Gustav Klimt e a alegoria do Friso de Beethoven

Por que eu acredito neste país
9 de junho de 2018
Galeria de arte em Viena promove artistas brasileiros
18 de junho de 2018
Exibir tudo

A alegoria criada por Gustav Klimt no Friso de Beethoven, obra inspirada na 9a. Sinfonia, transformou uma simples sala em território sagrado. A busca pela alegria e o amor puro, passa pela fragilidade do ser humano, o mal, a doença e a morte, na poética de Klimt, em ritmo de adagio e allegro.

O bacana de apreciar uma obra de arte como essa, é se transportar no tempo e entender a razão pela qual foi criada. É como capturar a sua alma e viver a emoção do artista!

Homenagem a Beethoven

Quando o austríaco Gustav Klimt criou o Friso diretamente nas paredes da sede da Secessão, em 1902, a finalidade era homenagear o compositor alemão, num evento em que a peça central era uma escultura dedicada a Beethoven feita por Max Klinger, no salão maior do espaço.

A busca do ser humano pela pura felicidade foi a conexão entre arte visual e música, aliada ao poder criativo de Gustav Klimt, artista austríaco que introduziu a fase moderna arte vienense ainda no império.

São três paredes. Imagina-se no dia da abertura a música soava pelas paredes dando vida às ninfas que flutuam num espaço vazio, provavelmente imaginando o adagio. Um espaço livre tão importante quanto a pintura, significando a passagem do tempo. Figuras femininas e etéreas, delicadas aparecem logo em seguida de joelhos, suplicantes.

As súplicas do débil ser humano

Mulheres suplicando a uma figura masculina, a um mito heróico, um cavaleiro com armadura em folhas de ouro, cuja fisionomia foi inspirada nas feições de Gustav Mahler (compositor) e a armadura reproduz a do Arquiduque Segismundo del Tirol, exposta no Museu de História da Arte de Viena.

Esse personagem é resplandecente pelo dourado e algumas pedras semi-preciosas no cabo da espada e no capacete aos pés, representa a mesma humanidade, dotada de espírito e decidida ir em busca da felicidade pela arte.

A parede do meio é inteira pintada e de uma simbologia mitológica extraordinária. São as forças do mal com tons que predominam o escuro. Primeiro as três irmãs GorgonasMedusa, Esteno e Euríale, com cabelos de serpente, terrivelmente sedutoras, mas letais. Acima delas, a doença, loucura e morte, também representadas por figuras de mulheres.

Mitologia

O gorila, personagem central, representa também uma criatura mítica, Tifeu ou Tifão, que na mitologia grega era responsável pela destruição, ventos violentos. Klimt personificou-o como um gorila com os olhos de nácar esbugalhados para o público. Ao lado dele coloca a luxúria, o despudor e gula, representadas também por mulheres, a ruiva, a loira e a obesa.

A dor profunda

A ideia era mostrar nessa alegoria que o cavaleiro dourado teria uma missão quase impossível, considerando que poderia ser seduzido pela beleza e sensualidade, fascínio, e que nem os deuses poderiam superar a força de Tifeu, que estava envolvido pelos espirais de uma serpente e na lateral, ao lado extremo das irmãs Gorgonas, Klimt pintou outra figura de mulher representando a dor aguda, envolta em seu cabelo. Uma cena de desolação ao fundo com as serpentes enrodilhadas.

No final o Éden

No entanto, uma outra vibração harmônica aparece na terceira parede, no canto direito, acima. As ninfas flutuantes aparecem etéreas encontram-se com a música emocional, com a qual emerge a luz. Uma figura feminina parece tocar um instrumento musical. O ouro resplandece.

Allegro ao final

A sinfonia de Beethovem recupera o pulso, a grandiosidade, o allegro vibrante. Consciências são regeneradas e o Ode à Alegria aparece no abraço final do homem e da mulher, o sol e a lua – o Éden – a água em forma de ouro flui em torno do casal, unindo-os fundindo-os em alegria e amor. Fonte: Galeriadeartebarcelona

Se você leitor se envolver nas tramas dessa alegoria de Klimt, certamente, no momento em que estará imaginando-se dentro da sala da Secessão, será conduzido pelas pinceladas do artista, hipnotizado pela música emocional que resplandece com o brilho do dourado.

Pasmem! E pensar que os austríacos da Viena Imperial abominaram o trabalho de Klimt e o consideravam imoral. Um artista de extraordinária capacidade simbólica e  refinado em seu conceito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.