Leituras possíveis em tempos de coronavírus

The doctor, Salvador Dalí
COVID 19: espanhóis dão lição de solidariedade
26 de março de 2020
O mundo parou! Ficção agora é realidade
8 de abril de 2020
Exibir tudo

O livro azul. 1969/ Marc Chalmé (França). Creative Commons Pinterest

Ler é o melhor remédio!  Em tempos de coronavírus….

A partir dessa premissa o PanHoramarte intensifica sua pauta no segmento literatura e sugere alguns autores e livros para que o tempo seja leve durante o período de quarentena.

Nesta edição, o jornalista e escritor paranaense Luiz Manfredini faz um resumo de duas de suas obras literárias. Memória de Neblina e As Moças de Minas são livros baseados em fatos que construíram a história de nosso país.

Em tempos de quarentena contra o coronavírus, sobram horas baldias para leituras que o corre-corre do cotidiano quase sempre impedia. Muitos vão, portanto, à pilha dos livros deixados para trás.

Dois livros – As Moças de Minas e Memória de Neblina – surgem como opção para visitar (ou revisitar) a década de 1960, uma das mais efervescentes do século XX e que ainda desperta interesse entre os que desejam conhecer melhor os caminhos do Brasil. Década de dor, sonhos e lutas, de rupturas sociais e comportamentais. No Brasil, a década dos anos de chumbo do regime dos quartéis.

 

Em As moças de Minas, narra-se a dramática história de cinco jovens estudantes presas em Belo Horizonte, em 1969, por suas atividades de resistência ao regime militar – que incluíram sua transformação em operárias e camponesas para despertar as lutas sociais – e os terríveis sofrimentos pelos quais passaram.

 

 

 

 

 

 

Memória de Neblina é um romance sobre meninos e meninas que, sob a ditadura militar,conviveram com sonhos e pesadelos justamente quando estavam se formando para a vida – não mais meninos, tampouco adultos. Hilários, dramáticos, amorosos, radicais, lutam e brincam a um só tempo. Vivem um tempo de trevas. Ainda assim, acendem risos. O lúdico não abandona o revolucionário. Nas frias madrugadas curitibanas, cobrem as imaculadas paredes de um colégio – todas elas – com poemas pichados com bastões de cera. Em seguida, mergulham em estripulias até o amanhecer. Dias depois, lá estão eles distribuindo panfletos em um bairro operário e discursando sobre bancos de praças. Mais tarde, entre operários e camponeses, semeiam sua revolução. Memória de Neblina é, sobretudo, um elogio ao pensamento humanista e transformador.

 

 

 

 


Luiz Manfredini é veterano jornalista e escritor em Curitiba. Além de As moças de Minas e Memória de Neblina, publicou o romance Retrato no entardecer de agosto e a biografia A pulsão pela escrita.  Trabalhou em O Estado de S. Paulo, Jornal do Brasil e revista ISTOÉ, entre outros órgãos de imprensa. É colunista do portal Vermelho e membro do Conselho Editorial da revista Princípios, editada em São Paulo.

Ambos os livros poderão ser adquiridos pela internet, no site da Livrarias Curitiba: www.livrariascuritiba.com.br
 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.