WhatsApp: o falso que se transformou na verdade de cada um

O homem que come gente. Abaporu
27 de outubro de 2018
Outono
10 de novembro de 2018
Exibir tudo

Medusa, Caravaggio. Galleria D'Uffizi

O WhatsApp é uma caixa-preta de desinformação viral na disseminação de notícias falsas. É o paradoxo entre o bem e o mal.  Jornalistas do mundo inteiro estão preocupados em buscar meios para reduzir o impacto. O mito da Medusa ( neste caso o aplicativo) é simbolizado pelo PanHoramarte, sobretudo quando o boato torna-se a verdade de cada um.

No artigo de Laura Hazard Own, da NiemanLab, de Havard, trata das eleições brasileiras analisando a ação do WhatsApp. “Embora notícias falsas tenham se espalhado no Brasil em todas as formas de mídia social, o impacto do WhatsApp foi o mais notável”, escreve.  

Restrições no uso

Cita também que os pesquisadores brasileiros, Cristina Tardáguila, Fabrício Benevenuto e Pablo Ortellado escreveram em um recente editorial do Times sobre três coisas que o WhatsApp poderia fazer para conter o fluxo:

“Restringir para frente. Este ano, após a divulgação de rumores sobre o WhatsApp, que provocou linchamentos na Índia, a empresa colocou restrições no número de vezes que uma mensagem poderia ser encaminhada. Globalmente, o número de atacantes foi reduzido para 20, enquanto na Índia foi reduzido para cinco. O WhatsApp deve adotar a mesma medida no Brasil para limitar o alcance da desinformação.

Restringir transmissões. O WhatsApp permite que cada usuário envie uma única mensagem para até 256 contatos de uma só vez. Isso significa que um grupo pequeno e coordenado pode conduzir facilmente uma campanha de desinformação em larga escala. Isso pode ser evitado limitando o número de contatos para os quais um usuário pode transmitir uma mensagem.

Limite o tamanho de novos grupos. Novos grupos de bate-papo criados no Brasil durante as próximas duas semanas devem ter um limite no número de usuários. Isso não afetaria os grupos existentes.

Entramos em contato com o WhatsApp esta semana e apresentamos essas sugestões. A empresa respondeu dizendo que não havia tempo suficiente para implementar as mudanças. Discordamos: na Índia, o WhatsApp demorou apenas alguns dias para começar a fazer ajustes. O mesmo é possível no Brasil.”

BBC

A BBC analisou de perto como os programas de mensagens em massa são usados. Em menos de 10 minutos e em 10 cliques, é possível reunir quase 1.000 números de telefone. Os dados podem ser agrupados por cidade, gênero e interesses.

Os contatos também podem ser coletados por:

– usando detalhes fornecidos voluntariamente pelos apoiadores de um candidato

– compra de bancos de dados vendidos legalmente no Brasil

– utilizar informações roubadas ou compradas ilegalmente de prestadores de serviços telefônicos

Verdade de cada um

A revelação sobre o perfil da sociedade brasileira nessa eleição para presidente foi uma surpresa para muitas pessoas. O brasileiro, alimentado por notícias falsas, que usavam e abusavam de temas sobre ética, moral e corrupção, preferiu acreditar naquilo que estava já consolidado em seu interior.

A disseminação da pós-verdade, quando se acredita no boato e não nos fatos, é um fenômeno mundial!. E foi pontual na eleição no EUA, que deu vitória a Trump. Psicólogos e psicanalistas brasileiros estão preocupados com a situação revelada no uso das mídias sociais. Seus consultórios estão a todos dias recebendo histórias de pacientes, cuja famílias, amigos e grupos foram desfeitos e divididos.

Vale colocar Einstein nessa texto, considerando um conceito importante que ele introduziu  para nossa reflexão nesse caso: O Ponto de Vista do Observador. Fonte: A Verdade De Cada Um, de João Mansur Júnior.

 “A Teoria da Relatividade nos informa, por exemplo, que se uma régua de 100 cm pudesse se movimentar com velocidade próxima à luz, sua dimensão diminuiria para cerca de 14 cim para um observador situado na Terra ( o seu ponto de vista). Mas, se um segundo observador se movimentasse com a velocidade igual `da régua, vê-la-ia com os mesmo 100 cm de comprimento. Quem estaria então com a verdade? Os dois, naturalmente, porque cada um estaria em determinado ponto de observação e, portanto, ambos não poderiam ter a mesma verdade”.

Ao final de tudo, a verdade é uma caixa preta, lacrada e inviolável… Para chegar próxima a ela, que também não será absoluta Einstein tem outra sugestão:

“Eu penso 99 vezes e não chego a conclusão alguma, mas, quando paro de pensar, surge a verdade.”

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.