Alfabetização midiática é o ensino do futuro

Galeria de arte em Viena promove artistas brasileiros
18 de junho de 2018
Nem Damien Hirst escapa do marketing digital
28 de junho de 2018
Exibir tudo

Foto via site NiemanLab

As pessoas no futuro estarão mais aptas a identificar o que é falso e separar o que é verdadeiro nas informações veiculadas pela internet. Alfabetização midiática será um ensino tão importante quanto aprender a ler.

A preocupação está ganhando espaço entre os estudiosos em comunicação e o principal fator não é somente ensinar, sobretudo perceber quanto tempo é preciso para que as pessoas mudem de comportamento.

“A habilidade para analisar notícias objetivas precisa ser desenvolvida por conta própria … provavelmente precisa ser coordenada com a habilidade de analisar notícias baseadas em desinformação”.

NiemanLab

Uma matéria divulgada no Nieman Lab, assinada por do laboratório de jornalismo de Havard, trata de um programa desenvolvido na Ucrânia. O programa não só divulgou o sucesso em números de participantes, mas acima de tudo se preocupou em saber em quanto tempo os participantes conseguiram se ajustar à nova leitura das informações. Segundo as estatísticas, em 18 meses depois que concluíram o curso.

Learn do Discern

Learn to Discern foi o nome dado a ele, também conduzido por uma entidade sem fins lucrativos IREX, para educação global.  O programa foi desenvolvido com financiamento do governo canadense e apoio das organizações locais como Academy of Ukrainian Press e StopFake. A ideia era treinar treinadores, no qual 361 líderes comunitários receberam informações para promover a alfabetização midiática na comunidade.

Principais pontos

Em contraste com os cursos de alfabetização midiática mais tradicionais, o treinamento L2D focou especificamente em ensinar cidadãos a identificar fatores de manipulação e desinformação na mídia noticiosa. O currículo destina-se a fomentar habilidades de pensamento crítico, ensinando aos participantes não apenas a selecionar e processar notícias, mas também a discernir o que não consumir.

A formação foi para cidadãos formadores de opinião e adaptada às necessidades e interesses do seu local de trabalho ou redes comunitárias.

Aqueles que concluíram o treinamento de mídia quase não foram melhores em avaliar a história objetiva do que aqueles que não fizeram o treinamento. Este é um problema que já vimos antes: as pessoas não têm certeza de que podem confiar em qualquer coisa. (Apenas 25 por cento dos ucranianos dizem que confiam na mídia, de acordo com o IREX.)

“O maior desafio, na minha opinião, é ter muito cuidado entre aumentar o ceticismo saudável, mas não contribuir para a desconfiança geral”, disse Tara Susman-Pena, consultora técnica sênior do IREX, ao Slate. “Essa é exatamente a estratégia do Kremlin, para levar as pessoas a pensar, Oh, não existe tal coisa como verdade, não há fatos”.

“Há uma grande diferença entre o número de pessoas que se preocupam com notícias falsas e o que se disse que eles realmente viram.

Além disso, o Facebook procura contratar “especialistas em credibilidade de notícias”, e a Reuters tenta descobrir se sites altamente partidários estão ganhando força dentro e fora dos EUA (parece que eles não estão).

O fluxo crescente de relatórios e dados sobre notícias falsas, desinformação, conteúdo partidário e conhecimento de notícias é difícil de acompanhar. Este resumo semanal oferece os destaques do que você pode ter perdido.

A maior lacuna está entre a percepção e aquilo  o que as pessoas realmente vêem. ”O Relatório da Reuters Digital News de 2018 – que nós escrevemos aqui – inclui grandes seções sobre notícias falsas e desinformação.

Um exemplo:
– As pessoas se preocupam com notícias falsas, mas têm dificuldade em pensar em vezes em que realmente a viram”.

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.