Oliver Sacks já dizia que jardim e música fazem bem para a mente

Nudez censurada gera protesto. Até Botero violou as normas da web
10 de junho de 2019
‘Pra não dizer que não falei de flores’
19 de junho de 2019
Exibir tudo

Muita música e visitas a jardins são iniciativas vitais como ‘terapia’, não farmacêuticas, para pessoas com doenças neurológicas crônicas. A prescrição foi do médico neurologista Oliver Sacks ( 1933 – 2015) que sempre teve toda a licença poética para falar sobre o assunto. Sacks, além de médico era professor e também foi autor de vários ‘best-sellers’. Um médico dos homens e das almas.

Matéria originalmente publicada no site Brainpickingns

“Eu trabalho como um jardineiro”, escreveu o grande pintor Joan Miró em sua meditação sobre o ritmo adequado para o trabalho criativo. Não é por acaso que Virginia Woolf teve sua epifania eletrizante sobre o que significa ser um artista enquanto caminhava em meio aos canteiros de flores no jardim de St. Ives.

De fato, jardinagem – mesmo que seja apenas para estar em um jardim – é nada menos que um triunfo de resistência contra a raça impiedosa da vida moderna, tão compulsivamente focado na produtividade à custa da criatividade, da lucidez, da sanidade.

Um lembrete de que somos criaturas enredadas com a grande teia do ser, na qual, como o grande naturalista John Muir observou há muito tempo atrás, “quando tentamos descobrir qualquer coisa por si só, achamos que ela se atrelou a tudo o mais no universo”; um retorno ao que é mais nobre, o que significa mais natural em nós.

Há algo profundamente humanizador em ouvir o farfalhar de um folha recém-caída, em observar um amor de abelhas e zangões em uma flor, ajoelhando-se  na terra para fazer um buraco para uma muda, mover gentilmente uma minhoca assustada ou duas para fora do caminho . Walt Whitman sabia disso quando pesou o que faz a vida valer a pena quando ele convalesce de um derrame que o fez paralítico:

‘Depois de você ter esgotado o que há nos negócios, na política, no convívio, no amor e assim por diante – descobrimos que nenhum deles finalmente  nos  satisfaz tanto e nos usa permanentemente  – o que resta?  A natureza. Ela permanece para trazer para fora de seus recessos entorpecidos, as afinidades de um homem ou mulher com o ar livre, as árvores, os campos, as mudanças das estações – o sol de dia e as estrelas do céu à noite ”.

Oliver Sacks

Essas considerações fazem parte do ensaio escrito pelo neurologista e escritor Oliver Sacks (1933-2015) intitulado “Por que precisamos de um jardim” , que está no livro Everything in your Place: First. Loves and Last Tales. O livro não foi traduzido para o português e na versão em inglês pode ser encontrado na internet.

“Como escritor, considero os jardins essenciais para o processo criativo; Como médico, levo meus pacientes a jardins sempre que possível. Todos nós tivemos a experiência de vagar por um exuberante jardim ou por um deserto atemporal, andando junto a um rio ou oceano, ou escalando uma montanha e nos achando simultaneamente acalmados e revigorados, engajados na mente, refrescados em corpo e espírito. A importância desses estados fisiológicos na saúde individual e comunitária é fundamental e abrangente. Em quarenta anos de prática médica, descobri que apenas dois tipos de “terapia” não farmacêutica são de vital importância para pacientes com doenças neurológicas crônicas: músicas e jardins”.

Citando Oliver Sacks tratando de um assunto que parece óbvio, sobre o sentir-se bem dentro do um jardim e sobre a importância da música  na psique humana, foi exatamente para lembrar aos leitores de algo tão simples capaz de traçar um novo caminho para nós.

Dar-se o direito, de vez em quando, de perder-se no perfume e nas cores de um jardim ou no ritmo de uma boa música. 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

1 Comment

  1. Mara Silva Lima disse:

    Existe grande prazer em admirar ou em cultivar um jardim. As flores são um presente para nosso espírito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.