Pinturas roubadas voltam a Verona

Natal sem verdades absolutas. Simplesmente amor
23 de dezembro de 2016
Surrealismo às avessas do ano que vai embora
28 de dezembro de 2016
Exibir tudo
obras recuperadas pela justiça italiana e devolvidas ao Museu de Verona

Justiça italiana e as pinturas recuperadas pelo governo. foto via The Artnewspaper

Itália não deixa por menos e não dá trégua para quem deseja se apropriar indevidamente de seus tesouros artísticos.

Primeiro foi a Dinamarca no início do ano. Agora, Verona recebe de volta obras suas, assinadas por Tintoretto, Mantegna e Rubens, entre outros, que foram descobertas perto da fronteira entre Moldávia e Ucrânia, depois de uma longa e complexa investigação solicitada pelo Ministério da Cultura italiano.

O Museu del Castelvecchio de Verona, Itália, irá receber de volta as 17 telas roubadas por ladrões mascarados há mais de um ano.

A entrega deveria ser feita em novembro, mas realização do ‘referendum’ sobre alterações na constituição italiana atrasou a chegada das obras. Enquanto isso, o tribunal de Verona condenou quatro dos 12 suspeitos pelo roubo à prisão de cinco a 10 anos em 5 de dezembro. Francesco Silvestri, guarda de segurança do museu na noite do roubo, recebeu 10 anos de prisão e uma multa de 3.000 euros. Seu irmão gêmeo Pasquale Silvestri Ricciardi, que forneceu as informações para uma gangue da Moldávia, foi condenado à pena mais pesada – 10 anos e oito meses de prisão e uma multa de 3.800 euros. A namorada de Silvestri, da Moldávia, Svetlana Tkachuk, e outro cúmplice moldavo, Victor Potinga, foram condenados a seis e cinco anos de prisão, respectivamente. Dois outros suspeitos, Denis Damaschin, da Itália, e Anatolie Burlac da Moldávia, receberam sentenças reduzidas em um acordo anterior.

 

Fonte: The Artnewspaper

Comentários Facebook

comentarios

Mari Weigert
Mari Weigert
Mari Weigert é jornalista com especialização em História da Arte pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Atuou na área de cultura, como jornalista oficial do Governo do Paraná. Durante um ano participou das aulas de Crítica de arte de Maria Letizia Proietti e Orieta Rossi, na Sapienza Università, em Roma como aluna ouvinte. Acredita que as palavras bem escritas educam e seduzem pelos seus significados que se revelam na poética da vida. *IN ITALIANO (Mari Weigert è giornalista e perfezionata in Storia dell' Arte per la Embap, del Brasile. Durante un anno è stato alunna di Critica d'Arte, alla Sapienza Università di Roma. Crede nelle parole ben scritte che seducono per le sue significate in cui rivelano la poetica della vita.)

Os comentários estão encerrados.