Leituras possíveis em tempos de coronavírus

The doctor, Salvador Dalí
COVID 19: espanhóis dão lição de solidariedade
26 de março de 2020
O mundo parou! Ficção agora é realidade
8 de abril de 2020
Exibir tudo

O livro azul. 1969/ Marc Chalmé (França). Creative Commons Pinterest

Ler é o melhor remédio!  Em tempos de coronavírus….

A partir dessa premissa o PanHoramarte intensifica sua pauta no segmento literatura e sugere alguns autores e livros para que o tempo seja leve durante o período de quarentena.

Nesta edição, o jornalista e escritor paranaense Luiz Manfredini faz um resumo de duas de suas obras literárias. Memória de Neblina e As Moças de Minas são livros baseados em fatos que construíram a história de nosso país.

Em tempos de quarentena contra o coronavírus, sobram horas baldias para leituras que o corre-corre do cotidiano quase sempre impedia. Muitos vão, portanto, à pilha dos livros deixados para trás.

Dois livros – As Moças de Minas e Memória de Neblina – surgem como opção para visitar (ou revisitar) a década de 1960, uma das mais efervescentes do século XX e que ainda desperta interesse entre os que desejam conhecer melhor os caminhos do Brasil. Década de dor, sonhos e lutas, de rupturas sociais e comportamentais. No Brasil, a década dos anos de chumbo do regime dos quartéis.

 

Em As moças de Minas, narra-se a dramática história de cinco jovens estudantes presas em Belo Horizonte, em 1969, por suas atividades de resistência ao regime militar – que incluíram sua transformação em operárias e camponesas para despertar as lutas sociais – e os terríveis sofrimentos pelos quais passaram.

 

 

 

 

 

 

Memória de Neblina é um romance sobre meninos e meninas que, sob a ditadura militar,conviveram com sonhos e pesadelos justamente quando estavam se formando para a vida – não mais meninos, tampouco adultos. Hilários, dramáticos, amorosos, radicais, lutam e brincam a um só tempo. Vivem um tempo de trevas. Ainda assim, acendem risos. O lúdico não abandona o revolucionário. Nas frias madrugadas curitibanas, cobrem as imaculadas paredes de um colégio – todas elas – com poemas pichados com bastões de cera. Em seguida, mergulham em estripulias até o amanhecer. Dias depois, lá estão eles distribuindo panfletos em um bairro operário e discursando sobre bancos de praças. Mais tarde, entre operários e camponeses, semeiam sua revolução. Memória de Neblina é, sobretudo, um elogio ao pensamento humanista e transformador.

 

 

 

 


Luiz Manfredini é veterano jornalista e escritor em Curitiba. Além de As moças de Minas e Memória de Neblina, publicou o romance Retrato no entardecer de agosto e a biografia A pulsão pela escrita.  Trabalhou em O Estado de S. Paulo, Jornal do Brasil e revista ISTOÉ, entre outros órgãos de imprensa. É colunista do portal Vermelho e membro do Conselho Editorial da revista Princípios, editada em São Paulo.

Ambos os livros poderão ser adquiridos pela internet, no site da Livrarias Curitiba: www.livrariascuritiba.com.br
 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma. Acredita nas palavras bem ditas ou 'benditas', ou seja, bem escritas, que educam, que seduzem pelos significados, pela emoção ao informar sobre a arte da vida que se manifesta nas relações afetivas, na criação artística, nos lugares, na natureza e na energia do Universo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *