Entre vinhos e história: de Champagne a Borgonha em carro

Giotto di Bondone mudou as regras da pintura na Idade Média
3 de fevereiro de 2017
Instalação contemporânea é arte que não deixará vestígios
8 de fevereiro de 2017
Exibir tudo

Faz uns 10 anos que assisti um filme sobre um cara que queria uma viagem incrível na Califórnia percorrendo todas as melhores vinícolas da região. Nela, começa a contar sua paixão pelos vinhos elaborados com as uvas Pinots Noirs.

Quem gosta de vinho sabe exatamente que filme eu me refiro: Sideways. Eu lembro que nessa época eu nem era tão apaixonada pelo mundo vitivinícola como agora, mas lembro de ter ficado fascinada com o personagem. Como uma pessoa pode adquirir tanto gosto e apreço por uma planta?!

Sideways me inspirou a viajar pela França e conhecer a região dos vinhos

Esse filme despertou não só meu interesse pelos vinhos elaborados com uvas Pinots, mas também pela região tão famosa e conhecida, produtora dos melhores vinhos do mundo: a Borgonha.

Preparei minha mala e planejei detalhadamente uma viagem de 15 dias pela França de carro. Minha intenção não era só percorrer a Borgonha mas aquilo que os dias , a vontade e a quilometragem deixasse.

Era eu, uma malinha de mão, um guia turístico do país, o carro e o GPS me guiando: o destino – aonde o vento me levar.

Champagne

Sai da Bélgica com destino a Champagne, com primeira parada em Reims, uma cidade histórica da província, berço  do Champagne como conhecemos hoje em dia. A cidade é pequena e de fato não é muito bonita, mas pra quem gosta de história e principalmente relacionada com o nascimento do Champagne, Reims é uma das paradas obrigatórias nessa viagem.

Éperney

Dormi uma noite ali e logo de manhã segui para Éperney, outra cidade ainda menor que Reims mas muito mais importante quando falamos de vinho e de Champagne. A pequena vila de Éperney gira em torno do turismo enológico e da produção de uns dos melhores Champagnes da região. A cidade esta rodeada por vinhedos, entre eles o grande e conhecido Möet & Chandon, com um belo chateau no centro da cidade que oferece visitas e degustações diárias.

Diz a lenda que existem cerca de 200 milhões de garrafas no subsolo da cidade. Infelizmente não pude verificar se a cifra é real.
Troyes

Troyes

Troyes

Certamente dos três destinos que tive a oportunidade de visitar em Champagne, o mais pitoresco e charmoso sem dúvida é Troyes. A cidade que tem forma de uma rolha de champagne, convida o turista a ver a arquitetura mais singular de toda região. Suas casas de madeira, ruas estreitas, palácios, igrejas, esculturas e vidreiras são o legado de uma das correntes artísticas mais importantes de cidade: a Escola de Troyes. Bastou com um passeio para ver que essa cidade era realmente impressionante.

Borgonha

Depois de Troyes, Champagne para mim tinha acabado, mas a viagem estava apenas começando.  A ideia era começar a adentrar pelos vinhedos da Borgonha respeitando a sua geografia. Mas nada mais do que começar a dirigir.  Fiz uma lista meio anárquica saltando de vinhedos a cidades históricas, vilas charmosas e paisagens exuberantes. Realmente a Borgonha era um mundo a parte que eu não ia conseguir explorar em tão pouco tempo.

Dijon

Dijon

Dijon e Baune

De Troyes fui direto a Dijon, que acho que todo mundo conhece pela tão famosa mostarda que leva o seu nome. De fato, nessa viagem fiquei sabendo que a mostarda de Dijon é apenas um processo que foi feito em Dijon, mas que pode ser reproduzido em todo o mundo levando o mesmo nome.

A cidade é um encanto e emana esse ar “Je ne sois quoi” francês que faz com que tudo ganhe movimento, elegância e beleza. Depois de París e Lyon, é um dos centros culturais mais importantes do país. E vale a pena não só visitar por sua cultura enológica senão também pelo encanto da sua arquitetura e a beleza da sua natureza e os gostos mais singulares da sua gastronomia.

