Surrealismo às avessas do ano que vai embora

Pinturas roubadas voltam a Verona
26 de dezembro de 2016
Monet e as ninfeias: 2017 com luminosidade e cor
30 de dezembro de 2016
Exibir tudo

Provavelmente André Breton está revirando no túmulo junto com Dalí, Miró, Magritte, com a comparação entre o surrealismo e  2016.

Sem desmerecer o movimento, que marcou época e exaltou o inconsciente no processo criativo ao comparar a um ano tão fora de regra, o uso da palavra foi com o objetivo de reforçar o irreal, o absurdo, sem a poética artística. Às avessas.

Um ano em que a corrupção no Brasil mostrou a cara, sem pudores e sem que fosse possível mudar o curso da história. Também o ano em que a educação e a cultura brasileira foram relegadas a segundo plano. No mundo o sentido bélico continuou fazendo parte do sistema e sustentando a hipocrisia da sociedade. Horrores, certamente, foram cometidos em nome de Deus e do dinheiro.

Ano conturbado

Mas nesse meio de informações conturbadas, o homem comum vive o seu cotidiano, com momentos felizes ou amargos, pelo qual o mais importante é ter um emprego, colocar seu filho numa boa escola, uma casa e um carro e ter um dinheirinho para as férias.

Por isso, para ilustrar esse pequeno texto sem retrospectivas anuais de praxe a tela do artista belga, René Magritte, remete ao absurdo e muitas viagens poéticas. Magritte com a sua Golconde, homens iguais que parecem estar flutuando ou caindo sobre um casarão, parecem executivos ou políticos?

“Golkonda é uma cidade em ruínas, na Índia, que a partir de meados do século 14 até o final do 17 foi a capital de dois reinos sucessivos. A fama que adquiriu por ser o centro da lendária indústria de diamantes da região era tal que o seu nome continua a ser sinônimo de mina de riqueza. O rosto de Louis Scutenaire, um amigo poeta de Magritte que sugeriu o nome da pintura, está retratado no homem grande em frente da chaminé da casa à direita da imagem”. Fonte: arte

A poética de Magritte fica à cargo de cada um interpretar!

O mais importante para o homem comum é ter um emprego, uma casa, comida na mesa, e filho na escola…

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.