Carnaval no Brasil é antes de tudo manifestação cultural

Torre inacabada de igrejas já difundia o ‘jeitinho brasileiro’
26 de fevereiro de 2019
Carnavale in Brasile è prima di tutto una festa culturale
4 de março de 2019
Exibir tudo

carnavale - Carybé

Não me canso de explicar para quem nunca viveu no Brasil,  que o nosso Carnaval não se resume apenas no desfile de escolas de samba do Rio de Janeiro. O carnaval brasileiro é na rua, onde o povo expressa sua alegria, com músicas e danças. É uma festa que manifesta a cultura de cada região de nosso país.

Ninguém coloca em dúvida o quanto é espetacular o desfile de escolas de samba na Marquês de Sapucaí, mas vale também ampliar nosso olhar crítico e entender o carnaval como expressão da arte popular.

A alegria de um povo que faz folia inspirada na música e também no folclore brasileiro. Um exemplo é o frevo, uma dança popular pernambucana muito apreciada no carnaval que foi considerada Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) em 2007.

O maracatu também de Pernambuco é uma dança de origem afro e surgiu no século XVIII como uma forma de manter viva a coroação do rei do Congo, após o fim da escravatura. Mais informações no próprio site (Maracatu.org).

Ôooo gente! Quanta poética artística desse povo pernambucano….

Os Bonecos Gigantes que representam personalidades famosas brasileiras e internacionais. São feitas de forma artesanal de barro, madeira e papel marché. Os primeiros bonecos, Zé Pereira e Vitalina têm 100 anos e para conhecer sua história basta clicar no nome.

Carnaval carioca

O carioca conhecido como o povo descolado que adora curtir praia e  bate-papo em bar, começa cedo com os blocos que saem semanas antes em bairros da cidade. Mas o mais apoteótico e espetacular é o da Marques de Sapucaí. O desfile das Escolas de Samba tem seu auge na terça-feira e termina na madrugada de quarta-feira de cinzas.

Já publiquei no PanHoramarte – ‘Carnaval no sambodromo contos de fadas brasileiro’ e volto a repetir o depoimento. Ele reflete também o meu deslumbramento e, portanto, Lyslane Costa me representa na opinião sobre o desfile do Sambódromo.

https://www.youtube.com/watch?v=S_O54zSrRyE

Quando assisto desfile das escolas de samba do Rio, fico a imaginar se existe, neste planeta, espetáculo que se equipare. Óperas e musicais, ofuscados por plumas e paetês, desaparecem em palcos tão mais nobres, coitados, tão pobres. E o que dizer da alegria? Das mais de três mil vozes, cantando felizes a história que escolheram contar? É com certeza o maior show da terra. 
Ai que orgulho me dá de ser deste Brasil. Seja desembargador, empresário, médico ou ator… tanto faz... a reverência é toda para a beleza das nossas mulheres que, tal como deusas vedetes, do alto de seus saltos, transitam ziguezagueando em rastros de purpurina.Que planejamento é este que reúne milhares em cadência tão perfeita. Ainda vou fazer parte disso tudo“.

É bem isso. Todos, naquele momento, têm o mesmo nível social e de importância, numa cadência só!

Carnaval do Sul

Aquilo que escreverei sobre o carnaval do Sul expressa uma vivência que não vai além do meu umbigo. Sempre estou em viagem. Porém, o que falam as ‘más línguas’ sobre Curitiba, onde vivo em parte, que é o mais fraco. Pouca animação!

A alusão é pelo estilo do povo de temperamento mais fechado pela imigração, composta, na maioria, de descendentes de poloneses e ucranianos. No final da década 70 surgiu a famosa Banda Polaca, criada por intelectuais e artistas da cidade. Era tão boa que acabou. Hoje temos os Zombie Walks. Os zombies parodiam a ideia de que o carnaval de Curitiba é um horror e saem em blocos fantasiados de monstros cinematográficos.

Carnaval mais perto da linha do Equador

Os carnavais do Norte e Nordeste do Brasil pouco posso comentar pelo fato que só participei do potiguar. Em Natal desviaram a festa da alegria para ser comemorada em dezembro com o CarNatal. Assim não competem turisticamente com as cidades, onde o carnaval é mais tradicional.

Porém, no período certo, o carnaval de rua também vive em Natal, muito mais com shows e espetáculos nos grandes palcos instalados perto de Ponta Negra e a presença de artistas de renome como Elba Ramalho e tantos outros. Alguns blocos saem pela praia durante os dias brincando e sambando.

É reconhecido pelos brasileiros que os carnavais de rua mais tradicionais do Brasil, certamente, são de Recife, Olinda e Salvador.  A capital da Bahia marca presença com os trios elétricos e seus famosos artistas e o tradicional Afoxé Filhos de Gandhy.

O afoxé Filhos de Gandhy, fundado por estivadores portuários da cidade no dia 18 de fevereiro de 1949, tornou-se o maior e dito o mais belo Afoxé do Carnaval de Salvador, na Bahia. … As cores dos colares são um referencial de paz e o afoxé enfoca Oxalá, que é o Orixá maior. Fonte Wikepédia.

Origem do carnaval

A origem do carnaval ainda é um mistério. Sabe-se que começou em regiões cristãs na antiguidade. Agora, confirmar que foi o catolicismo que disseminou a ideia será muito difícil. A festa foge às regras religiosas e é  exatamente contrário do que se prega, uma vida pelo decoro e a devoção.

Se analisarmos a própria palavra folia, tem origem em folle, em italiano follia, e pelo dicionário Devoto, significa: estado de alienação mental, loucura e demência.

Uma pista interessante nos dá o filósofo suíço Alain de Botton, no livro Religião para Ateus, quando conta sobre a Festa dos Loucos muito difundida na Europa, no período medieval.

O escritor, para justificar essa ideia, conta que o cristianismo medieval compreendia a dívida em que a bondade, fé e doçura têm com seus opostos. Uma dicotomia. Durante a maior parte do ano pregava solenidade, ordem, moderação, camaradagem, sinceridade, amor a Deus e decoro sexual, e, então, na noite de ano-novo, abria as portas da psique coletiva e dava início ao “festum fatuorum“, a Festa dos Loucos.

Segundo pesquisa de Botton, durante quatro dias, o mundo ficava de cabeça para baixo e cometiam as mais absurdas aberrações. Em 1445, a Faculdade de Teologia de Paris explicou aos bispos da França que a Festa dos Loucos era um evento necessário no calendário cristão, “para que a insensatez, que é a nossa segunda natureza, e inerente ao homem, possa se dissipar livremente, pelo menos uma vez ao ano”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.