Museu da Mostarda em Beaune

Museu da Mostarda em Beaune

Aula para aprender a fazer mostarda

Aula para aprender a fazer mostarda

Como fazer mostarda

Passei meus dias entre Dijon e Baune, a outra cidade da região linda e que possui uma oferta turística muito singular. Ainda que Dijon seja conhecida como a capital da Mostarda, Baune tem o que Dijon não tem: o museu da mostarda, com direito a visita guiada, degustação e aula gastronômica “faça você mesmo”.

Hospicie de Beaune

Hospicie de Beaune

Considerando todo seu legado vitivinícola, a cidade tem um turismo que gira em torno disso: com museu do vinho que explica sobre a história dos principais produtores locais e suas principais denominações de origem. Do lado do museu encontramos o Hospicies de Beaune, um hospital fundado em 1443 que atendia as pessoas mas carentes da região. Desde 1859, para arrecadar fundos para a manutenção do hospital, seus donos começaram a leiloar os vinhos que eram produzidos nas suas terras. Hoje em dia, pessoas de todo o mundo vão a cidade em novembro só pra comprar algumas das suas famosas colheitas. 

Côtes D’Or e Côte de Chalonnaise.

Borgonha está dividida em várias regiões vinícolas; as importantes e visitadas nessa viagem foram: Côtes D’Or e Côte de Chalonnaise. Cote D’Or está dividida em outras duas regiões; ao norte, se localiza Cotes-de-Nuits e ao sul  Cotes-de-Beaune.

Cotes-de-Nuits e Cotes-de-Beaune

Em geral, em Cotes de Nuits se produzem vinhos mais estruturados, equilibrados e intensos, enquanto em Cotes de Beaune predomina vinhos como elegância e frescor. Toda regra porém tem sua exceção, e Cotes de Baune também pode produzir vinhos tão bons como os que produzem em Cote de Nuits: um exemplo claro esta na visita que fiz ao Chateau Pommard, um vinhedo de alta gama, localizado em Cotes de Baune mas que produz um vinho de excelente qualidade e delicadeza. Cada parcela do vinhedo tem um “terroir” diferente, que proporciona diferentes aromas em uma única uva.

Chateau Pommard

Chateau Pommard

Além da qualidade do vinho, o Chateau Pommard também é conhecido pela sua elegância, o que não é um imperativo nas visitas as bodegas da região.

cata

Além dos tintos famosos, a Borgonha tem uma produção muito importante de vinhos brancos, mais bem 90% da sua produção. Entre as denominações de origem mais conhecidas está o Chablis e entre as uvas mais cultivadas a Aligoté e a Chardonay.

Entre Baune Dijon e muitos vinhedos, ainda tive oportunidade de visitar Flauvigny (a cidade que foi rodada o filme Chocolat), Vezelay (que tem uma catedral impressionante), Salieu, Cluny (e o seu Mosteiro) até finalmente chegar a Lyon.

Pra quem tem tempo, aconselharia mais de três semanas para fazer esse tipo de viagem. Confesso que fiquei com retro-gosto na boca de não ter tido visitado mais bodegas. Mas também isso é sempre uma boa desculpa para voltar!

Comentários Facebook

comentarios

Jaqueline D`Hipolito Dartora
Jaqueline D`Hipolito Dartora
Formada em Jornalismo na Universidade Santiago de Compostela, Jaqueline se identifica como escritora e "vinalogadora". Atualmente dedica-se ao marketing e a comunicação, promovendo eventos que conectam e promovem o diálogo entre o vinho e as artes em geral. Têm também vários projetos paralelos relacionados com as letras e o mundo do vinho. Promove formas mais sustentáveis de vida, sendo uma ativista do uso da bicicleta na cidade e de uma vida mais saudável, lenta e meditada. No seu tempo livre realiza trabalhos voluntários em Vinícolas ecológicas e (WWOOF) y recentemente criou o blog Vinálogos. Colabora com alguns blogs, lojas de vinho, e escreve contos, relatos, ensaios em inglês, português e espanhol.

Os comentários estão encerrados.