendoim torrado com açúcar e achocolatado.  Talvez, os imigrantes eslavos e alemães e seus descendentes, em tempos difíceis de economia e escassez, usavam a imaginação para substituir o ovo de chocolate que era algo inacessível para o bolso .

Também não fiz um esforço tão grande na pesquisa porque não era o foco deste artigo. O objetivo era de mostrar a criatividade das pessoas, que de um jeito ou de outro, conseguem manifestar uma poética artística, singela, artesanal, mas que acolhe e solidariza-se com outro porque  é viva e transformadora. 

Em tempos de pandemia, a cor, a vida, abrem brechas para a luz entrar no fundo do túnel escuro e para vibrar em outras esferas. O ovo simboliza vida.

Que seja o início de uma nova fase e que a Vida vença o inimigo invisível!

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *