A sabedoria dos povos da floresta

Capadócia é museu a céu aberto
14 de outubro de 2020
Libras na arte pela manifestação poética de artistas surdos
29 de outubro de 2020
Exibir tudo

Tela de Heinz Budweg

Nossas florestas ardem e junto com elas desaparecem as plantas que curam, alimentam e fornecem o conhecimento a humanidade.

Os índios foram fiéis depositórios  deste conhecimento que vem sendo transmitido de geração para geração.  Os Povos da Floresta não escrevem as suas memórias ou documentam os seus usos e costumes. Vivem o presente e a sua sabedoria ancestral é passada como uma espécie de literatura oral de pai para filho. “Kuarajy reike mborayhukõ’eti ombohesakã”, dizem os Kaingang, Guarani ou Xetás. Significa: amar o poente dá a luz ao amanhecer.

 “Amar o poente é buscar o nascente, o nascer. O velho, o poente, é o dono da história, o saber. O homem é a aldeia, o agora. E a criança é a dona do mundo, o vir a ser, o amanhecer. O Guarani é um povo muito místico e todos os dias o pajé-cacique reúne sua tribo na Casa da Reza, para realizar seus rituais pedindo a Tupã a proteção para os mais novos e aos idosos, defumando com o petÿ ou petinguá (cachimbo) os sagrados lados da casa onde o sol nasce e onde se põe” (Fonte: indigenista Edivídio Battistelli).

Tela de Heinz Budweg

 

O Guarani é nômade e sempre caminha em direção ao Leste, em busca da terra sem males. . Na sua mitologia  o conceito terra sem males, o paraíso, é um lugar que é chamado “aguydjê, uvý-nõmimbyré,mbáeveráguasú,mará-ey ou yváy” , denominações com o mesmo significado, usadas pelas diversas tribos que compõem este grande grupo linguístico. Um mundo singular, onde o homem é totalmente livre e as regras da vida são trilhadas por tradições milenares, obedecidas espontânea e instintivamente por todos.

Alguns homens brancos brasileiros que viveram com os índios ficaram irremediavelmente apaixonados pela sabedoria das tradições e pela pureza de espírito destes povos da floresta. Os irmãos Villas Boas estão neste rol http://veja.abril.com.br/noticia/celebridades/em-xingu-os-irmaos-villas-boas-sao-herois-imperfeitos. Sem dúvida, são os mais ilustres. A eles devemos a criação da Fundação Nacional do Índio (FUNAI) e a demarcação de áreas para os índios viverem pacificamente, apesar de existirem ainda conflitos entre índios e gananciosos brancos.

 

O artista alemão Heinz Budweg, nascido e Berlim e desde 13 anos vivendo no Brasil, atualmente em São Paulo, colocou em pauta o tema índios brasileiros, principalmente da Amazônia, na agenda de arte internacional quando mostrou seu trabalho lá fora. Heinz foi responsável pelo texto e ilustração do material Xingu e seus mistérios, material distribuído por ele e pela Fundação Nacional do Índio, na década de 80. Magnífica pesquisa apresentando em ilustração e texto, as comunidades indígenas do Parque Nacional do Xingu e seus usos e costumes. Este foi apenas um dos diversos trabalhos artísticos e pesquisas do alemão-brasileiro sobre o Brasil e a sua gente.

O indigenista paranaense Edívio Battistelli é outro que tem um caso de amor incondicional à causa indígena. Entre 1994 a 2003, criou a Assessoria de Assuntos Indígenas durante o Governo Lerner e colocou na pauta governamental o tema índio no Paraná. Durante o período que atuou na Funai, hoje está aposentado, implementou projetos que garantiram buscam a dignidade e a  manutenção das culturas dos Guarani, Kaingangs e Xetás em território paranaense. 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.