O que trouxe o ‘espírito do tempo’. Zeitgeist!

Arte do presépio no imaginário das pessoas
25 de dezembro de 2019
Arte salvou Kyoto na segunda guerra. Quem salvará os tesouros artísticos do Irã
10 de janeiro de 2020
Exibir tudo

With Flowers, Weiwei- 2013. foto retirada do site do artista.

O uso indiscriminado da tecnologia da comunicação e atrelada a ela, todas as controvérsias. Mesmo assim, viva a tecnologia, o espírito do tempo. Zeitgeist!  um termo em alemão usado para definir a cultura que predominou na época.  

Mesmo vivendo na era da pós-verdade (pós- verdade só foi um jeito bonito de denominar a mentira vil)  muitos artistas não teriam voz para gritar, chocar, provocar, denunciar como profetas de seu tempo. Sem a tecnologia, o artista chinês Weiwei  não teria como protestar em dimensão global sobre a apreensão injusta de seu passaporte pelo governo da China, depois de uma prisão secreta e perseguição.      

                   

Foto retirada do site do artista. Bicicleta que recebia diariamente flores colocadas pelo artista.[/caption]

Durante 600 dias, quase dois anos o dissidente artista chinês, catalogou buquês de flores colocados numa bicicleta, em frente a seu ateliê, em Pequim, em troca do passaporte confiscado. Esta obra intitulada With Flowers foi fotografada e veiculada em seu site e compartilhada nas suas mídias sociais em 2013. Seus admiradores compartilharam também com o hastag – #flowersbyfreedom – e foram milhares de compartilhamentos, o que gerou em 23 de julho de 2015 a devolução de seu passaporte.

Florescer

O resultado dessa poética artística inspirou Weiwei a criar 16 painéis de porcelana com milhares de delicadas flores que percorrem o mundo, nas inúmeras exposições que promove. Florescer é uma instalação que remete à ação diária do artista de chamar atenção para a restrição do Estado às liberdades individuais. Também para lembrar a campanha o Desabrochar de Cem Flores (1956- 1957). Um período na história da República Popular da China durante o qual o Partido Comunista incentivou a expressão das mais variadas escolas de pensamento (inclusive anticomunistas) para corrigir e melhorar o sistema.

A artista indiana Shilpa Gupta, deu voz aos poetas presos e silenciados em suas crenças com o apoio da tecnologia, com uma visceral instalação sonora  For In Your Tongue, I Can Not Fit -100 Jailed Poets, este ano na Bienal de Veneza. Sem a tecnologia, o americano Bill Viola nem nascia como artista. Ele é um dos pioneiros na exploração de novas mídias nas artes visuais. Conheci sua fascinante obra Três Mulheres, na Bienal Internacional de Curitiba, em 2015, exposta na Catedral.

São centenas, inúmeros  e talentosos artistas que se utilizam da tecnologia e hoje têm o apoio de suas mídias sociais para expor suas ideias, compartilhar seus anseios como testemunhos de um tempo que não deixará vestígio e nem memória, como as formas artísticas delineadas no duro mármore branco de grandes artistas do passado. Ainda assim, continuo apostando na narrativa artística da tecnologia. É o espírito do nosso tempo.

Vale lembrar que antes de Weiwei criar Florescer, os painéis com delicadas flores em porcelana, o artista a fez existirem na vida real. Singelas flores coloridas que abarcavam um conceito tão grandioso e significativo! 

Florescer é preciso para um novo mundo, mais solidário e com sistemas políticos mais justos, pois até hoje a humanidade ainda não conseguiu achar um denominador comum para as organizações sociais que contribuam para o desenvolvimento do homem, com liberdade e qualidade de vida!

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.